Comentário ao Evangelho de Lc 10,17-24 feito por São Francisco de Assis (1182-1226), fundador da Ordem dos Frades Menores
1ª Regra, § 17

«Bendigo-Te, ó Pai, Senhor do céu e da terra»

No amor que é Deus, suplico a todos os meus irmãos - aos que pregam, aos que oram, aos que trabalham manualmente, aos clérigos e leigos - que cultivem a humildade, em tudo: que não se gloriem, que não exultem nem se orgulhem interiormente por boas palavras e acções, nem mesmo por algum bem que Deus tenha dito, feito ou cumprido, neles ou através deles. Pois o Senhor diz estas palavras: «Não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem». Convençamo-nos disto com firmeza: apenas são nossos os erros e os pecados. [...] Aquele que é dócil ao Espírito do Senhor deseja mortificar e humilhar esta carne egoísta; cultiva a humildade e a paciência, a simplicidade pura e a verdadeira paz de espírito. [...]

Ofereçamos todos os bens ao Senhor, Deus altíssimo e soberano: reconheçamos que todos os bens Lhe pertencem; demos-lhe graças por tudo, pois é d'Ele que procedem todos os bens. Que Ele, o altíssimo e soberano Deus, o Deus único e verdadeiro, receba e obtenha todas as honras e todo o respeito, todos os louvores e bençãos, todo o reconhecimento e toda a glória: pois n'Ele está todo o bem, e só Ele é bom (Mc 10,18).

E nós, pela nossa parte, quando virmos ou ouvirmos maldizer, bendigamos; quando virmos fazer o mal, façamos o bem; quando ouvirmos ou virmos blasfemar, louvemos o Senhor, que é bendito pelos séculos dos séculos. Amen.


Comentário: Rev. D. Josep VALL i Mundó (Barcelona, Espanha)

Ele exultou no Espírito Santo e disse: Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra

Hoje, o evangelista Lucas nos narra o fato que dá lugar ao agradecimento de Jesus para com seu Pai pelos benefícios que tem outorgado à Humanidade. Agradece a revelação concedida aos humildes de coração, aos pequenos no Reino. Jesus mostra sua alegria ao ver que estes admitem, entendem e praticam o que Deus dá a conhecer por meio Dele. Em outras ocasiões, no seu diálogo íntimo com o Pai, também lhe agradecerá porque sempre o escuta. Elogia ao samaritano leproso que, uma vez curado de sua doença -junto com outros nove- retorna ele só, onde está Jesus para lhe agradecer o benefício recebido.

Escreve Santo Agostinho: «Podemos levar algo melhor no coração, pronunciá-lo com a boca, escrevê-lo com uma pena, que estas palavras: Graças a Deus. Não há nada que se possa dizer com maior brevidade, nem escutar com maior alegria, nem sentir-se com maior elevação, nem fazer com maior utilidade». Assim devemos agir sempre com Deus e com o próximo, inclusive pelos dons que desconhecemos, como escreveu São Josemaria Escrivá. Gratidão para com os pais, os amigos, os professores, os companheiros. Para com todos os que nos ajudem, nos estimulem, nos sirvam. Gratidão também, como é lógico, com nossa Mãe, a Igreja.

A gratidão não é uma virtude muito usada ou freqüente, no entanto, é uma das que se experimentam com maior beneplácito. Devemos reconhecer que, às vezes, não é fácil vive-la. Santa Teresa afirmava: «Tenho uma condição tão agradecida que me subornariam com uma sardinha». Os santos têm agido sempre assim. E o têm feito de três maneiras diferentes, como indicava Santo Tomás de Aquino: primeiro, com o reconhecimento interior dos benefícios recebidos; segundo, louvando externamente a Deus com a palavra; e, terceiro, procurando recompensar ao bem feitor com obras, segundo as próprias possibilidades.