||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 522 
aborto = 20 
abortos = 10 
razões = 9 
número = 7 
países = 6 
após = 5 
número abortos = 4 
mulher = 4 
índice = 4 
alguma = 4 
PeRAborto Por que não legalizar o aborto ? (4.30) Estêvão Bettencourt 9938
#827 Dezembro 2005, 15 [522, dezembro 2005, aborto, Hugo Hideo Kunii, motivos]

O Dr. Hugo Hideo Kunii, pediatra, enumera diversas razões contra a legalidade do aborto. A sua voz tem a autoridade de um profissional do assunto, que não apela para motivos religiosos. O debate em torno do aborto no Brasil tem sido movido não somente em nome da religião e da contra-religião. Também em nome da ciência e da razão natural têm sido apresentados argumentos contra o aborto. O pediatra Dr. Hugo Hideo Kunii faz uma síntese de tais argumentos, que vão disseminados pela internet e que PR reproduz nas páginas subseqüentes.
2 #REVISTA = 380 
aborto = 58 
susan = 20 
criança = 18 
litchfield = 17 
livro = 16 
inglaterra = 15 
gravidez = 14 
médicos = 14 
fazer = 12 
kentish = 12 
PeRAborto Bebês para Queimar (1.71) Estêvão Bettencourt 3859
#951 Janeiro 1994, 15 [380, janeiro 1994, aborto, sabão, Inglaterra, gravidez]

Este artigo reproduz o conteúdo do livro "Bebês para Queimar" (Babies for Burning) dos jornalistas ingleses Michael Litchfield e Susan Kentish. Estes, munidos de gravador e dissimulando-se como se fossem casados ou namorados entre si, foram ter a diversas Clínicas e vários médicos, a fim de pedir aconselhamento, pois "suspeitavam estar Susan grávida". Puderam então perceber a trama existente a fim de orientar os clientes de tais casas para a prática do aborto: embora Susan não estivesse grávida, o laudo resultante do exame de urina era geralmente "Grávida"... Mais: puderam os jornalistas averiguar que mais de um médico vendia as crianças extraídas do seio materno a fábricas de sabonetes e cosméticos, visto que a gordura natural é a mais recomendada para a confecção de tais artigos'.
3 #REVISTA = 380 
aborto = 27 
igreja = 19 
deus = 15 
vida = 13 
traficantes = 12 
mulher = 10 
ivone gebara = 10 
mulheres = 10 
gebara = 10 
ivone = 10 
PeRAborto Aborto não é pecado? (1.18) Estêvão Bettencourt 2661
#950 Janeiro 1994, 15 [380, janeiro 1994, aborto, pecado, pentecostalismo, Beethoven, drogas, Gebara, gravidez]

A Irmã Ivone Gebara propugna o aborto numa entrevista a VEJA de 6/10/93. A sua posição, aparentemente compassiva para com as mulheres grávidas carentes, redunda em maiores males para a sociedade, pois o aborto é violência e homicídio. Ora não se dá remédio a um mal mediante outro mal. Em vez de pleitear a legalização do aborto, deveriam os pensadores e as autoridades civis planejar os meios de permitir que a mulher, vítima de gravidez indesejada, possa dar à luz sem sofrer os graves traumas do aborto; uma vez gerada a criança, seria entregue a famílias ou a instituições públicas que a educariam, aliviando a respectiva mãe. A legalização do aborto abre brecha para que a mulher seja mais ainda vítima de sérios abusos, como atestam os jornalistas Michael Litchfield e Susan Kentish em seu livro "Bebês para queimar. A indústria do aborto na Inglaterra"...
4 #REVISTA = 506 
vida = 14 
aborto = 10 
brasil = 9 
constituição = 9 
humano = 7 
concepção = 7 
direito = 7 
constitucional = 6 
direito vida = 6 
texto = 5 
PeRAborto Aborto, uma Questão Constitucional (1.04)Ives Gandra Martins 2490
#579 Agosto 2004, 01 [506, agosto 2004, aborto, constituição, direito, vida, feto, concepção]

O Prof. Ives Gandra da Silva Martins, explanando o texto da Constituição do Brasil, demonstra que a prática do aborto fere a Magna Carta Nacional, que garante o direito à vida a todo ser humano. Acrescenta que desde a fecundação do óvulo existe verdadeiro ser humano, como reconhece o Pacto de Costa Rica assinado pelo Brasil e, sob este aspecto, incorporado à Constituição Brasileira.
5 #REVISTA = 468 
vida = 16 
médico = 11 
produto = 10 
artigo = 10 
seguinte = 9 
pílula seguinte = 6 
pílula = 6 
pais = 6 
saúde = 6 
medicina = 6 
PeRAborto A pílula do dia seguinte (1.17) Estêvão Bettencourt 2427
#1556 Maio 2001, 15 [468, maio 2001, sexo, pílula, aborto, Hélio Begliomini, microaborto, contraceptivo]

O Dr. Hélio Begliomini, membro de diversas sociedades nacionais e internacionais, denuncia ao público a pílula do dia seguinte pelos efeitos contrários à saúde e à vida humana que ela acarreta. Os interesses econômicos de grandes firmas estimulam a difusão desse contraceptivo, camuflando as conseqüências negativas que ele possa ter para a mulher e para a sociedade em geral.
6 #REVISTA = 350 
aborto = 42 
mulher = 35 
mulheres = 24 
experiência = 12 
culpa = 12 
realidade = 11 
problema = 10 
criança = 9 
filho = 9 
reações = 8 
PeRAborto O que é Síndrome pós-Aborto? (0.94) Estêvão Bettencourt 2363
#205 Julho 1991, 01 [350, julho 1991, aborto, Dra. Wanda Franz, Dr. Vincent Rue, trauma, desordem ansiosa]

O artigo, devido a dois especialistas nas áreas da Psicologia e da Medicina, revela conseqüências traumatizantes do aborto na mulher que passe por esta intervenção. Em tom muito vivo, descreve os males que tais pessoas vêm a padecer como seqüela do morticínio cuja realidade cedo ou tarde aflora à mente da mulher. Observa a autora que muitas das mulheres submetidas ao aborto são vítimas de imposição e constrangimento; há, porém, aquelas que espontaneamente procuram o aborto, sem talvez imaginar quanto isto fere o psiquismo da mulher, que foi feita para ser mãe carinhosa. Possam as observações da Dra. Wanda Franz Ph.D. serem úteis a quantas e quantos são interessados pela problemática !
7 #REVISTA = 395 
aborto = 13 
número = 8 
abortos = 7 
legalização = 6 
comissão = 5 
número abortos = 5 
casos = 4 
bélgica = 4 
13762 = 3 
presumido = 3 
PeRAborto Legalização do Aborto na Bélgica (0.94) Estêvão Bettencourt 2348
#241 Abril 1995, 01 [395, abril 1995, aborto, Bélgica, legalização, notícias, jornalismo]

Na imprensa cotidiana colhemos duas noticias referentes à legalização do aborto na Bélgica. A primeira exalta a medida legislativa, fornecendo dados numéricos. A segunda denuncia a tendenciosidade e o sofisma da notícia anterior. Donde se vê, mais uma vez, quão necessário se faz um certo senso crítico a todo leitor de jornais, pois não poucas informações divulgadas pela imprensa obedecem a preconceitos e procuram persuadir o leitor de que o mal é um bem.
8 #REVISTA = 519 
aborto = 17 
mulheres = 10 
mulher = 9 
gravidez = 9 
consequências = 6 
criança = 5 
longo = 4 
abortamento = 4 
risco = 4 
síndrome = 4 
PeRAborto Síndrome pós-aborto, pouco se fala... (1.08) Estêvão Bettencourt 2242
#1546 Setembro 2005, 15 [519, setembro 2005, aborto, síndrome, suicídio, saúde, psiquismo, pesquisa]

A campanha pró-aborto não menciona as consequências do abortamento não só para a criança, mas também para a mãe, esta é profundamente afetada física e psiquicamente pelos maus tratos infligidos a seu filho, independentemente de crenças religiosas ou dados culturais. O artigo subsequente enuncia as manifestações da angústia da mãe que passou por um abortamento.
9 #REVISTA = 349 
aborto = 44 
clínicas = 14 
dólares = 14 
mulheres = 13 
você = 12 
mulher = 11 
abortos = 9 
indústria = 9 
bebê = 9 
clínica = 8 
PeRAborto Tornei-me Rica Mediante o Aborto (0.92) Estêvão Bettencourt 2174
#651 Junho 1991, 01 [349, janeiro 1991, aborto, dinheiro, exploração, mulher, clínicas, indústria do aborto]

A Sra. Carol Everett foi proprietária de duas Clínicas de Aborto nos Estados Unidos e Diretora de duas outras desde 1977 até 1983. Deixou este ramo de trabalho, porque se converteu ao Cristianismo. Entrevistada por Marta Scheiber, descreve os procedimentos dos oficiais das Clínicas de Aborto, voltados principalmente para o lucro financeiro, a ponto de iludir e manipular as suas clientes. Menciona os bárbaros métodos aplicados para eliminar as crianças, e os artifícios dirigidos às respectivas mães para que sufoquem a dor e o trauma de ter matado uma criança. Mais de uma vez Carol Everett fala da "indústria do aborto", expressão que ela justifica ao referir as estratégias utilizadas pelos profissionais para aliciar mulheres e delas extrair dinheiro.
10 #REVISTA = 532 
semanas = 28 
bebê = 11 
fetos = 11 
fetal = 11 
tecido = 11 
feto = 10 
carhart = 9 
partes = 9 
crânio = 8 
médico = 7 
PeRAborto Bebês Estraçalhados e Vendidos (0.95) Estêvão Bettencourt 2092
#1155 Outubro 2006, 15 [532, outubro 2006, aborto, órgãos, comércio, pesquisa, ciência, testemunhos]

Existem nos Estados Unidos clínicas que fornecem a pesquisadores partes do corpo de bebês estraçalhados durante o aborto e vendidos a bom preço. Pormenores e lista de preços vão abaixo publicados, em nome da ciência e da pesquisa...
11 #REVISTA = 520 
aborto = 30 
mulher = 15 
gravidez = 15 
verdade = 11 
mentira = 9 
outro = 8 
violação = 8 
legal = 7 
caso = 7 
lado = 6 
PeRAborto Mentiras e Verdades sobre o Aborto (0.92) Estêvão Bettencourt 2074
#979 Outubro 2005, 15 [520, outubro 2005, aborto, mentiras]

Para justificar este crime abominável, os partidários do aborto propõem falsos argumentos, que foram difundidos especialmente naqueles países onde, por qualquer motivo, tentam buscar a legalização do aborto ou ampliá-la onde já foi legalizada em alguma de suas formas. Revisemos algumas destas mentiras e notemos qual é a verdade.
12 #REVISTA = 543 
aborto = 8 
inferno = 6 
cirurgião = 4 
haskell = 3 
médico = 3 
procedimento = 3 
crânio = 3 
vídeo = 3 
frank = 3 
tesoura = 3 
PeRAborto Vozes do Inferno (0.76)Padre Frank Pavone 1949
#88 Setembro 2007, 01 [543, setembro 2007, aborto, inferno, pró-vida, pró-escolha, morte, vida]

Se pensamos no inferno, imaginamos gritos vindos das chamas, ou a risada sinistra do demônio. Mas o som que recentemente de lá ouvi, foi o som de aplausos. O que eu escutei foi uma fita de áudio de um médico - Dr. Martin Haskell - dando uma apresentação no 16o Encontro Anual da Federação Nacional de Aborto (National Abortion Federation), em 1992, na cidade de San Diego. Foi uma reunião de abortistas - homens e mulheres que tiram seu sustento da morte de bebês. Haskell estava descrevendo para seu auditório como fazer um aborto em uma gestação já avançada. Eis as palavras do médico sobre o procedimento.
13 #REVISTA = 522 
direito = 5 
ordem = 5 
juízes = 4 
turma = 4 
judicial = 4 
aborto = 4 
turma recursal = 3 
olavo = 3 
carvalho = 3 
magistrados = 3 
PeRAborto "Abortista": palavra proibida ? (0.71)Olavo de Carvalho 1643
#834 Dezembro 2005, 15 [522, dezembro 2005, aborto, abortista, padre Lodi]

Tem sido candente o debate em torno do aborto. Aspecto muito significativo da questão foi a condenação do Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz, Presidente do Comitê Pró-Vida de Anápolis (GO), a pagar elevada multa por ter qualificado de "abortista" uma senhora que propugna a implantação do aborto no Brasil.
14 #REVISTA = 551 
aborto = 36 
deus = 22 
vida = 17 
mortes = 9 
filho = 8 
doenças = 7 
bebê = 7 
mulheres = 7 
câncer = 6 
saúde = 6 
PeRAborto Aborto, não! (0.76) Estêvão Bettencourt 1636
#1259 Maio 2008, 15 [551, maio 2008, aborto, testemunho, Michele Stepney]

Fatos e mentiras sobre o aborto.
15 #REVISTA = -3 
aborto = 15 
terapêutico = 9 
aborto terapêutico = 6 
moral = 6 
vida = 5 
cristã = 3 
intervenção = 3 
moral cristã = 3 
recursos = 3 
lícito = 3 
PeRAborto O Aborto Terapêutico (0.85) Estêvão Bettencourt 1575
#2301 Outubro 1957, 15 [-003, outubro 1957, aborto, moral]

Capichaba (Vitória): "Será lícito, na Moral cristã, o aborto terapêutico?"
16 #REVISTA = 522 
vida = 14 
aborto = 10 
direitos = 7 
questão = 7 
humano = 6 
código = 6 
direito = 6 
penal = 5 
constitucional = 5 
código penal = 5 
PeRAborto A defesa do nascituro é questão religiosa ape.. (0.62)Cláudia Löw 1436
#833 Dezembro 2005, 15 [522, dezembro 2005, aborto, nascituro, direito natural]

A Dra. Cláudia Löw, jurista de Porto Alegre, escreveu o seguinte artigo, em que mostra ser o combate ao aborto uma questão de direito natural, não necessariamente ligada à Religião.
17 #REVISTA = 508 
aborto = 11 
morte = 10 
vida = 10 
direito = 8 
artigo = 6 
marco = 5 
ministro = 5 
marco aurélio = 5 
caso = 5 
escravidão = 5 
PeRAborto Matar o Anencéfalo (0.69) Estêvão Bettencourt 1389
#1780 Outubro 2004, 15 [508, outubro 2004, aborto, anencéfalo, Ives Gandra, Marco Aurélio, escravidão, eugenismo, eugenia, eutanásia]

O Ministro Marco Aurélio Mello autorizou abortar uma criança anencéfala (sem cérebro) - o que é ilícito não somente aos olhos da fé, mas também no plano do direito constitucional brasileiro, visto que se trata de um homicídio. Neste artigo o Prof. Ives Gandra da Silva Martins mostra que nos Estados Unidos do século XIX os bebês eram pela legislação assemelhados aos escravos.
18 #REVISTA = 389 
direito = 29 
artigo = 13 
contra = 11 
tortura = 9 
desumano = 8 
tratamento desumano = 8 
tratamento = 8 
tortura tratamento = 8 
aborto = 8 
constituição = 8 
PeRAborto O Direito contra o Direito (0.63) Estêvão Bettencourt 1356
#1350 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, aborto, direito, constituição, vida, concepção, crime, legislação, Afonso de Miranda]

Em síntese, o articulista afirma que a legalização do aborto no Brasil feriria a Lei Maior ou a Constituição da Nação, pois esta garante "a inviolabilidade do direito à vida" (art. 5, caput) e proibe "tortura, tratamento desumano e degradante" contra quem quer que seja (artigo 5, item III). Ora o aborto é morticínio, e morticínio mediante tortura infligida à criança inocente. Mais: O Código Civil Brasileiro, em seu artigo 4, afirma que "a lei põe a salvo desde a concepção os direitos do nascituro". Donde se segue que a legalização do aborto tentaria criar um direito (falso) contra o DIREITO.
19 #REVISTA = 380 
aborto = 8 
igreja = 8 
vida = 6 
doutrina = 4 
artigo = 3 
quanto = 3 
momento = 3 
afirmações = 3 
defesa = 3 
direito = 3 
PeRAborto Em Defesa da Vida (0.60)CNBB 1348
#952 Janeiro 1994, 15 [380, janeiro 1994, aborto, gravidez, CNBB, Igreja]

A divulgação, em uma revista de larga difusão, de afirmações a respeito da posição da Igreja em relação ao aborto provocado requer urna palavra clara da presidência da CNBB. Com efeito, as afirmações publicadas e outras manifestações de grupos que se dizem católicos, suscitaram perplexidade em vários ambientes e estão criando a impressão de que haja dúvida quanto ao direito do nascituro à vida...
20 #REVISTA = 382 
feto = 3 
aborto = 3 
embrião = 2 
civil = 2 
morte = 2 
voluntária = 2 
dias = 2 
outro nome = 1 
nome = 1 
tirar-lhe = 1 
PeRAborto Ainda o Aborto (0.55)Mons. Gabriel Vanel 1290
#789 Março 1994, 01 [382, março 1994, aborto, embriões, França]

Embriões humanos, misturados com dejetos hospitalares, para ser incinerados. Esta notícia nos foi transmitida pela imprensa na semana passada. Ela não deixa de nos comover e alertar as nossas consciências.
21 #REVISTA = 532 
efeito = 33 
aborto = 18 
morte = 11 
salvar = 10 
outro = 9 
diretamente = 9 
caso = 7 
vida = 7 
infecção = 7 
criança = 7 
PeRAborto Aborto e a causa com duplo efeito (0.58) Estêvão Bettencourt 1270
#1162 Outubro 2006, 15 [532, outubro 2006, aborto, vida, efeito, fim, meio]

O aborto nunca pode ser meio ilícito para se obter um efeito bom, pois é um homicídio e o fim (bom) não justifica os meios maus. Acontece, porém, que certos atos bons executados com finalidade honesta podem ter um efeito mau não desejado, mas inevitável; pode-se recorrer a tais atos, desde que a finalidade do agente seja unicamente o efeito bom, e não haja outro meio para obter esse efeito bom. Como exemplo de tal procedimento, cita-se o caso de uma mulher grávida que sofre de infecção renal; pode tomar o antibiótico que a cure, ainda que tal medicamento vá causar danos ao nascituro, desde que não haja outra forma de atenderá paciente. Os danos à criança não são meio para se tratar da moléstia, mas conseqüência não desejada, e sim tolerada, de um procedimento executado com a única finalidade de salvar a saúde da enferma.
22 #REVISTA = 510 
mamãe = 14 
você = 7 
estou = 6 
feliz = 4 
estou feliz = 3 
passaram = 3 
tanto = 2 
meses = 2 
mamãe passaram = 2 
estão = 2 
PeRAborto Uma Carta de um Bebê a sua Mãe (0.52) Estêvão Bettencourt 1049
#1729 Dezembro 2004, 15 [510, dezembro 2004, feto, bebê]

Mamãe, não se deite, ainda são 2 horas da tarde, não tenho sono, quero continuar brincando com minhas mãozinhas. Hei!!! O que esse tubinho está fazendo na minha casinha? É um brinquedo novo?