||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 505 
maria = 74 
pecado = 45 
conceição = 40 
imaculada = 37 
deus = 36 
imaculada conceição = 28 
graça = 24 
cristo = 22 
igreja = 20 
original = 16 
PeRMaria Santíssima A Imaculada Conceição de Maria (1.12) Estêvão Bettencourt 2279
#1690 Julho 2004, 15 [505, julho 2004, Maria Santíssima, imaculada conceição, teologia, patrística, história, dogma, Papa Pio IX]

O artigo expõe o significado do dogma: Maria não herdou a carência da graça santificante que os primeiros pais perderam ao pecar; desde a sua conceição no seio de Santa Ana, ela foi portadora da graça - o que equivale a dizer que foi imaculada em sua conceição. Esta verdade foi controvertida pelos teólogos, pois julgavam que contradizia ao primado de Cristo Redentor de toda a humanidade. O impasse foi resolvido por obra de Duns Scotus (+1308), segundo o qual Maria contraiu o débito do pecado original, como todas as criaturas humanas, mas não contraiu as consequências desse débito, porque lhe foram antecipadamente aplicados os méritos de Cristo. Esta fórmula permitiu que a devoção à Imaculada se propagasse amplamente entre os fiéis a ponto de pedirem ao Papa Pio IX a definição do dogma - o que ocorreu aos 08/12/1854.
2 #REVISTA = 505 
igreja = 54 
cristo = 39 
protestantes = 14 
protestantismo = 12 
protestante = 12 
bíblia = 10 
unidade = 10 
corpo = 9 
corpo cristo = 9 
igreja católica = 7 
PeRIgreja Separar Cristo e Igreja? (0.99) Estêvão Bettencourt 2017
#1691 Julho 2004, 15 [505, julho 2004, solus christus, somente Cristo, protestantismo, Igreja, unidade, Corpo de Cristo, doutrina, testemunho, Luiz Fernando Pérez]

O Sr. Luiz Fernando Pérez, ex-protestante, fala de sua experiência. Refere-se ao fato de que Jesus fundou sua Igreja, da qual Ele é inseparável. O protestantismo separa Cristo e Igreja; nem dentro do âmbito protestante se guarda a unidade... Possam estas considerações falar fundo ao coração dos irmãos de boa vontade.
Ver comentários...
3 #REVISTA = 505 
sangue = 4 
testemunhas = 4 
nuvem testemunhas = 4 
nuvem = 4 
pecado = 4 
atleta = 3 
jesus = 3 
vida = 3 
cristo = 3 
senhor = 3 
PeRReflexões Uma Nuvem de Testemunhas (0.87) Estêvão Bettencourt 1781
#1698 Julho 2004, 15 [505, julho 2004, perseverança, testemunhas, santos, justos, céu]

O autor da carta aos Hebreus compara a vida cristã a uma corrida num estádio em presença de uma "nuvem de testemunhas" (12,1) ou densa multidão de torcedores... Torcedores que são os justos do Antigo Testamento recordados no capítulo anterior e que são solidários conosco, pois formamos todos uma grande família; já correram o páreo com êxito e espreitam-nos com interesse fraterno...
4 #REVISTA = 505 
filme = 25 
cristo = 17 
gibson = 13 
paixão = 11 
paixão cristo = 8 
judeus = 7 
anos = 7 
povo = 7 
horas = 6 
morte = 6 
PeRMundo Atual A Paixão de Cristo, o filme (1.72) Estêvão Bettencourt 3514
#1699 Julho 2004, 15 [505, julho 2004, paixão, Cristo, Mel Gibson, filme]

O filme, que reproduz as doze últimas horas de Jesus mortal, tem sido classificado como antissemita e demasiado violento. Na verdade, porém, o filme apresenta a atitude daqueles judeus que pediram a morte de Cristo a Pilatos (como o descrevem os Evangelhos) - o que não quer dizer que todo o povo judeu até hoje é um povo deicida. Quanto à violência, representa, aos olhos da fé, a brutalidade do pecado, que produz dilaceração e morte espirituais, como também significa a intensidade do amor de Deus pela sua criatura. - O filme tem suscitado gestos de arrependimento e magnanimidade da parte de espectadores.
5 #REVISTA = 505 
romano = 105 
joão = 29 
bento = 21 
gregório = 19 
santo = 18 
clemente = 17 
papas = 16 
leão = 14 
inocêncio = 14 
viii = 14 
PeRHistória A Lista dos Papas (0.74) Estêvão Bettencourt 1518
#1700 Julho 2004, 15 [505, julho 2004, papas, sucessão apostólica, antipapas]

Vários amigos têm solicitado que publiquemos a lista dos Papas. O pedido é considerado nas páginas seguintes. Fonte: Annuario Pontifício, Città del Vaticano.
6 #REVISTA = 505 
maçonaria = 18 
deus = 14 
verdade = 14 
jesus = 12 
cristo = 11 
igreja = 11 
jesus cristo = 10 
incompatibilidade = 9 
loja = 7 
segredo = 7 
PeREntrevista Católico e Maçom? (0.68) Estêvão Bettencourt 1377
#1701 Julho 2004, 15 [505, julho 2004, Jean Bonfils, maçonaria, catolicismo, incompatibilidade]

Vai, a seguir, reproduzida em versão portuguesa a entrevista concedida por Mons. Jean Bonfils, Bispo de Nice (França), ao periódico "Les Nouvelles Religieuses" de 5/4/02. Apresenta os argumentos que demonstram a incompatibilidade entre fé católica e Maçonaria.
7 #REVISTA = 505 
santos = 37 
igreja = 26 
bárbara = 14 
deus = 14 
santo = 14 
lourenço = 14 
catarina = 14 
antigos = 13 
sebastião = 12 
santa = 12 
PeRSantos e Místicos Contra Santos Antigos (0.62) Estêvão Bettencourt 1259
#1702 Julho 2004, 15 [505, julho 2004, santos, história, canonização]

Tem-se levantado uma campanha contra Santos antigos, não canonizados oficialmente pela Igreja. Esta reconhece que muitas "estórias" de Santos antigos não merecem crédito; ela o declara sem que seu magistério seja afetado, pois nunca houve definição dogmática a respeito de tais Santos.