||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 468 
anjos = 17 
anjo = 15 
deus = 10 
autor = 6 
guarda = 5 
livro = 5 
vida = 4 
anselm = 4 
anselm grün = 4 
grün = 4 
PeRAnjos Cada Pessoa Tem um Anjo (1.56) Estêvão Bettencourt 3168
#1534 Maio 2001, 15 [468, maio 2001, anjos, Anselm Grün, tradição]

O autor é conhecido por famosa obra intitulada "O Céu começa em você" (Ed. Vozes). A mesma Editora publicou em 2000 um livro do mesmo escritor sobre os Anjos. Frente a esse conjunto eclético, Anselm Grün quer apresentar a pura tradição bíblica. Para tanto comenta vinte e quatro quadros do Antigo e do Novo Testamento que referem a atuação de algum anjo. O texto bíblico é aplicado à vida do leitor, devendo contribuir para despertar confiança na tutela dos anjos, que acompanham a criatura humana na terra desde o nascer até o morrer. O livro é interessante; procura ter valor exegético e pastoral. Todavia merece reparos...
2 #REVISTA = 468 
águas = 6 
profundas = 6 
pedro = 6 
vida = 6 
águas profundas = 5 
cristão = 4 
jesus = 4 
avança águas = 4 
avança = 4 
espiritual = 3 
PeRReflexões Avança para águas profundas (0.63) Estêvão Bettencourt 1271
#1550 Maio 2001, 15 [468, maio 2001, medo, coragem, evangelização, pescador]

"Avança para águas profundas!", eis a ordem que Jesus dá a Pedro após uma noite de pescaria frustrada. Pedro, com sua experiência de pescador, responde ao Mestre que já tentara pescar por toda a noite anterior - o que parecia tomar despropositada a norma dada por Jesus. Todavia o Apóstolo põe de lado sua sabedoria e continua: "Já que mandas, lançarei as redes" (Lc 5, 4). A fé de Pedro foi amplamente recompensada, pois conseguiu captar tanto peixe que as redes se rompiam. Em consequência Jesus diz a Pedro: "Não tenhas medo! Doravante serás pescador de homens" (Lc 5,11).
3 #REVISTA = 468 
hitler = 63 
igreja = 46 
alemanha = 31 
católica = 26 
igreja católica = 23 
contra = 20 
concordata = 19 
católicos = 18 
após = 17 
santa = 15 
PeRHistória A perseguição religiosa movida pelo nazismo (1.52) Estêvão Bettencourt 3061
#1552 Maio 2001, 15 [468, maio 2001, nazismo, Hitler, Papa Pio XII, Pacelli, concordata]

O artigo analisa a situação interna da Alemanha antes da ascensão de Adolf Hitler ao poder e vai mostrando como se foi configurando a atitude hostil do ditador à Igreja; considera a reação dos católicos a tal agressão, evidenciando o sofrimento do Papa Pio XII daí decorrente.
4 #REVISTA = 468 
kunkel = 22 
judeus = 21 
roma = 18 
vaticano = 16 
general = 16 
papa = 14 
contra = 11 
teria = 10 
praça = 9 
alemão = 7 
PeREntrevista A atitude de Pio XII frente ao nazismo (0.89) Estêvão Bettencourt 1806
#1553 Maio 2001, 15 [468, maio 2001, nazismo, Hitler, Papa Pio XII, judeus, gueto, Roma, Vaticano, Nikolaus Kunkel]

Nikolaus Kunkel, oficial do exército alemão que serviu em Roma, em 1943, relatou a uma agência de notícias alemã os projetos e as manobras do nacional-socialismo frente ao Vaticano e aos judeus, após a ocupação da Itália pelos alemães em setembro de 1943. Revelou assim, mais uma vez, como era delicada a situação de Pio XII, ameaçado de um golpe mortal por parte dos nacional-socialistas. Daí a ação discreta, mas eficaz, do Papa em prol dos judeus, que foram abrigados, em grande número, dentro dos muros da Cidade do Vaticano.
5 #REVISTA = 468 
propriedade = 31 
deus = 26 
bens = 24 
particular = 21 
propriedade particular = 19 
homem = 16 
rico = 16 
direito = 14 
igreja = 12 
cristão = 11 
PeRPrática Cristã Os cristãos e a propriedade particular (1.02) Estêvão Bettencourt 2060
#1554 Maio 2001, 15 [468, maio 2001, riqueza, pobreza, apego, avareza, cobiça, Santo Agostinho, Clemente de Alexandria, propriedade]

A propriedade particular é lícita a todo homem por direito natural, desde que seja honesta. A Igreja ensina esta doutrina, acrescentando, porém, que sobre toda propriedade particular pesa uma hipoteca social - o que quer dizer que o proprietário deve procurar beneficiar o próximo com os bens que Deus lhe concede. A Tradição da Igreja acentuou fortemente a necessidade de que o cristão esteja vigilante para não se apegar a bens materiais que embotariam o coração, indispondo-o para os bens transcendentais. O voto de pobreza professado pelos Religiosos depende de um carisma próprio, que Deus dá livremente, sem que isto impeça o cristão legítimo proprietário de chegar à santidade.
6 #REVISTA = 468 
corpo = 23 
espírito = 20 
vida = 14 
alma = 12 
espiritual = 10 
além = 10 
morte = 7 
necessidades = 7 
físico = 7 
corpo físico = 6 
PeRApologética Sexo no além? (1.18) Estêvão Bettencourt 2376
#1555 Maio 2001, 15 [468, maio 2001, espiritismo, Kardec, materialismo, corpo, alma, espírito, São Paulo, ressurreição]

O espiritismo admite que, no além, haja desejos sexuais e até mesmo casamentos heterossexuais. Tal concepção é baseada na tese de que no ser humano existem espírito, perispírito ou corpo fluídico e corpo físico; o perispírito seria a sede da cobiça sexual. - Respondemos que a concepção cristã entende o ser humano como composto de corpo material e alma espiritual apenas. A morte separa esses dois integrantes e faz que a alma subsista sem corpo até o dia da ressurreição da carne no fim dos tempos. A alma separada não experimenta as necessidades da vida vegetativa (comer, dormir, genitalidade...) - necessidades aliás que nem mesmo após a ressurreição da carne a afetarão, pois diz o Senhor Jesus: "Serão como anjos de Deus" (Mt 22, 30).
7 #REVISTA = 468 
vida = 16 
médico = 11 
produto = 10 
artigo = 10 
seguinte = 9 
pílula seguinte = 6 
pílula = 6 
pais = 6 
saúde = 6 
medicina = 6 
PeRAborto A pílula do dia seguinte (1.18) Estêvão Bettencourt 2389
#1556 Maio 2001, 15 [468, maio 2001, sexo, pílula, aborto, Hélio Begliomini, microaborto, contraceptivo]

O Dr. Hélio Begliomini, membro de diversas sociedades nacionais e internacionais, denuncia ao público a pílula do dia seguinte pelos efeitos contrários à saúde e à vida humana que ela acarreta. Os interesses econômicos de grandes firmas estimulam a difusão desse contraceptivo, camuflando as conseqüências negativas que ele possa ter para a mulher e para a sociedade em geral.
8 #REVISTA = 468 
ritchie = 12 
vida = 12 
george = 9 
jesus = 9 
parecia = 8 
cada = 8 
cidade = 7 
homem = 7 
george ritchie = 6 
norte-americano = 6 
PeRLivros Voltar do Amanhã (1.28) Estêvão Bettencourt 2588
#1557 Maio 2001, 15 [468, maio 2001, Raymond Moody Jr, quase-morte, EQM, George Ritchie, morte, além]

O livro refere as peripécias de pretensa viagem fora do corpo efetuada por um jovem soldado norte-americano, quando certa vez caiu em estado de coma num Hospital militar. Descreve o céu e o inferno como se fossem novas edições do que há de bom e menos bom na terra. Jesus Cristo, sob a forma de um homem refulgente de luz, terá acompanhado o viajante, mostrando-lhe as localidades do além. - Embora o relato e a experiência narrada tenham por autor alguém de nível superior ou um psiquiatra, trazem todas as características de uma estória fantasiosa, não merecedora de crédito.