||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 403 
tempos = 4 
mundo = 4 
história = 4 
justos = 3 
tempo = 3 
iniqüidade = 3 
resposta = 3 
número = 2 
apocalipse = 2 
terra = 2 
PeRReflexões Por Mais um Pouco de Tempo... (0.62) Estêvão Bettencourt 1473
#210 Dezembro 1995, 01 [403, dezembro 1995, natal, fim, fim do mundo, apocalipse]

O fim do ano se associa à aproximação do fim...
2 #REVISTA = 403 
seitas = 29 
igreja = 15 
pastoral = 11 
cristã = 10 
vida = 10 
mundo = 9 
fiéis = 9 
portugal = 7 
evangelização = 7 
deus = 7 
PeRMundo Atual As Seitas: Desafio Urgente (0.77) Estêvão Bettencourt 1831
#212 Dezembro 1995, 01 [403, dezembro 1995, protestantismo, seitas, igrejas evangélicas, proselitismo]

Os Bispos de Portugal, preocupados com o problemas das seitas em seu país, analisam as causas da expansão das mesmas: as seitas parecem responder à procura de solução rápida para dificuldades e angústias do homem de hoje; oferecem enquadramento comunitário aos deslocados, sem-lar; propõem algo de transcendente ao mundo farto de racionalismo e materialismo... Dito isto, os Bispos propõem medidas pastorais em resposta ao fenômeno: renovar as paróquias, reforçando sua índole de solidariedade entre os fiéis; fomentar a catequese, principalmente no que concerne às fontes da fé (S. Escritura, Liturgia, Tradição cristã); tornar mais viva e vivida a oração, especialmente a Liturgia; promover a nova evangelização, atingindo a cultura do país... O Documento dos Bispos de Portugal é de atualidade também para o Brasil, pois toca em vários pontos que afetam igualmente a vida da Igreja entre nós.
3 #REVISTA = 403 
irmãos = 48 
jesus = 39 
filhos = 25 
família = 21 
grego = 19 
judeus = 16 
testamento = 14 
irmão = 14 
passagem = 13 
estão = 13 
PeREscrituras Afinal, Jesus teve Irmãos? (0.66) Estêvão Bettencourt 1573
#213 Dezembro 1995, 01 [403, dezembro 1995, irmãos, Jesus, família, primos]

O Professor André Leonardo Chevitarese, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Instituto de Filosofia e Ciências Sociais), enviou à redação de PR interessante artigo. Na qualidade de historiador e sociólogo, pesquisou o uso das palavras "irmãos" e "irmãs" entre os judeus e os povos que os cercavam na Antigüidade. Oferece assim um embasamento ainda mais sólido para se dizer que os "irmãos" de Jesus não eram filhos do pai e da mãe de Jesus, mas parentes ou familiares mais distantes.
4 #REVISTA = 403 
joana = 39 
joana darc = 11 
darc = 11 
jovem = 11 
ingleses = 11 
frança = 10 
carlos = 10 
autoridade = 9 
época = 8 
igreja = 7 
PeRHistória Santa Joana D'Arc, Condenada e Reabilitada (1.09) Estêvão Bettencourt 2609
#214 Dezembro 1995, 01 [403, dezembro 1995]

Santa Joana d'Arc, jovem francesa, sentiu-se chamada pelo Céu para defender a França, que se achava em guerra contra a Inglaterra. Após brilhante vitória, que ela obteve chefiando um batalhão, foi presa pelos ingleses que a levaram ao tribunal da Inquisição, acusando-a de bruxaria - o que naquela época (século XV) era muito grave. Os ingleses obtiveram a condenação de Joana sob o pretexto de mau comportamento da jovem. Faleceu em 1431. Todavia pouco após a sua morte começou a ser reabilitada mediante dois processos que investigaram os trâmites tendenciosos da condenação: em 1455 a autoridade do rei de França inocentou Joana, ocorrendo o mesmo no ano seguinte por parte da autoridade eclesiástica. A reabilitação se consumou com a canonização de Joana d’Arc em 1920. - Para entender devidamente o caso de Joana d’Arc, faz-se mister reconstituir a mentalidade de sua época, como se verá nas paginas deste artigo.
5 #REVISTA = 403 
altar = 9 
bispos = 9 
mulheres = 7 
homens = 6 
serviço = 6 
santa = 6 
interpretação = 6 
diocese = 5 
alguns = 5 
funções = 5 
PeRPrática Cristã Meninas e Senhoras Servindo ao Altar? (0.64)Santa Sé 1527
#215 Dezembro 1995, 01 [403, dezembro 1995, acólitas, altar]

A Santa Sé divulgou uma nota em que aprova a praxe, já vigente em algumas dioceses, segundo a qual meninas e senhoras servem ao altar como acólitas.
6 #REVISTA = 403 
igreja = 18 
escrava = 14 
anastácia = 10 
símbolos = 10 
povos = 10 
cultura = 9 
escrava anastácia = 9 
liturgia = 8 
inculturação = 8 
deus = 7 
PeRNotícias A Missa Afro (0.75) Estêvão Bettencourt 1794
#216 Dezembro 1995, 01 [403, dezembro 1995, inculturação, TV Globo, liturgia]

O rito de Missa Afro exibido pela televisão aos 20/08/95 não passa de um ensaio infeliz de inculturação, que de modo nenhum gozava da aprovação do Papa João Paulo II, ao contrário do que foi declarado.
7 #REVISTA = 403 
purgatório = 29 
almas = 19 
deus = 16 
almas purgatório = 15 
pecado = 9 
alma = 9 
eugênia = 9 
leyen = 9 
terra = 8 
livro = 8 
PeRLivros Conversando com as Almas do Purgatório (1.53) Estêvão Bettencourt 3661
#217 Dezembro 1995, 01 [403, dezembro 1995, purgatório, almas, revelação particular, castigo, fogo]

A princesa Eugênia von der Leyen (1867-1929) diz ter tido visões de almas do purgatório; ter-lhe-ão aparecido sob formas de seres humanos e animais asquerosos; ter-se-ão irritado com ela, por julgarem que ela não os sufragava suficientemente; em suma, terão atormentado a vidente desde 1921 a 1929. A princesa narra as ocorrências no livro em foco. - A propósito notamos que não é de crer que as almas do purgatório apareçam na terra com tanta freqüência e assumam formas corpóreas tão diversas; as almas do purgatório estão separadas de seus corpos, aguardando a ressurreição da carne no fim dos tempos. O livro concebe o purgatório como um lugar de tormentos semelhantes aos do inferno, o que é falso e deturpa a idéia de purgatório. Este é um estado em que as almas dos falecidos se arrependem de haver perdido tempo na terra alimentando com lerdeza e complacência os "pecadinhos" de cada dia.
8 #REVISTA = 403 
luís = 9 
vida = 8 
moya = 7 
mãos = 6 
tempo = 5 
pessoas = 5 
existência = 4 
universidade = 4 
rodas = 4 
acidente = 4 
PeRTestemunhos Uma Vida Heróica Sobre Rodas (0.60) Estêvão Bettencourt 1426
#218 Dezembro 1995, 01 [403, dezembro 1995, sofrimento, tetraplégico, testemunho, aborto, eutanásia]

O Pe. Luis de Moya, com quarenta e dois anos de idade, sofreu um acidente de carro que o deixou tetraplégico ou paralítico das pernas e dos braços. Ao contrário dos que julgam a vida destituída de sentido em tais condições, o padre reagiu muito bem ao desafio; sabe ocupar seu tempo com oração e trabalho, embora dependa de pessoas que lhe assistam continuamente; consegue tornar-se útil ao próximo, chegando a ministrar aulas de Ética na Universidade de Navarra, como fazia antes do acidente.