||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 389 
juventude = 7 
vida = 5 
jovem = 5 
estado = 4 
quanto = 4 
anos = 4 
coragem = 3 
ideal = 3 
dentro = 3 
velho = 3 
PeRReflexões Ser Jovem (0.56) Estêvão Bettencourt 1138
#1324 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, juventude, General Mac-Arthur, alegria, cristão]

Juventude — conceito tão apregoado em nossos dias — não significa simplesmente uma faixa etária. Diz-se, com razão, que há três concepções de juventude...
2 #REVISTA = 389 
negócio = 6 
anos = 5 
pessoas = 5 
amway = 5 
sempre = 4 
sistema = 4 
outros = 3 
marketing = 3 
nome = 3 
alguns = 3 
PeRO Que É? AMWAY e Nova-Era (1.38) Estêvão Bettencourt 2794
#1346 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, nova-era, amway, modo de viver, Antonio P. Veiga, filosofia, panteísmo]

Do Dr. Antônio Paulo Veiga, empresário e membro da Associação de Dirigentes Cristãos de Empresas, recebemos a seguinte carta, que publicamos com prazer, pois atende a uma pergunta que nos tem sido feita frequentemente: será a empresa norte-americana AMWAY filiada à corrente filosófico-religiosa (panteísta e anticristã) dita NOVA ERA? — Como verá o leitor, a resposta é negativa.
3 #REVISTA = 389 
judeus = 31 
papa = 20 
hitler = 12 
guerra = 11 
roma = 11 
governo = 10 
protestos = 8 
anos = 8 
contra = 8 
católicos = 8 
PeRHistória Pio XII e os Judeus (0.86) Estêvão Bettencourt 1746
#1347 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, Hitler, judeus, segunda guerra, Papa Pio XII, nazismo, nacional-socialismo]

A historiadora e jornalista Renée Casin oferece ao público dados interessantes e pouco conhecidos a respeito da atuação do Papa Pio XII em prol dos judeus sob o regime nacional-socialista. Os protestos do Papa junto ao Governo alemão e seus satélites se multiplicaram durante os anos de antissemitismo e barbárie. Apesar das cautelas tomadas, registram-se resultados muito positivos: os judeus, inclusive a Sra. Golda Meir, foram profundamente gratos a Pio XII, dando eloquentes testemunhos de simpatia ao Papa desde o fim da segunda guerra mundial. Pinchas Lapide, cônsul em Milão, após minuciosa pesquisa, concluiu que 800.000 israelitas foram salvos da morte por obra de Pio XII, independentemente da respectiva crença religiosa.
4 #REVISTA = 389 
jesus = 45 
deus = 29 
vida = 25 
hoornaert = 20 
cristianismo = 19 
homens = 17 
história = 16 
pobres = 16 
cristãos = 16 
autor = 15 
PeRLivros O Movimento de Jesus (0.73) Estêvão Bettencourt 1479
#1348 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, história, historiografia, pobres, marxismo, comunismo, luta de classes, teologia da libertação]

E. Hoornaert escreve a história na ótica dos pobres, em réplica à historiografia convencional, que lhe parece cultivada segundo a perspectiva dos ricos e dominadores. Na verdade, nem uma nem outra maneira de ver atinge os fatos objetivamente; ambas incorrem o risco da ideologia. O ser humano não é apenas um vivente necessitado de pão e saúde, mas é uma pessoa misteriosa, que anseia por saber qual o sentido da vida; é este o "apetite" mais fundamental de toda pessoa humana. Quem não leva em conta este traço característico, não explica suficientemente a rápida propagação do Cristianismo apesar da perseguição contra ele desencadeada até 313; não foram os aspectos socioeconômicos do Evangelho que empolgaram os mártires da fé cristã, mas, sim, a certeza de que viver e morrer com Cristo é penhor de plenitude ou de bem-aventurança sem fim.
5 #REVISTA = 389 
direito = 29 
artigo = 13 
contra = 11 
tortura = 9 
desumano = 8 
tratamento desumano = 8 
tratamento = 8 
tortura tratamento = 8 
aborto = 8 
constituição = 8 
PeRAborto O Direito contra o Direito (0.64) Estêvão Bettencourt 1286
#1350 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, aborto, direito, constituição, vida, concepção, crime, legislação, Afonso de Miranda]

Em síntese, o articulista afirma que a legalização do aborto no Brasil feriria a Lei Maior ou a Constituição da Nação, pois esta garante "a inviolabilidade do direito à vida" (art. 5, caput) e proibe "tortura, tratamento desumano e degradante" contra quem quer que seja (artigo 5, item III). Ora o aborto é morticínio, e morticínio mediante tortura infligida à criança inocente. Mais: O Código Civil Brasileiro, em seu artigo 4, afirma que "a lei põe a salvo desde a concepção os direitos do nascituro". Donde se segue que a legalização do aborto tentaria criar um direito (falso) contra o DIREITO.
6 #REVISTA = 389 
elisabetta = 14 
vida = 12 
marido = 8 
deus = 7 
paris = 6 
esposa = 6 
ordem = 4 
mora = 4 
duas = 4 
leseur = 4 
PeRTestemunhos Duas Mulheres Heroicas (0.93) Estêvão Bettencourt 1873
#1351 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, Elisabeth Leseur, Elisabetta Mora, comunhão dos santos]

Vão, a seguir, apresentadas duas figuras femininas — Elisabetta Canori Mora e Pauline-Elisabeth Leseur que, por sua fidelidade a Deus e à sua vida conjugal, conseguiram, depois de falecidas, impressionar os respectivos maridos incrédulos, levando-os a sincera e profunda conversão. — São testemunhas do valor de uma vida reta e perseverante em meio às dificuldades cotidianas; na Comunhão dos Santos o comportamento de um autêntico cristão ganha extraordinária fecundidade espiritual.
7 #REVISTA = 389 
comunhão = 11 
missa = 9 
pecado = 9 
eucaristia = 9 
grave = 9 
pecado grave = 8 
eucarística = 6 
deus = 6 
propósito = 5 
comungar = 5 
PeRSacramentos Respeitar a Eucaristia (0.83) Estêvão Bettencourt 1684
#1352 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, Eucaristia, comunhão, hóstia, Gérard Dufois, corpo do Senhor, Missa, liturgia, confissão]

A Missa e a Comunhão Eucarística são o ápice de todo o culto cristão e a fonte de todas as bênçãos. Por isto a Eucaristia há de ser sempre recebida em estado de graça, não sendo lícito aos fiéis comungar em pecado grave, mesmo que tenham o propósito de se confessar na primeira oportunidade. O fato de alguém acompanhar uma família em festa ou em luto durante a S. Missa não justifica a recepção da S. Comunhão por parte de quem esteja em pecado grave.
8 #REVISTA = 389 
igreja = 22 
católica = 20 
igreja católica = 12 
inglaterra = 11 
comunhão = 9 
anglicanos = 6 
visível = 6 
plena = 6 
sacramento = 5 
clérigos = 5 
PeRIgreja A recepção do clero anglicano na Igreja (0.82) Estêvão Bettencourt 1648
#1353 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, anglicanismo, conversão, Inglaterra, País de Gales]

O episcopado da Inglaterra e do País de Gales tem considerado o pedido de clérigos e leigos anglicanos desejosos de entrar para a Igreja Católica. Em 15/4/94 emitiram uma Declaração sobre o assunto: notam que o movimento pró-Catolicismo na Comunhão Anglicana é anterior à decisão anglicana de ordenar mulheres; vem a ser a conclusão de estudos e observações realizadas por membros da Comunhão Anglicana desde o século passado; os clérigos anglicanos poderão exercer o ministério sacerdotal na Igreja Católica desde que recebam o sacramento da Ordem; os que ingressam na Igreja Católica, integram-se no sacramento da Igreja, na qual Cristo vive e atua, garantindo a infalibilidade do magistério eclesial em questões de fé e de Moral e prestando ao sucessor de Pedro a assistência necessária para que, com fidelidade ao Senhor, apascente o seu rebanho.
9 #REVISTA = 389 
homossexuais = 10 
baco = 10 
livro = 10 
sérgio baco = 9 
santos = 9 
sérgio = 9 
igreja = 8 
boswell = 7 
autor = 6 
john = 6 
PeRLivros A seita que não ousa dizer seu nome (0.66) Estêvão Bettencourt 1332
#1354 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, homossexualismo, John Boswell, Sérgio, Baco, história, Igreja]

O jornal O GLOBO, edição de 25/06/94, p. 4 do 29 caderno, apresenta o livro de John Boswell, segundo o qual durante oito séculos a Igreja Católica abençoou, em rituais próprios, a união de homossexuais. — Além de se tratar de breve e insuficiente notícia de jornal, o texto em questão revela a precariedade dos argumentos do autor desde a sua capa de rosto. Com efeito; propõe as imagens dos santos Sérgio e Baco, que terão sido homossexuais abençoados peia Igreja. Ora a pesquisa da hagiografia revela que quase nada se sabe de seguro sobre esses Santos; diz uma lendária Ata de Martírio que eram soldados romanos cristãos e que, para serem ridicularizados, foram, pelos carrascos, revestidos de trajes femininos. Ora isto é-nos transmitido por um documento tido pela crítica como não fidedigno; além do quê, não é argumento para se afirmar que os dois Santos eram homossexuais. Este breve espécime da obra de Boswell já mostra a falta de critérios da parte do autor.
10 #REVISTA = 389 
homossexualismo = 19 
jesus = 13 
davi = 12 
prática = 8 
bíblia = 7 
deus = 7 
evangelhos = 7 
jonatas = 7 
palavra = 7 
escritura = 6 
PeREscrituras Jesus jamais condenou o homossexualismo? (25.31) Estêvão Bettencourt 51138
#1355 Outubro 1994, 15 [389, outubro 1994, homossexualismo, panfleto, condenação]

Há quem alegue que na Bíblia não se encontra a palavra homossexualismo; por isto não se pode dizer que a S. Escritura condena tal prática. — Em resposta, observamos que, se a palavra não ocorre, ocorre, sim, o conceito de homossexualismo, que é severamente condenado em Lv20,13; Rm 1,23-27; 1Cor 6,9s. Alega-se também que Jesus jamais condenou o homossexualismo; se fosse tão grave, Ele o teria repudiado. — Respondemos que os Evangelhos não pretendem ser um relato completo de tudo o que Jesus disse e fez, como nota São João no final do seu Evangelho (cf. 20,30s; 21,25). Por isto os Evangelhos hão de ser lidos no contexto dos demais escritos do Novo Testamento; estes, sem dúvida, rejeitam o homossexualismo, como se depreende dos textos atrás citados. — Ademais, antes que a Escritura condene tal prática, a própria lei natural, incutida em todo ser humano, o rejeita, visto que a natureza conhece dois sexos, que são complementares entre si.
Ver comentários...