||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 382 
jesus = 11 
morte = 7 
cruz = 4 
pedir = 3 
cristão = 3 
atendido = 3 
oração = 3 
morte cruz = 3 
cristo = 2 
tendo = 2 
PeRReflexões Atendido por causa da sua Reverência (0.61) Estêvão Bettencourt 1281
#783 Março 1994, 01 [382, março 1994, morte, ressurreição, vida, cruz]

O mês de março terminará com a celebração da Semana mais Santa do ano: 28/03 a 03/04. É semana de paradoxo, pois nela se celebram a morte e a ressurreição de Jesus ou a morte que não foi morte, mas passagem para a vida. — Um texto da epístola aos Hebreus (5,7) é apto a explanar o mistério: o autor sagrado recorda a agonia de Jesus no Horto das Oliveiras, em meio a clamores e lágrimas e. . . ousa dizer que Jesus, tendo pedido ao Pai a isenção da morte de Cruz, foi atendido por causa da sua reverência.
2 #REVISTA = 382 
capitalismo = 18 
papa = 16 
comunismo = 14 
selvagem = 8 
homem = 6 
contra = 6 
estado = 6 
sementes = 6 
sistema = 6 
vida = 5 
PeRMundo Atual O Papa e o Comunismo (1.18) Estêvão Bettencourt 2469
#785 Março 1994, 01 [382, março 1994, Papa João Paulo II, capitalismo, comunismo, coletivismo, individualismo]

O Papa João Paulo II fez declarações à imprensa italiana, que no Brasil suscitaram mal-entendidos. O Pontífice não propugna o comunismo materialista, mas verifica que no cerne deste há "sementes de verdade", isto é, a tese de que é preciso combater as injustiças sociais, debelando a miséria e a fome das camadas mais modestas da população. O Papa criticou tanto o comunismo ateu quanto o capitalismo selvagem, pois ambos são materialistas e desumanos, o primeiro colocando a coletividade acima do indivíduo, o segundo esquecendo a coletividade em favor do indivíduo, mas ambos conculcando a dignidade e os direitos da pessoa humana.
3 #REVISTA = 382 
cruz = 54 
símbolo = 18 
testemunhas = 18 
cristo = 14 
jesus = 12 
cristãos = 11 
braços = 11 
estaca = 9 
sinal = 9 
figura = 8 
PeRHistória A Cruz, Símbolo Pagão ? (1.93) Estêvão Bettencourt 4042
#786 Março 1994, 01 [382, março 1994, cruz, Testemunhas de Jeová]

A cruz, símbolo muito caro aos cristãos, é repudiada pelas Testemunhas de Jeová como algo de pagão e abominável. O artigo presente mostra quão inconsistente é a argumentação dos jeovistas; procede na base de preconceitos e distorção de textos bíblicos. Além do quê, é de se notar que nos primeiros decenios da Congregação das Testemunhas, ou seja, de 1891 até 1931, a Sociedade "Torre de Vigia" tinha por distintivo seu uma cruz latina atravessada por uma coroa real e cercada de folhas de louro; as Testemunhas usavam tal símbolo na lapela, e cada número da sua revista oficial Watch Tower (Torre de Vigia) trazia na capa tal símbolo.
Ver comentários...
4 #REVISTA = 382 
feto = 3 
aborto = 3 
embrião = 2 
civil = 2 
morte = 2 
voluntária = 2 
dias = 2 
outro nome = 1 
nome = 1 
tirar-lhe = 1 
PeRAborto Ainda o Aborto (0.57)Mons. Gabriel Vanel 1183
#789 Março 1994, 01 [382, março 1994, aborto, embriões, França]

Embriões humanos, misturados com dejetos hospitalares, para ser incinerados. Esta notícia nos foi transmitida pela imprensa na semana passada. Ela não deixa de nos comover e alertar as nossas consciências.
5 #REVISTA = 382 
galileu = 98 
terra = 45 
sistema = 43 
igreja = 21 
teoria = 19 
copérnico = 19 
época = 19 
inquisição = 18 
paulo = 16 
heliocêntrico = 16 
PeRHistória Ainda o Caso Galileu (1.10) Estêvão Bettencourt 2306
#790 Março 1994, 01 [382, março 1994, Galileu, ciência, fé, escrituras, astronomia, Copérnico, Ptolomeu, Aristarco, Aristóteles, Inquisição]

Apresentamos um artigo do Prof. Dr. Joaquim Blessmann sobre o caso Galileu. Revê a história; recoloca os dois processos contra Galileu em seu contexto próprio; refere pormenores importantes, que são geralmente desconhecidos, e assim, numa visão imparcial, possibilita ao leitor melhor entendimento do famoso episódio. Na verdade, para compreender fatos pretéritos, não há melhor alvitre do que a reconstituição dos parâmetros ou do senso comum que norteavam as concepções dos homens da respectiva época.
6 #REVISTA = 382 
embrião = 14 
humano = 14 
clonagem = 12 
humanos = 8 
homem = 8 
fecundação = 7 
ciência = 6 
embriões = 6 
sexo = 6 
três = 6 
PeRMundo Atual A Reprodução Assexual do Ser Humano (0.78) Estêvão Bettencourt 1624
#791 Março 1994, 01 [382, março 1994, reprodução, clonagem, ética]

A clonagem ou a reprodução assexual do ser humano mediante avanços da ciência contemporânea ameaça a dignidade do gênero humano, equiparando-o ao gado, e abre perspectivas de futuro sombrio. Requer-se, pois, que a ciência progrida, sem dúvida, mas não se desligue da consciência moral, para que não venham seus produtos a voltar-se contra a própria humanidade.
7 #REVISTA = 382 
deus = 20 
verdade = 18 
religião = 16 
homens = 11 
paiva netto = 10 
netto = 10 
paiva = 10 
vontade = 9 
religião deus = 8 
amor = 7 
PeRO Que É? A Legião da Boa Vontade (1.31) Estêvão Bettencourt 2737
#792 Março 1994, 01 [382, março 1994, Paiva Netto, Zarur, LBV, reencarnação, espiritismo]

A Legião da Boa Vontade (LBV), fundada por Alziro Zarur (1914-1979) na década de 1950, é hoje governada pelo Sr. José de Paiva Netto, também presidente da Religião de Deus. Pretende aproximar todos os homens entre si na base do amor fraterno, sem levar em conta as diferenças religiosas. A Religião de Deus, professada pela LBV, não é uma religião que abranja todas as crenças ou com a qual todas se possam identificar de algum modo, pois é francamente espírita e reencarnacionista; quem não compartilha a necromancia e o reencarnacionismo, há de se sentir constrangido e desambientado nessa religião de Deus.