||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março de 1957 (11)
-007 Junho de 1957 (8)
-006 Julho de 1957 (12)
-005 Agosto de 1957 (7)
-004 Setembro de 1957 (9)
-003 Outubro de 1957 (10)
-002 Novembro de 1957 (15)
-001 Dezembro de 1957 (12)
001 Janeiro de 1958 (11)
002 Fevereiro de 1958 (11)
003 Março de 1958 (12)
004 Abril de 1958 (11)
005 Maio de 1958 (9)
006 Junho de 1958 (10)
007 Julho de 1958 (10)
008 Agosto de 1958 (9)
009 Setembro de 1958 (10)
010 Outubro de 1958 (10)
011 Novembro de 1958 (9)
012 Dezembro de 1958 (12)
013 Janeiro de 1959 (7)
014 Fevereiro de 1959 (8)
015 Março de 1959 (7)
016 Abril de 1959 (7)
017 Maio de 1959 (9)
018 Junho de 1959 (7)
019 Julho de 1959 (8)
020 Agosto de 1959 (6)
021 Setembro de 1959 (7)
022 Outubro de 1959 (5)
023 Novembro de 1959 (7)
024 Dezembro de 1959 (6)
025 Janeiro de 1960 (6)
026 Fevereiro de 1960 (7)
027 Março de 1960 (6)
028 Abril de 1960 (9)
029 Maio de 1960 (6)
030 Junho de 1960 (9)
031 Julho de 1960 (8)
032 Agosto de 1960 (8)
033 Setembro de 1960 (7)
034 Outubro de 1960 (7)
035 Novembro de 1960 (7)
036 Dezembro de 1960 (7)
037 Janeiro de 1961 (7)
038 Fevereiro de 1961 (6)
039 Março de 1961 (5)
040 Abril de 1961 (6)
041 Maio de 1961 (5)
042 Junho de 1961 (5)
043 Julho de 1961 (6)
044 Agosto de 1961 (5)
045 Setembro de 1961 (6)
046 Outubro de 1961 (7)
047 Novembro de 1961 (6)
048 Dezembro de 1961 (5)
049 Janeiro de 1962 (7)
050 Fevereiro de 1962 (5)
051 Março de 1962 (5)
052 Abril de 1962 (6)
053 Maio de 1962 (7)
054 Junho de 1962 (5)
055 Julho de 1962 (6)
056 Agosto de 1962 (7)
057 Setembro de 1962 (7)
058 Outubro de 1962 (6)
059 Novembro de 1962 (5)
060 Dezembro de 1962 (8)
061 Janeiro de 1963 (6)
062 Fevereiro de 1963 (5)
063 Março de 1963 (5)
064 Abril de 1963 (5)
065 Maio de 1963 (6)
066 Junho de 1963 (5)
240 Dezembro de 1979 (1)
344 Janeiro de 1991 (8)
345 Fevereiro de 1991 (8)
346 Março de 1991 (9)
347 Abril de 1991 (8)
348 Maio de 1991 (6)
349 Junho de 1991 (9)
350 Julho de 1991 (5)
351 Agosto de 1991 (8)
352 Setembro de 1991 (7)
356 Janeiro de 1992 (9)
360 Maio de 1992 (1)
368 Janeiro de 1993 (7)
369 Fevereiro de 1993 (5)
370 Março de 1993 (5)
371 Abril de 1993 (6)
373 Junho de 1993 (9)
374 Julho de 1993 (8)
377 Outubro de 1993 (11)
379 Dezembro de 1993 (7)
380 Janeiro de 1994 (7)
381 Fevereiro de 1994 (7)
382 Março de 1994 (7)
383 Abril de 1994 (6)
385 Junho de 1994 (6)
386 Julho de 1994 (10)
387 Agosto de 1994 (7)
388 Setembro de 1994 (10)
389 Outubro de 1994 (10)
390 Novembro de 1994 (6)
391 Dezembro de 1994 (8)
392 Janeiro de 1995 (6)
393 Fevereiro de 1995 (7)
395 Abril de 1995 (10)
397 Junho de 1995 (6)
398 Julho de 1995 (10)
399 Agosto de 1995 (7)
400 Setembro de 1995 (8)
401 Outubro de 1995 (11)
402 Novembro de 1995 (8)
403 Dezembro de 1995 (8)
449 Outubro de 1999 (1)
457 Junho de 2000 (8)
468 Maio de 2001 (8)
491 Maio de 2003 (14)
500 Fevereiro de 2004 (9)
501 Março de 2004 (8)
504 Junho de 2004 (15)
505 Julho de 2004 (7)
506 Agosto de 2004 (15)
507 Setembro de 2004 (7)
508 Outubro de 2004 (12)
509 Novembro de 2004 (12)
510 Dezembro de 2004 (9)
513 Março de 2005 (10)
516 Junho de 2005 (12)
517 Julho de 2005 (13)
518 Agosto de 2005 (20)
519 Setembro de 2005 (12)
520 Outubro de 2005 (13)
521 Novembro de 2005 (12)
522 Dezembro de 2005 (12)
523 Janeiro de 2006 (11)
524 Fevereiro de 2006 (11)
525 Março de 2006 (14)
526 Abril de 2006 (12)
527 Maio de 2006 (13)
528 Junho de 2006 (15)
529 Julho de 2006 (14)
530 Agosto de 2006 (15)
531 Setembro de 2006 (13)
532 Outubro de 2006 (14)
537 Março de 2007 (13)
539 Maio de 2007 (14)
543 Setembro de 2007 (18)
545 Novembro de 2007 (12)
547 Janeiro de 2008 (14)
548 Fevereiro de 2008 (15)
549 Março de 2008 (13)
551 Maio de 2008 (14)
554 Agosto de 2008 (15)
555 Setembro de 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 374 
alma = 3 
filhos = 3 
navio = 3 
deixa = 2 
ameaça = 2 
vida = 2 
qualquer = 2 
estagnação = 2 
humano = 2 
algo = 2 
PeRSabedoria A Alma Viajadora do teu Barco (0.83) Estêvão Bettencourt 2146
#174 Julho 1993, 01 [374, julho 1993, dom Hélder Câmara, peregrino, alma, acomodação]

Há breves dizeres que podem longamente impressionar os leitores, deixando-lhes margem para profícua reflexão. Entre outros, vão aqui transcritos alguns versos de D. Hélder Câmara.
2 #REVISTA = 374 
astrologia = 39 
astrólogos = 23 
matéria = 14 
terra = 14 
ciência = 14 
leis = 12 
física = 11 
mundo = 11 
planetas = 9 
científica = 9 
PeRCiência e Fé Astrologia à Luz da Ciência (0.93)Fernando Gomide 2402
#175 Julho 1993, 01 [374, julho 1993, astrologia, astronomia, patrística, mistificação, Garaudy, ateísmo, superstição]

A Astrologia está sempre em voga, apesar de já ter sido desmentida freqüentemente pela experiência de seus próprios usuários. Isto se explica porque no íntimo do homem moderno mesmo fica muitas vezes, de modo inconsciente, um resquício de mentalidade mágica, animista, primitiva; esta se reveste, através dos tempos, de roupagem aparentemente científica e séria, mas não deixa de ser sempre uma herança do primitivismo de séculos muito recuados.
3 #REVISTA = 374 
pessoa = 45 
humano = 19 
pessoas = 17 
tais = 16 
atos = 14 
racionalidade = 13 
autoconsciência = 13 
vida = 13 
podem = 12 
seres = 12 
PeRCiência e Fé Pessoa: Como Identificá-la? (0.65) Estêvão Bettencourt 1684
#176 Julho 1993, 01 [374, julho 1993, aborto, eutanásia, vida, ética, pessoa, humano, homem, feto, inteligência, Engelhardt, P. Singer]

Há quem identifique a pessoa humana com as atividades do raciocínio, da consciência de si e da ordem ética. Em conseqüência nem todo ser humano seria pessoa, pois há quem, dentro da espécie humana, se mostre inconsciente e incapaz de raciocinar (fetos, criancinhas, mentecaptos, moribundos); de outro lado, dizem, há animais não humanos (chimpanzés, gorilas...) que emitem linguagem e parecem raciocinar. Tais animais hão de ser tidos como pessoas. O próprio computador parece merecer o status de pessoa por sua "inteligência automática".
4 #REVISTA = 374 
carla = 30 
vida = 24 
maternidade = 19 
levati = 17 
amor = 16 
filho = 16 
carla levati = 16 
gianna = 16 
mulher = 14 
efeito = 11 
PeRPrática Cristã A Vida da Mãe ou a do Filho? (0.56) Estêvão Bettencourt 1458
#177 Julho 1993, 01 [374, julho 1993, aborto, vida, maternidade, sacrifício, cruz, heroísmo]

Duas mulheres heróicas na Itália, Gianna Beretta Molle e Carla Levati Ardenghi, optaram por não se tratar de câncer a fim de não prejudicar a vida da criança que elas traziam em seu seio; ambas morreram, vítimas de tal opção. A opinião pública tem criticado essas atitudes, julgando estar aí subjacente um falso conceito de maternidade; a mulher seria simplesmente a reprodutora, que deveria sacrificar-se em qualquer hipótese, para gerar filhos. — Ora tal não é o modo de ver cristão: as duas mulheres poderiam ter licitamente escolhido o tratamento do câncer, ainda que este acarretasse, como efeito secundário, a perda do feto. Não o quiseram, porém, por amor ao filho, amor que só pode dignificar a mulher, levando-a à imitação de Cristo, que morreu por todos. A maternidade humana está longe de ser uma função meramente biológica; ela participa da espiritualidade que existe em toda mulher, e, se esta é católica, participa da obra redentora de Cristo.
5 #REVISTA = 374 
paciente = 4 
eutanásia = 4 
lícito = 3 
distanásia = 3 
resultados = 2 
negativa = 2 
moral = 2 
estes = 2 
vida = 2 
meios = 2 
PeRPrática Cristã Eutanásia e Distanásia (0.85) Estêvão Bettencourt 2203
#178 Julho 1993, 01 [374, julho 1993, eutanásia, distanásia, moral, moral católica]

A respeito de eutanásia, a Moral Católica (e também a Medicina) distingue entre eutanásia positiva e eutanásia negativa.
6 #REVISTA = 374 
igreja = 35 
carismática = 28 
renovação = 28 
espírito = 26 
oração = 25 
carismas = 21 
renovação carismática = 21 
dons = 20 
deus = 19 
espírito santo = 18 
PeRO Que É? Renovação Carismática: que dizer? (1.05)D. Antônio de Miranda 2707
#179 Julho 1993, 01 [374, julho 1993, renovação carismática, espírito santo, dons, carismas]

O Sr. Bispo de Taubaté publicou um livro simpático à Renovação Carismática, no qual expõe os frutos positivos que tem produzido, como também os desvios e exageros a que está sujeita. Fala com franqueza do perigo de se confundirem estados emocionais com dons do Espírito Santo. É preciso que haja, da parte dos Bispos e sacerdotes, assistência mais assídua aos grupos de oração a fim de que, evitando falhas doutrinárias e morais, possam continuar a ser núcleos de uma Igreja viva, voltada para o Transcendental e o serviço aos irmãos, ponto de atração de fiéis afastados e tíbios, e foco de afervoramento dos mais piedosos.
7 #REVISTA = 374 
deus = 27 
comunidade = 18 
igreja = 16 
cristã = 8 
cristo = 7 
fraternidade = 6 
sempre = 6 
índole = 5 
autor = 5 
sonho = 5 
PeRReflexões Comunidade Ideal? (0.77) Estêvão Bettencourt 1989
#180 Julho 1993, 01 [374, julho 1993, Bonhoeffer, comunidade, igreja]

O presente artigo tem por centro uma página do escritor luterano Dietrich Bonhoeffer, que morreu em 1944 num campo de concentração. Este autor faz ponderações inspiradas por fé profunda a respeito de comunidades cristãs e, em particular, a respeito da Igreja. Embora o conceito luterano de Igreja não seja equivalente ao católico, o que está dito por Bonhoeffer é plenamente válido: a comunidade da Igreja é divino-humana; Deus vem aos homens mediante os homens. Quem sonha com uma comunidade angelical ou destituída de criaturas frágeis, sujeitas ao pecado, ilude-se e foge do plano de Deus; viverá numa utopia, que Deus não quer. O autor insiste muito na necessidade de se dissiparem tais sonhos, em favor de uma adesão firme e fiel ao dom de Deus, que é a continuação do mistério da Encarnação ou do Deus velado pela face do homem.
8 #REVISTA = 374 
tempo = 20 
vida = 6 
anos = 6 
dinheiro = 5 
livro = 5 
poderia = 5 
deus = 4 
autor = 4 
boulad = 3 
quatro = 3 
PeRLivros Livros em Estante (0.51) Estêvão Bettencourt 1322
#181 Julho 1993, 01 [374, julho 1993, Henri Boulad, Carlo Rochetta, Paulo Avelino de Assis]

Deus e o Mistério do Tempo, por Henri Boulad. Os Sacramentos da Fé, por Carlo Rochetta. De Olhos Abertos para a Realidade, por frei Paulo Avelino de Assis.