||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 373 
coração = 16 
amor = 10 
jesus = 8 
homens = 6 
amor deus = 4 
coração jesus = 4 
deus = 4 
junho = 3 
povo = 2 
devoção = 2 
PeRReflexões Manso e humilde de coração (0.81) Estêvão Bettencourt 1743
#741 Junho 1993, 01 [373, junho 1993, coração de Jesus, coração, amor]

O mês de junho é, pela piedade católica, consagrado ao Coração de Jesus. Esta devoção visa a cultuar o Amor de Deus aos homens, simbolizado pelo sinal do coração. Uma vez concluídos os ciclos de Natal, Páscoa e Pentecostes, a Igreja quer deter-se, com especial afeto, sobre a razão de ser mais profunda de toda a história da salvação, ou seja, o Amor daquele que primeiro nos amou (cf. 1Jo 4, 19).
2 #REVISTA = 373 
cânon = 69 
matrimônio = 64 
casamento = 55 
erro = 28 
consentimento = 26 
pessoa = 24 
vida = 21 
matrimonial = 20 
igreja = 20 
caso = 19 
PeRPrática Cristã Nulidade de Casamento (1.52) Estêvão Bettencourt 3246
#743 Junho 1993, 01 [373, junho 1993, casamento, matrimônio, nulidade, cânone]

O artigo apresenta as causas que podem tornar nulo o matrimônio sacramental. São: 1) Falhas no consentimento matrimonial; 2) impedimentos dirimentes e 3) falta de forma canônica. A Igreja não anula uniões sacramentais validamente contraídas e consumadas, mas pode, após processo meticuloso, reconhecer que nunca houve casamento, mesmo nos casos em que todos o tinham como válido.
3 #REVISTA = 373 
deus = 16 
batismo = 16 
igreja = 13 
crianças = 10 
rito = 9 
novo = 7 
água = 6 
jesus = 6 
particular = 6 
senhor = 5 
PeRSacramentos Novo Rito de Batismo ? (0.94) Estêvão Bettencourt 2005
#744 Junho 1993, 01 [373, junho 1993, batismo, rito, revelação particular, limbo]

Uma revelação particular, atribuída a Jesus, ensina novo rito de Batismo em favor das crianças que estão para morrer ou já morreram no seio materno. Tal rito é estranho e não goza do reconhecimento da S. Igreja. Esta tem seu rito batismal, que exige o contato físico da água com a pele do batizando. A criancinha que morra sem ter recebido o Batismo assim concebido, não está excluída da bem-aventurança celeste, como ensinam os teólogos recentes, baseados em válidos argumentos; a existência do limbo das crianças nunca foi definida como objeto de fé.
4 #REVISTA = 373 
vida = 28 
eutanásia = 27 
morte = 15 
sociedade = 11 
doentes = 10 
morrer = 10 
paciente = 7 
respeito = 6 
voluntária = 6 
gervais = 6 
PeRNotícias Eutanásia (0.66)Mons. Mareei Gervais 1412
#745 Junho 1993, 01 [373, junho 1993, eutanásia, cultura da morte, aborto, Holanda, eugenismo]

A eutanásia voluntária é objeto de debates, já tendo sido oficialmente legalizada na Holanda e em outros países. Agora os legisladores dos Países-Baixos pensam em oficializar também a eutanásia involuntária ou compulsória para doentes mentais e crianças deficientes. Vê-se assim como o mal se alastra: a princípio toma aparência de humanitarismo benéfico para o paciente-vítima; depois perde o pudor e torna-se abertamente agressivo ao homem, como no caso de se impor a morte a pessoas tidas como incômodas ou indesejáveis na sociedade.
5 PeRMundo Atual Preservativos ou Prevenção ? (0.50) Estêvão Bettencourt 1071
#746 Junho 1993, 01 [373, junho 1993, preservativos, sexo, promiscuidade, homossexualismo, AIDS]

O Arcebispo de Tolosa (França), Mons. André Collini, dirige-se às pessoas que não aceitam os princípios da Moral Católica (princípios que, aliás, não são, muitas vezes, senão os princípios da lei natural). Mostra-lhes que, já aos olhos do bom senso, o uso de preservativos é ineficaz para evitar o contágio de vírus malignos; além de não oferecer plena segurança de profilaxia, os preservativos cedo ou tarde deixam de ser utilizados pelos interessados, seja porque diminuem o prazer, seja porque, em ambientes alcoolizados e entregues a paixões violentas, tal cuidado parece despropositado ou inexeqüível. Mais: a Campanha em favor dos preservativos dá a entender que a promiscuidade e a plena liberdade em matéria de sexo são algo de aceitável, desde que se tomem cautelas "profiláticas"; ora esta conclusão é errônea não só aos olhos da fé, mas também aos olhos da própria razão.
6 #REVISTA = 373 
cristianismo = 16 
autor = 13 
santos = 11 
jesus = 10 
história = 9 
cristãos = 8 
acaso = 8 
volume = 7 
deus = 7 
religiões = 6 
PeRLivros História (0.68) Estêvão Bettencourt 1448
#747 Junho 1993, 01 [373, junho 1993, educação, livro didático, historiografia]

O manual escolar de história da autoria de Joel Rufino dos Santos é obra superficial e errônea sob certos aspectos, dada a leviandade com que o autor aborda temas importantes; procura ser "simpático", falando a linguagem de meia-gíria dos adolescentes, caricaturando e deformando episódios do passado. O manual é espécime do baixo nível de nosso 1o grau escolar, como também é comprovante de quanto a história tem sido "manipulada" para apoiar ideologias estranhas.
7 #REVISTA = 373 
demolay = 42 
ordem = 35 
ordem demolay = 24 
maçonaria = 24 
igreja = 15 
escola = 11 
frank = 10 
templários = 10 
jovens = 9 
anos = 8 
PeRO Que É? A Ordem DeMoley (0.99) Estêvão Bettencourt 2118
#748 Junho 1993, 01 [373, janeiro 1993, DeMoley, maçonaria, templários, Salomão]

A Ordem DeMolay deriva seu nome do Grão-Mestre Jacques de Molai, da Ordem dos Templários, vítima de difamação e morto em 1314. Tal Ordem reunia Cavaleiros destinados a proteger os peregrinos que visitavam a Terra Santa; o nome de Templários lhes foi dado pelo fato de terem sua sede principal junto à Esplanada do antigo Templo de Salomão em Jerusalém.
8 #REVISTA = 373 
santo = 22 
igreja = 15 
antônio = 12 
categeró = 11 
católica = 11 
igreja católica = 7 
santo antônio = 7 
antônio categeró = 7 
devoção = 6 
ortodoxa = 5 
PeRSantos e Místicos Santo Antonio de Categeró (2.25) Estêvão Bettencourt 4812
#751 Junho 1993, 01 [373, junho 1993, santos, Categeró]

Santo Antonio de Categeró não consta do catálogo dos Santos da Igreja Católica; terá sido um franciscano africano do século XVI. Parece não ter existido. — É estranho que uma denominação cristã oriental (siriana), separada da Igreja Católica, e a Igreja Brasileira façam a propaganda da devoção a esse Santo (que não era oriental nem brasileiro), atraindo fiéis católicos com promessa de milagres, com orações e novenas. Que interesses estão subjacentes a este tipo de propaganda piedosa?
Ver comentários...
9 #REVISTA = 373 
deus = 42 
jesus = 25 
projeto = 23 
bíblia = 21 
projeto deus = 18 
história = 17 
vida = 17 
povo = 16 
morte = 14 
cristo = 13 
PeRLivros Bíblia Sagrada, edição Pastoral (5.02) Estêvão Bettencourt 10734
#757 Junho 1993, 01 [373, junho 1993, escrituras, bíblia, ideologia marxista]

A "Bíblia. Edição Pastoral", em tradução e notas de Ivo Storniolo e Euclides Balancin, não preenche a finalidade que se propõe. Inspirada por ideologia marxista, deturpa as concepções da história sagrada e da teologia; a leitura materialista aplicada ao texto sagrado torna a mensagem imanentista, fazendo-a perder o seu caráter transcendental. O Vocabulário do fim do volume e as notas de rodapé dão as chaves de interpretação dos livros bíblicos; a própria tradução portuguesa, num ou noutro ponto, deturpa o sentido do texto sagrado. Em conseqüência, deve-se lamentar a difusão de tal obra nos ambientes eclesiásticos do Brasil. A Pastoral significa incitamento à luta de classes e às divisões entre os homens.
Ver comentários...