||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 368 
lutero = 9 
deus = 9 
igreja = 3 
fazer = 3 
amor = 3 
poderia fazer = 2 
convento = 2 
protestantes = 2 
aprender lutero = 2 
aprender = 2 
PeRProtestantismo Tem a Igreja o que Aprender com Lutero? (0.92) Estêvão Bettencourt 2086
#457 Janeiro 1993, 01 [368, janeiro 1993, lutero, protestantismo, igreja, história]

"Quem não crê como eu, é destinado ao inferno. Minha doutrina e a doutrina de Deus são a mesma coisa. Meu juízo é o juízo de Deus". "Tenho certeza de que meus dogmas vêm do céu" (extraído da obra de Funck Bren-tano, Martinho Lutero, Casa Editora Vecchi, Rio de Janeiro, 3a ed. 1968).
Ver comentários...
2 #REVISTA = 368 
roda = 7 
sempre = 5 
história = 5 
deus = 4 
outros = 4 
vida = 4 
raios = 4 
cada = 3 
centro = 3 
homens = 3 
PeRReflexões A Roda do Tempo (0.57) Estêvão Bettencourt 1284
#458 Janeiro 1993, 01 [368, janeiro 1993, história, tempo, fraternidade, Deus]

Mais uma vez, janeiro!. . . A história é uma sucessão de ciclos ... Para os cristãos, os ciclos da história tomam a forma de espiral ou de linha que sobe, passando pelas mesmas etapas, mas sempre em plano mais elevado, até chegar ao seu cume ou Ômega.
3 #REVISTA = 368 
comunistas = 7 
países = 7 
número = 6 
religiosas = 6 
religião = 6 
ordens = 5 
grandes = 5 
religiosa = 5 
eram = 4 
tais = 4 
PeRMundo Atual As Táticas Anti-Religiosas dos Governos Marxi.. (0.82) Estêvão Bettencourt 1852
#459 Janeiro 1993, 01 [368, janeiro 1993, marxismo, comunismo, socialismo, ateísmo]

O artigo refere o teor de treze normas estabelecidas pelos regimes comunistas do Leste Europeu para sufocar os cristãos, especialmente os católicos, nos anos de vigência do marxismo. Tratava-se de erradicar a fé religiosa e substituí-la pela ideologia marxista, concebida como uma quase religião, dadas as suas exigências radicais. — Tais normas foram estipuladas pelos representantes de nove Partidos Comunistas da Europa reunidos em 1947 na cidade de Varsóvia e, pouco depois, em Sofia na Bulgária.
4 #REVISTA = 368 
fundamentalismo = 26 
mundo = 22 
bíblia = 21 
deus = 18 
fundamentalista = 18 
fundamentalistas = 15 
sagrado = 12 
verdade = 12 
estados = 10 
ciência = 10 
PeRMundo Atual O Fundamentalismo Contemporâneo (1.65) Estêvão Bettencourt 3723
#460 Janeiro 1993, 01 [368, janeiro 1993, fundamentalismo, adventistas, mórmons, fé, ciência, religião, jeová]

O Fundamentalismo é a atitude do homem religioso que, amedrontado por avanços da ciência e da cultura contemporânea, se fecha em verdades de sua fé tidas como fundamentais. Tal atitude ocorre não somente entre cristãos, mas também entre judeus e muçulmanos. O fundamentalista cristão se apega a um livro sagrado (a Bíblia ou um código de Revelações, como existe entre os mórmons e os adventistas do 79 dia); a Bíblia é, muitas vezes, interpretada ao pé da letra, sem se levar em conta os aspectos lingüísticos, históricos e geográficos que podem ajudar a compreender o texto. Um chefe espiritual, dotado de grande autoridade, é tido como mestre seguro dos discípulos fundamentalistas; estes costumam ser pouco intelectuais e muito dados às emoções (pessimismo em relação ao mundo e à história).
5 #REVISTA = 368 
jesus = 45 
cruz = 30 
senhor = 26 
sacra = 23 
estações = 20 
exercício = 19 
cristo = 18 
fiéis = 18 
estação = 17 
paixão = 14 
PeRO Que É? Via Sacra: Que É? Como teve Origem? (2.87) Estêvão Bettencourt 6494
#461 Janeiro 1993, 01 [368, janeiro 1993, via sacra, história, rosário, veneração, paixão]

O exercício da Via Sacra consiste em que os fiéis percorram mentalmente a caminhada de Jesus a carregar a Cruz desde o pretório de Pilatos até o monte Calvário, meditando simultaneamente a Paixão do Senhor. Tal exercício, muito usual no tempo da Quaresma, teve origem na época das Cruzadas (séculos XI/XIII): os fiéis que então percorriam na Terra Santa os lugares sagrados da Paixão de Cristo, quiseram reproduzir no Ocidente a peregrinação feita ao longo da Via Dolorosa em Jerusalém. O número de estações ou etapas dessa caminhada foi sendo definido paulatinamente, chegando à forma atual, de quatorze estações, no século XVI. O Papa João Paulo II introduziu, em Roma, a mudança de certas cenas desse percurso não relatadas nos Evangelhos por outros quadros narrados pelos Evangelistas. A nova configuração ainda não se tornou geral. O exercício da Via Sacra tem sido muito recomendado pelos Sumos Pontífices, pois ocasiona frutuosa meditação da Paixão do Senhor Jesus.
6 #REVISTA = 368 
santa = 8 
igreja = 5 
bispos = 4 
despesas = 4 
cardeal = 4 
1991 = 3 
apostólica = 3 
vaticano = 3 
recursos = 3 
balanço = 3 
PeRNotícias As Finanças da Santa Sé - 1991 (0.47) Estêvão Bettencourt 1056
#462 Janeiro 1993, 01 [368, janeiro 1993, finanças, igreja]

Periodicamente reúne-se uma Comissão Internacional de Cardeais encarregados das finanças da Santa Sé, para fazer o balanço de receitas e despesas do exercício findo. Ao término da sessão é publicada uma Comunicação sobre a situação financeira do governo central da Igreja.
7 #REVISTA = 368 
celibato = 146 
igreja = 37 
amor = 33 
deus = 33 
presbítero = 30 
sacerdócio = 27 
reino = 21 
paulo = 20 
matrimônio = 20 
vida = 18 
PeRApologética O Celibato Sacerdotal (1.15) Estêvão Bettencourt 2603
#463 Janeiro 1993, 01 [368, janeiro 1993, celibato, Pe. Geraldo Hackmann, história, sacerdócio]

O celibato sacerdotal é objeto de acalorados debates nos meios de comunicação social e nas escolas. A insistência em discutir o assunto provém do fato de que só pode ser bem entendido a partir dos valores da fé, valores que ultrapassam a compreensão meramente natural do homem. — A fim de elucidar a questão, vai, a seguir, publicado um belo estudo do Pe. Geraldo Luiz Borges Hackmann, da arquidiocese de Porto Alegre (RS); abrange a questão de modo amplo, percorrendo a história e a motivação teológica do celibato. O leitor certamente sentir-se-á feliz por ler as valiosas considerações do autor, ao qual a Redação de PR exprime a sua profunda gratidão.