||  Início  ->  Revista Pergunte e Responderemos

NÚMERO

-008 Março 1957 (11)
-007 Junho 1957 (8)
-006 Julho 1957 (12)
-005 Agosto 1957 (7)
-004 Setembro 1957 (9)
-003 Outubro 1957 (10)
-002 Novembro 1957 (15)
-001 Dezembro 1957 (12)
001 Janeiro 1958 (11)
002 Fevereiro 1958 (11)
003 Março 1958 (12)
004 Abril 1958 (11)
005 Maio 1958 (9)
006 Junho 1958 (10)
007 Julho 1958 (10)
008 Agosto 1958 (9)
009 Setembro 1958 (10)
010 Outubro 1958 (10)
011 Novembro 1958 (9)
012 Dezembro 1958 (12)
013 Janeiro 1959 (7)
014 Fevereiro 1959 (8)
015 Março 1959 (7)
016 Abril 1959 (7)
017 Maio 1959 (9)
018 Junho 1959 (7)
019 Julho 1959 (8)
020 Agosto 1959 (6)
021 Setembro 1959 (7)
022 Outubro 1959 (5)
023 Novembro 1959 (7)
024 Dezembro 1959 (6)
025 Janeiro 1960 (6)
026 Fevereiro 1960 (7)
027 Março 1960 (6)
028 Abril 1960 (9)
029 Maio 1960 (6)
030 Junho 1960 (9)
031 Julho 1960 (8)
032 Agosto 1960 (8)
033 Setembro 1960 (7)
034 Outubro 1960 (7)
035 Novembro 1960 (7)
036 Dezembro 1960 (7)
037 Janeiro 1961 (7)
038 Fevereiro 1961 (6)
039 Março 1961 (5)
040 Abril 1961 (6)
041 Maio 1961 (5)
042 Junho 1961 (5)
043 Julho 1961 (6)
044 Agosto 1961 (5)
045 Setembro 1961 (6)
046 Outubro 1961 (7)
047 Novembro 1961 (6)
048 Dezembro 1961 (5)
049 Janeiro 1962 (7)
050 Fevereiro 1962 (5)
051 Março 1962 (5)
052 Abril 1962 (6)
053 Maio 1962 (7)
054 Junho 1962 (5)
055 Julho 1962 (6)
056 Agosto 1962 (7)
057 Setembro 1962 (7)
058 Outubro 1962 (6)
059 Novembro 1962 (5)
060 Dezembro 1962 (8)
061 Janeiro 1963 (6)
062 Fevereiro 1963 (5)
063 Março 1963 (5)
064 Abril 1963 (5)
065 Maio 1963 (6)
066 Junho 1963 (5)
240 Dezembro 1979 (1)
344 Janeiro 1991 (8)
345 Fevereiro 1991 (8)
346 Março 1991 (9)
347 Abril 1991 (8)
348 Maio 1991 (6)
349 Junho 1991 (9)
350 Julho 1991 (5)
351 Agosto 1991 (8)
352 Setembro 1991 (7)
356 Janeiro 1992 (9)
360 Maio 1992 (1)
368 Janeiro 1993 (7)
369 Fevereiro 1993 (5)
370 Março 1993 (5)
371 Abril 1993 (6)
373 Junho 1993 (9)
374 Julho 1993 (8)
377 Outubro 1993 (11)
379 Dezembro 1993 (7)
380 Janeiro 1994 (7)
381 Fevereiro 1994 (7)
382 Março 1994 (7)
383 Abril 1994 (6)
385 Junho 1994 (6)
386 Julho 1994 (10)
387 Agosto 1994 (7)
388 Setembro 1994 (10)
389 Outubro 1994 (10)
390 Novembro 1994 (6)
391 Dezembro 1994 (8)
392 Janeiro 1995 (6)
393 Fevereiro 1995 (7)
395 Abril 1995 (10)
397 Junho 1995 (6)
398 Julho 1995 (10)
399 Agosto 1995 (7)
400 Setembro 1995 (8)
401 Outubro 1995 (11)
402 Novembro 1995 (8)
403 Dezembro 1995 (8)
449 Outubro 1999 (1)
457 Junho 2000 (8)
468 Maio 2001 (8)
491 Maio 2003 (14)
500 Fevereiro 2004 (9)
501 Março 2004 (8)
504 Junho 2004 (15)
505 Julho 2004 (7)
506 Agosto 2004 (15)
507 Setembro 2004 (7)
508 Outubro 2004 (12)
509 Novembro 2004 (12)
510 Dezembro 2004 (9)
513 Março 2005 (10)
516 Junho 2005 (12)
517 Julho 2005 (13)
518 Agosto 2005 (20)
519 Setembro 2005 (12)
520 Outubro 2005 (13)
521 Novembro 2005 (12)
522 Dezembro 2005 (12)
523 Janeiro 2006 (11)
524 Fevereiro 2006 (11)
525 Março 2006 (14)
526 Abril 2006 (12)
527 Maio 2006 (13)
528 Junho 2006 (15)
529 Julho 2006 (14)
530 Agosto 2006 (15)
531 Setembro 2006 (13)
532 Outubro 2006 (14)
537 Março 2007 (13)
539 Maio 2007 (14)
543 Setembro 2007 (18)
545 Novembro 2007 (12)
547 Janeiro 2008 (14)
548 Fevereiro 2008 (15)
549 Março 2008 (13)
551 Maio 2008 (14)
554 Agosto 2008 (15)
555 Setembro 2008 (13)
 
...CAPA*TÓPASSUNTOTÍTULO (hits/dia)AUTORHITS PDF
1 #REVISTA = 2 
lutero = 23 
igreja = 13 
deus = 9 
reforma = 8 
cristã = 7 
reformar = 7 
mentalidade = 6 
religioso = 6 
eram = 5 
cristo = 5 
PeRHistória Motivos da Reforma Luterana (1.63) Estêvão Bettencourt 3112
#1422 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, Lutero, reforma, indulgências]

Quais os motivos que levaram Lutero a querer reformar a Igreja? Quais eram as indulgências contra as quais reagiu? Para entender o gesto de Lutero (1483-1546), torna-se imprescindível reconstituir tanto o cenário histórico em que viveu, como o problema próprio que atormentou o dito «Reformador».
2 #REVISTA = 2 
rosa-cruz = 17 
ordem = 16 
rosacrucianos = 9 
homem = 8 
vida = 7 
ordem rosa-cruz = 6 
cristo = 6 
jesus = 6 
rosacrucianismo = 6 
fraternidade = 6 
PeRO Que É? Ordem de Rosa-Cruz (1.52) Estêvão Bettencourt 2898
#1423 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, rosa-cruz, história, ideologia]

Para apresentar a Ordem de Rosa-Cruz esboçaremos primeiramente o seu histórico; a seguir, a sua ideologia.
3 #REVISTA = 2 
indulgências = 16 
igreja = 11 
anos = 10 
fiéis = 9 
dias = 8 
pena = 7 
praxe = 7 
indulgenciadas = 6 
obras = 6 
absolvição = 5 
PeRDoutrina As Indulgências (0.79) Estêvão Bettencourt 1499
#1428 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, culpa, pecado, sentença, pena, purgatório, penitência]

Pergunta: “Queira explicar a origem das Indulgências e a que equivalem os cem dias, os trezentos o sessenta e cinco dias, os sete anos.. . das fórmulas de indulgências”.
4 #REVISTA = 2 
reino = 12 
quatro = 12 
animal = 8 
daniel = 8 
três = 7 
chifres = 7 
quarto = 6 
quarto animal = 5 
tempos = 5 
antioco = 5 
PeREscrituras Os Quatro Reinos do Profeta Daniel (2.05) Estêvão Bettencourt 3907
#1431 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, Daniel, profecias, exegese]

Qual seria a explicação das seguintes passagens de Daniel: 7,7-8 e 7,23-25? A que reinos se referem? Ouvi dizer que o quarto animal é a Igreja Católica e os dez chifres são os povos bárbaros.
5 #REVISTA = 2 
cristo = 11 
cêntuplo = 7 
bens = 6 
jesus = 5 
mundo = 5 
sentido = 5 
materiais = 4 
promessa = 4 
irmãos = 4 
vida = 3 
PeREscrituras O Cem por Um do Evangelho (1.32) Estêvão Bettencourt 2523
#1429 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, divina providência, providência, recompensa, graças, bens materiais, bens espirituais]

Como interpretar o cem por um da Escritura, prometido aos que deixam tudo para seguir a Cristo? Significa bens materiais, casas inúmeras, assistência religiosa na hora da morte, maior número.de graças ou dons referentes à vida futura?
6 #REVISTA = 2 
número = 4 
muitos» = 4 
consagração eucarística = 3 
homens = 3 
eucarística = 3 
consagração = 3 
muitos = 3 
texto = 3 
grande número = 3 
homem = 3 
PeREscrituras Consagração eucarística: muitos, todos, outro.. (0.70) Estêvão Bettencourt 1336
#1430 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, Eucaristia, consagração]

Como se explicam as palavras da consagração eucarística: ‘... .sangue, que será derramado por vós e por muitos’? Jesus não morreu por todos?
Ver comentários...
7 #REVISTA = 2 
sexual = 18 
educação = 16 
educação sexual = 9 
moral = 6 
iniciação = 6 
adolescente = 5 
formação = 4 
geral = 4 
fisiologia = 4 
vida = 4 
PeRÉtica e Moral Educação Sexual (0.64) Estêvão Bettencourt 1221
#1432 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, sexo, educação, pedagogia, moral católica, Papa Pio XII]

“Se pessoas autorizadas afirmam que indispensável é a educação sexual, porque é que outras ainda a proíbem e condenam?”
8 #REVISTA = 2 
igreja = 16 
papas = 13 
papa = 12 
temporal = 10 
vaticano = 9 
estado = 8 
poder = 8 
pontífices = 8 
mundo = 8 
francos = 7 
PeRHistória A Riqueza do Vaticano (2.34) Estêvão Bettencourt 4465
#1433 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, Vaticano, riqueza, cerimonial, território, poder, estado pontifício, Papa Pio XI]

"Por que a riqueza do Vaticano? Se o Papa é o representante de Cristo na terra, por que não O segue em sua pobreza, humildade e simplicidade?"
Ver comentários...
9 #REVISTA = 2 
consciência = 22 
moral = 18 
homem = 13 
humana = 10 
consciência moral = 10 
crianças = 8 
deus = 8 
natureza = 7 
educação = 7 
tais = 6 
PeRÉtica e Moral Consciência: Mero produto do ambiente? (0.72) Estêvão Bettencourt 1376
#1434 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, consciência moral, alma, Zingg, crianças selvagens, ambiente, educação, sentimento religioso]

"A consciência moral é um produto artificial da educação; nada tem de perene. Basta lembrar o que se dá com crianças que crescem entre animais selvagens"... O que dizer?
10 #REVISTA = 2 
culto = 13 
deus = 10 
senhor = 9 
espírito = 5 
pobres = 4 
liturgia = 4 
igreja = 4 
utensílios = 4 
precioso = 3 
vestes = 3 
PeRHistória A Riqueza do Culto Católico (0.81) Estêvão Bettencourt 1540
#1435 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, cristianismo, culto, liturgia, adoração, Moisés, Judas]

"Porque é que a Igreja no seu culto usa de metais preciosos e vestes solenes? Será que ela precisa disto para impressionar o povo?" Vejamos...
11 #REVISTA = 2 
missa = 13 
fiéis = 12 
culto = 11 
espórtulas = 10 
praxe = 8 
ocasião = 6 
costume = 6 
exemplo = 5 
sacerdotes = 5 
dinheiro = 4 
PeRHistória Espórtulas ou Comércio? (0.81) Estêvão Bettencourt 1542
#1442 Fevereiro 1958, 15 [002, fevereiro 1958, espórtulas, comércio, esmolas, oferta, dízimo]

Jesus disse : 'Rebestes gratuitamente; dai gratuitamente’ (Mt 10,8). Ora, a praxe das espórtulas parece contradizer a este preceito do Mestre...