REVISTA PeR (2876)'
     ||  Início  ->  
Artigo

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 001 - março/abril 1957

 

JONAS NO VENTRE DA BALEIA

 

Como interpretar o fato de Jonas ter passado três dias no ventre da baleia e ser devolvido com vida?

 

A história narrada pelo livro de Jonas pode ser interpretada como fato genuíno. Neste caso, admitir-se-á que Deus tenha produzido milagrosamente os fenômenos aí descritos. Nenhum deles é absurdo em si mesmo; por conseguinte, a Infinita Potência Divina pode muito bem ter derrogado às leis da natureza a fim de os suscitar. Pergunta-se, porém, se há ligação entre tantos e tão retumbantes milagres e a finalidade a ser por eles atingida, ou seja, a conversão de Nínive.

 

Considerando que pouco digna de Deus seria tal "ostentação" de poder, bons exegetas modernos julgam que a história de Jonas é uma parábola, ou seja, narrativa fictícia imaginada a fim de incutir uma lição religiosa ou moral'; apenas se poderia afirmar que Jonas existiu, foi personagem real. O autor do livro teria concebido tal enredo para censurar de maneira viva o particularismo ou nacionalismo religioso de grupos judaicos posteriores ao exílio (séc. 6.° a.C.), representados por Jonas e sua mentalidade, e recomendar uma concepção larga, universalista, do Reino de Deus: Javé quer não somente a salvação de Israel, mas também a de Nínive e a de todos os povos.

 

Ulteriores observações encontram-se no livro de E. Bettencourt, "Ciência e Fé na história dos primórdios"-, 3.a ed. pg. 257-266

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Pergunte e Responderemos - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)