ESPIRITUALIDADE (188)'
     ||  Início  ->  
Artigo



Vida Mística

“Procurai lendo e encontrareis meditando; chamai orando e abrir-se-vos-á contemplando. A sabedoria entra pelo amor, pelo silêncio e pela mortificação; grande sabedoria é saber calar e não olhar aos ditos, aos feitos e às vidas alheias”.

São João da Cruz, místico e doutor da Igreja

Bastantes ocupações e preocupações políticas, sociais, econômicas, religiosas e éticas resultantes da revolução científica e tecnológica em que vivemos. Os desafios da robótica e da inteligência artificial são as inquietações debatidas na era pós-moderna. Dentro desse contexto o sistema contém armadilhas demolidoras contra a “vida espiritual”, como: o progresso eletrônico, as redes sociais, a idolatria do consumismo, o flagelo dos vícios e a indústria do entretenimento.

A vida não ocupada pelo silêncio, deserto, meditação, oração, jejum, leituras espirituais e a busca profunda do mistério contemplativo, será tomada por diversas incompatibilidades venenosas para alma, corpo e mente.

A obra da alma é o ardente desejo insaciável de fome e sede de Deus. Avante de forma exacerbada na posse imensurável das beatitudes celestiais. As delícias espirituais são alimentos para todo nosso bem terreno e eterno.

Praticar a ascese, exercício máximo do aperfeiçoamento espiritual postulado na incessante vida monástica e eremítica.

Refletir nessa sentença para progredir na ascese: “Ecclesia sempre est reformanda” (a Igreja tem sempre de se reformar). Somos igreja, igreja sempre renovada, avivada, reavivada, ousada e mística.

Não há jardim florido no coração sem a alma ter a experiência do deserto. Sentir o amor abissal é ter sentido dores profundas. O apego das coisas sagradas, a vivência da espiritualidade é de certa forma, o desagrado das coisas profanas por conhecimento e experiência que não são fundamentos para o gozo e a verdade do espirito. Disse célebre teólogo Santo Tomás de Aquino: “Ultima hominis felicitas est in contemplatione veritatis” [A suma felicidade do homem encontra-se na contemplação da verdade] (“Summa contra Gentiles”, III, 37).

Pela verdade e pelo o amor a Deus somos atraídos por coisas profundas, seguras, sapienciais, misteriosas e de virtudes que nos transcendem! O nosso ser quer muito mais além do imanente... A beleza, a arte, a poesia e a melodia angelical. A bússola do nosso interior é guiada pelo Espírito Santo para gloriosas viagens ao coração do Pai Eterno.

A graça do bem-estar espiritual é o silêncio da alma com Deus. Pela ascese todo o nosso ser obtém autoaperfeiçoamento em prol da qualidade de vida espiritual, ou seja, a vida mística.

Rezemos a oração de Santo Tomás de Aquino:

“Dê-me, Senhor, agudeza para entender, capacidade para reter, método e faculdade para aprender, sutileza para interpretar, graça e abundância para falar. Dê-me, Senhor, acerto ao começar, direção ao progredir e perfeição ao concluir”.

Frei Inácio José do Vale, FCF

Escritor e conferencista

Sociólogo em Ciência da Religião

Fraternidade Sacerdotal Jesus Cáritas-Charles de Foucauld

Professor de Pós-graduação na Faculdade Norte do Paraná


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
2 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)