FILOSOFIA (387)'
     ||  Início  ->  
Artigo

Por que existimos?

 

Dra. Elisabeth Lukas, famosa psicóloga da cidade de Viena, na Áustria, realizou uma pesquisa com 1.340 pessoas, através de um teste elaborado por ela para diagnosticar a frustação existencial. O resultado foi de 90% de pessoas que se diziam vazias e sem um sentido para suas vidas. Devido ao elevadíssimo índice de frustação e de vazio existencial, ela desenvolveu novas técnicas de orientação não só em nível terapêutico – isto é, para curar, mas também profilático – isto é, para prevenir.

 

Especialistas chegam à conclusão de que a doença de nossa civilização é o vazio, a falta de sentido, o que leva as pessoas a se refugiarem na solidão, depressão, na angústia, nas drogas, na violência, nos perigos, na velocidade, nas aventuras, nas fugas e nas mais variadas formas de alienação.

 

A busca de sentido é o mais profundo apelo de nossa alma, o grito de nosso espírito, a necessidade mais imediata de todo o nosso ser. O interior clama abissalmente a felicidade do “eu”.

 

O ganhador de prêmio Nobel e sobrevivente do Holocausto nazista o célebre escritor judeu romeno Elie Wiesel certa vez a chamou de “a pergunta mais importante que um ser humano tem de encarar.” Que pergunta é essa? É a seguinte: “Por que existimos?”.

 

Já parou para pensar nessa pergunta? Muitos já o fizeram, mas sem obter resposta. Numa tentativa de identificar o significado da vida, o grande historiador britânico Arnold Toynbee escreveu: “A verdadeira finalidade do homem é glorificar a Deus e alegrar-se Nele para sempre”.

 

É interessante que mais de três mil anos atrás outro homem, conhecido por ser um observador atento da vida, já havia identificado a resposta fundamental a essa pergunta. Trata-se do sábio Rei Salomão, que disse: “A conclusão do assunto, tudo tendo sido ouvido, é: Teme o verdadeiro Deus e guarda os seus mandamentos. Pois esta é toda a obrigação do homem.” Eclesiastes 12,13.

 

O Filho de Deus, Jesus Cristo, defendeu esse principio básico. Durante sua vida na Terra, ele fez o máximo para glorificar seu Pai celestial. Servir ao seu Criador enriqueceu a vida de Jesus. Fazer isso o nutria e o sustentava, podendo dizer: “Meu alimento é eu fazer a vontade daquele que me enviou”, João 4,34.

 

Então, por que existimos? Assim como Jesus Cristo, Salomão e muitos outros sábios servos de Deus, nós podemos encontrar verdadeiro significado e duradoura felicidade na vida por fazer Sua vontade. A vontade ortodoxa do bom Deus é amá-lo em primeiro lugar e depois amar a si mesmo e o próximo. Existimos para vivermos no amor e na instrumentalidade do bem comum.

 

Frei Inácio José do Vale

Professor e Conferencista

Irmãozinho da Visitação de Charles de Foucauld

E-mail: [email protected]

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
1 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
#0•A3978•C956   2017-08-28 16:25:30 - Convidado/LUIZ DE OLIVEIRA FILHO
Me sinto provocado afazer a vontade de DEUS que quero,desejo mas não consigo,asa vezes acho que estou até piorando,estou procurando melhorar,quando penso que estou conseguindo acabo por cair,mas existimos únicamente para fazer e aceitar a vontade DEUs se eu conseguisse fazer isso estaria satisfeito,mas vou me esforçar até o último dia da minha vida.

Responder


:-)