MUNDO ATUAL (2108)'
     ||  Início  ->  
Artigo

Pérolas aos Porcos

 

Nas redes sociais, muitos católicos desperdiçam um tempo precioso de suas vidas debatendo com pessoas hostis à sua fé. Alguns poucos são sagazes e ganham os debates, mas dificilmente convencem alguém. E o pior é que boa parte dos católicos, sem o devido preparo para minar o falatório desonesto de seus opositores, acaba mesmo é ficando sem argumentos. Fué-fué-fué-fué-fuééééé…

 

Eu sei que é duro ficar quietos ao ver nossa fé e valores sendo esculhambados. Na verdade, temos mesmo que abrir a boca nas salas de aula, nas reuniões entre amigos e com a família, até para exigir o devido respeito por parte daqueles com quem convivemos. Mas, no mundo virtual, penso que 99,9% dessas discussões são uma grande furada.

 

Ainda que o católico seja habilidoso na defesa de sua fé e ganhe o debate, quase nunca seu opositor reconhecerá que está errado. Isso acontece, basicamente, por dois motivos…

 

1 -Nosso tempo apresenta um patético fenômeno: há uma multidão de gente que, mesmo só conhecendo um determinado tema “de orelhada” ou porque leu três linhas em alguma matéria furreca de jornal, se acha altamente informada sobre aquele assunto. Ninguém estuda nada profundamente, mas todo o mundo se acha entendedor de tudo.

 

2 -Nas redes sociais, o desejo de fazer uma boa figura é potencializado. Assim, o anticatólico, ainda que não consiga sustentar seus argumentos, nunca dará o braço a torcer, por causa de sua vaidade. Fará de tudo para que a “plateia” on line que acompanha a conversa não perceba que ele é só um cara pretensioso falando do que não sabe.

 

Vejamos o exemplo de uma situação muito comum em um debate entre um católico com um anticatólico. O anticatólico diz que Pio XII foi o Papa de Hitler. O católico prova pro sujeito por A+B que o Papa Pio XII foi um dos maiores heróis do povo judeu, e salvou tantas vidas quanto pôde.

 

Expectativa: o outro reconhece que estava equivocado, e agradece pelo esclarecimento.

 

Realidade: o caluniador estúpido, não se dando por vencido, desvia o foco do assunto e começa a falar da Inquisição e da pedofilia praticada por padres, sempre vomitando mentiras e clichês.

 

É importante desenvolver o feeling para sacar com quais pessoas vale debater ou não na web. Assim, percebemos quem deseja mesmo dialogar de forma honesta, e quem está fechado em seu mundinho, querendo apenas difamar nossa religião a qualquer custo, mesmo à custa da verdade.

 

De modo geral, eu sou pessimista quanto a debates nas redes sociais. Já caí várias vezes na esparrela de discutir com amigos ou estranhos tapados no Facebook. O resultado? Frustração e aborrecimentos.

 

Na última, debatendo no Facebook com um amigo católico liberal (do tipo que acha que a Igreja deve “mudar seus dogmas”), posso dizer que ganhei o debate, mas não lucrei nada com isso. Sem conseguir sustentar seus absurdos, meu amigo partiu pra desqualificação pessoal, e tudo o que consegui foi ser chamada de retrógrada e farisaica. Se estivéssemos frente a frente, imagino que conversa teria fluído melhor, sem a influência nefasta da imagem que o outro quer fazer para a “plateia”.

 

Nas redes sociais, as pérolas que oferecemos – fatos históricos vindos de fontes confiáveis, ponderações teológicas e filosóficas bem fundamentadas – são tidas pelos anticatólicos como nada. Por não serem minimamente capazes de reconhecer o valor dessas coisas, eles não tiram qualquer proveito delas. Antes, pisoteiam nossos tesouros e os afundam na imundície da lama intelectual e espiritual em que chafurdam.

 

Aqui nO Catequista, muitas vezes os leitores rebatem os nossos nossos artigos, e a gente troca ideias. Mas o público ao qual nos dedicamos é bem específico: católicos que se submetem ao papa e pessoas não-católicas interessadas sinceramente em entender melhor o catolicismo.

 

Já dedicamos numerosos posts especiais a pessoas que enviaram comentários discordando de nós – inclusive protestantes e pessoas sem religião –, por tratarem-se de ponderações pertinentes, ainda que em desacordo com nossas afirmações. O resto, a gente não dá papo. Vem aqui dizer que a Igreja é a prostituta do Apocalipse, que quem crê em Deus é trouxa etc., a gente nem se coça: comentário direto pra lixeira.

 

Acho que é mil vezes mais útil a gente rezar o terço pela conversão dos pecadores, a exemplo dos Pastorinhos de Fátima, do que se dedicar a debates, quase sempre inúteis, nas redes sociais.

 

A Catequista

Fonte: http://ocatequista.com.br/archives/11328


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
#0•A3098•C536   2014-04-12 01:05:21 - Convidado/[email protected]
A paz de Jesus e o Amor de Maria Santíssima!

Também acho mais útil rezar o terço!

PAZ & BEM!

Responder

#1•R536•C537   2014-04-20 00:13:13 - Convidado/[email protected]
Sr. Otávio meus parabéns, vc é um exemplo de pessoa, pena que vc de fende uma coisa que não lhe ensinou nada. Vc conhece realmente Jesus? Se vc conecesse, respeitaria os evangélicos porque são pessoas que servem SOMENTE a Deus. Vcdeveria dar uma olhada emseus próprios conceitos....

Responder

#2•R537•C541   2014-04-22 17:24:40 - Convidado/[email protected]
Sr. Jordão, realmente acho mais útil rezar o terço, para a conversão dos pecadores. Se a carapuça do artigo serviu para o sr. então procure olhar os seus conceitos doutrinários, porque os meus os conheço muito bem, seguindo o que a Igreja ensina. O sr. já leu em sua bíblia o Cântico de Maria ( Lc. 1. 46-55 )? O sr. conhece Maria Santíssima da qual Nosso Senhor Jesus Cristo tem 100% do DNA é Carne de Sua Carne? Seus Dogmas não são invenção da Igreja, são Dons do Espírito-Santo. Reze o terço e peça a Ela a intercessão junto a Jesus que Ele te ajudará a entender esta fé que o sr. tanto refuta.
Ler mais...  -  Responder
#2•R537•C538   2014-04-20 17:39:34 - 1/Manager
"Se vc conecesse, respeitaria os evangélicos porque são pessoas que servem SOMENTE a Deus."

Servir somente a Deus?
Mentira.
Só um ser humano perfeito conseguiria isso.
Donde se vê que a fé do protestante é ilusória. Acha que orar a um santo, pedindo por intercessão junto a DEUS finalidade última de toda oração, não é servir a Deus quando, ele mesmo, nem sabe o que isso significa na prática, ao ponto de nem compreender a diferença entre um ídolo e uma estátua.

A maior prova da mentira protestante é seu primcipal fruto: a DIVISÃO do cristianismo......

Ler mais...  -  Responder

:-)