ESCATOLOGIA (1464)'
     ||  Início  ->  
Artigo

O FIM DO MUNDO

 

Neste tempo litúrgico do Advento, preparação para o Natal, a Igreja nos convida à mudança de vida, ou seja, à conversão, a “despertarmos do sono” (Rm 13,11), a sairmos da mediocridade, propondo-nos a reflexão sobre as verdades eternas, para, como nos lembrou Bento XVI no Angelus deste domingo, “estarmos prontos para a vinda do Senhor”.

 

Celebramos duas vindas de Jesus Cristo ao mundo. A primeira, com a sua encarnação, ocorrida historicamente há cerca de dois mil anos. A segunda é o retorno glorioso no fim dos tempos. Como disse o Papa, “esses dois momentos, que cronologicamente são distantes – e não se sabe o quanto -, tocam-se profundamente, porque com sua morte e ressurreição Jesus já realizou a transformação do homem e do cosmo que é a meta final da criação. Mas antes do final, é necessário que o Evangelho seja proclamado a todas as nações, disse Jesus no Evangelho de São Marcos (cf. Mc 13,10). A vinda do Senhor continua, o mundo deve ser penetrado pela sua presença. E esta vinda permanente do Senhor no anúncio do Evangelho requer continuamente nossa colaboração; e a Igreja, que é como a Noiva, a esposa prometida do Cordeiro de Deus crucificado e ressuscitado (cf. Ap 21,9), em comunhão com o Senhor colabora nesta vinda do Senhor,  na qual já inicia o seu retorno glorioso”.

 

A segunda vinda de Cristo, no fim do mundo, não tem hora marcada. As marcações de data, que às vezes aparecem, são falsas. É falsa a “profecia Maia” de que o mundo vai acabar no próximo dia 21 de dezembro. São Paulo adverte aos primeiros cristãos: “Quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião junto dele, nós vos pedimos, irmãos que não vos deixeis abalar, assim tão depressa, em vossas convicções, nem vos alarmeis com alguma pretensa revelação do Espírito ou alguma instrução ou carta atribuída a nós e que desse a entender que o dia do Senhor está chegando...” (2 Ts 2,  1-3).

 

 O fim do mundo vai acontecer um dia. Nosso Senhor não disse quando. Interessante que a ciência moderna, física e astronômica, anuncia também o fim do mundo, por entropia, a morte térmica do universo. Além disso, os atuais astrônomos dizem que o Sol “morrerá” daqui a cerca de cinco bilhões de anos, mas que a Terra vai desaparecer antes, daqui a 1,5 bilhão de anos, quando o Sol se tornará um gigante vermelho, fazendo com que o calor na Terra chegue a 500º C, tornando-a inabitável (cf. “Galileu”, dez/2012, “Morte do Sol”).

 

Por isso, devemos nos preocupar mais com o “fim do mundo” que acontecerá a cada um de nós, com a nossa morte, que também não sabemos quando ocorrerá, mas certamente será antes do final dos tempos. É nesse sentido que São Pedro nos adverte: “O fim de todas as coisas está próximo. Vivei com sensatez e vigiai, dados à oração. Sobretudo cultivai o amor mútuo, com todo o ardor, porque o amor cobre uma multidão de pecados” (1 Pd 4, 7-8). E São Paulo: “Enquanto temos tempo, façamos o bem a todos...” (Gl 6, 10).

 

Dom Fernando Arêas Rifan

Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
9 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)