PROTESTANTISMO (1500)'
     ||  Início  ->  
Artigo

A experiência extraordinária com o Espírito Santo exclui o Magistério da Igreja?

Seg, 12 de Julho de 2010 - Alessandro Lima

Uma das grandes questões levantadas nos círculos cristãos é se o cristão pode ou não ignorar o ensino da Igreja se estiver vivendo uma experiência real com o Espírito Santo. Isto é, o cristão pode ou não ser guiado diretamente pelo Espírito Santo sem necessitar do Magistério da Igreja?

Se Deus o permitir, gostaria de colocar um pouco de luz sobre este assunto.

A Sagrada Escritura dá testemunho que em tempos muito remotos Deus costumava conversar com os homens. Tal era o caso de Adão (cf. Gn 1,28-30; 2,16-17; 3,9.11.17-19) e seu Filho Caim (cf. Gn 4,6-7.9-12.15). Aliás eram os únicos homens na terra e só poderiam ser orientados pelo Senhor através Dele mesmo.

Quando a terra começa ficar populosa, o Senhor confia seus oráculos somente a poucos homens, para que sejam sinais, testemunhas e guia do Senhor para o resto da humanidade. Este novo passo da revelação Divina aos homens é iniciado com Noé (cf. Gn 6,13-21; 7,1-4; 8,15-17).

Depois de Noé, o Senhor não só continua a dar prosseguimento ao Seu Magistério, como também começa a preparar o caminho da salvação através de Abraão. E somente a ele confia sua revelação (cf. Gn 12,1-3.7; 13,14-17; 15; 17,1). Sagrada Escritura nos conta que o Senhor (Jesus Cristo) também apareceu a Agar (escrava de Sarai, mulher de Abraão, com a qual o Patriarca teve seu primeiro filho, Ismael) concedendo-lhe uma revelação por causa da sua aflição (cf Gn 16,7-14).

Alguns poderiam afirmar aí que, a exemplo de Agar, o Senhor pode nos guiar diretamente. Porém o Senhor que conhece o pensamento dos homens, para mostrar que seus oráculos não são confiados diretamente, mas sim através de um magistério legitimamente instituído, pede para que Agar volte depressa para a casa de Abraão, que é uma pré-figura da Igreja, pois era na casa de Abraão que naquele tempo estava presente o Magistério Divino.

Isto mostra que o Senhor pode revelar-se sim, das formas mais diversas e controversas possíveis, a qualquer um, em qualquer lugar e a qualquer tempo, porém Sua mensagem sempre nos exortará ir ao encontro de Seu Magistério, que é o Seu Sinal para todos os homens e de onde, somente, podemos conhecer a Verdade.

Tal foi o caso do Apóstolo Paulo, que embora tenha recebido uma revelação direta do Senhor (cf. At 9,1-9; Gl 1,12), embora tivesse visto o Senhor ressuscitado, só pôde dar início ao seu ministério após ter sido iniciado pela Igreja (cf. At 9,10-19); pois a Igreja é o sinal visível do Magistério Divino.

Ninguém pode se declarar dotado de dons espirituais e nem se declarar pastor do povo de Deus, sem que a Igreja tenha lhe dado tal carisma. Pois o ministério eclesiástico é ordenado (Lv 8,1-13; Dt 34,9; At 1,15-26; 6,1-6; 9,10-19; 1Tm 4,14; 2Tm 1,6; Tito 1,5) e o Espírito Santo é dado através dos Sacramentos da Igreja (cf. At 8,14-21; 19,13-19). Assim como o ministério eclesiástico fora dado para a Igreja (através dos apóstolos) diretamente por Deus na Pessoa de Jesus Cristo e daí por diante foi concedido a outros somente através das sucessões apostólicas, o mesmo acontece com os dons do Espírito Santo, que inicialmente fora dado para a Igreja por Deus na Pessoa do Espírito Santo (cf. At 2,1-13) e daí por diante somente foi concedido através da Igreja nos seus Sacramentos, conforme o leitor pode verificar nas referências bíblicas anteriormente citadas.

O Espírito Santo embora guiasse o Apóstolo Paulo orientando-o sobre o quê e onde deveria pregar, em uma revelação manda-o submeter seu Evangelho (sua pregação acerca da Boa Nova) ao Magistério da Igreja (cf. Gl 2,1-2). São Paulo sabia muito bem que a Igreja era o sinal Visível da Verdade (cf. 1Tm 3,15), tanto o sabia que foi a Jerusalém submeter seu Evangelho aos outros Apóstolos, pois temia pregar ou ter pregado em vão (cf. Gl 2,2). Assim é a ação do Espírito Santo, sempre aponta para a Igreja, que é a única "Coluna e o Fundamento da Verdade" (cf. 1Tm 3,15).

E disto bem sabiam aqueles que amaram o Senhor antes de nós, pois sempre procuravam ser fiéis ao Magistério da Igreja (cf. At 16,4-5).

Porém, não eram todos. A exemplo de hoje, ainda nos tempos apostólicos, aqueles que se julgavam dotados de dons espirituais, achavam que o Espírito Santo os guiava diretamente e, consequentemente, acabavam ignorando o Magistério da Igreja. Tal era o caso dos cristãos em Corinto. Os coríntios eram dotados de todos os dons vindos do Espírito Santo (cf. 1Cor 1,4-6), no entanto o desprezo pelo Magistério da Igreja fez com que a baderna tomasse conta da Igreja.

São Paulo escreve sua epístola para intervir nesta comunidade e prescreve várias normas de fé, além de regras morais e disciplinares (Caps 1-11, 15-16). Nos capítulos 12 a 14, o Santo Apóstolo ensina como os coríntios deveriam administrar os carismas recebidos pelo Espírito Santo. Ora, se o Espírito Santo guiasse diretamente os fiéis, não haveria a necessidade do Apóstolo prescrever tais instruções, já que a Igreja de Corinto era farta em carismas (cf. 1Cor 1,4-6).

Para aqueles que se julgam Pentecostais ou Carismáticos e verdadeiros conhecedores da Sagrada Escritura, saibam que a Escritura dá testemunho que aquele que realmente é tomado pelo Espírito Santo, sabe que é Este mesmo Espírito que confirma a Igreja na Verdade, sendo portanto imprescindível a fidelidade ao seu Magistério, pois tais são as palavras do Santo Apóstolo:

"Se alguém se julga profeta ou agraciado com dons espirituais, reconheça que as coisas que vos escrevo [o que ensina a Igreja] são um mandamento do Senhor. Mas se alguém quiser ignorá-lo, que o ignore!" (1Cor 14,37-38). Ver também 1Tess 5,12-13; Tito 1,7; 2,15; Filemon 1,8.

Fonte: Veritatis Splendor


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
8 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
#0•A1677•C246   2013-02-16 08:12:19 - Convidado/A.Silva
OS EVANGÉLICOS FINGINDO QUE NÃO VIRAM


Todo e qualquer pessoa pode interpretar a Biblia ?
A própria Bíblia proíbe a interpretação privada. Foi o que disse Pedro.
Devemos escolher apenas o que desejamos seguir na Bíblia e rejeitar o que não gostamos, ou, devemos aceitar a Bíblia por inteira ???
Mas digamos que todos pudessem faze-lo. Façamos como os protestantes e evangélicos e ignoremos a proíbição bíblica para a livre interpretação.
Digamos que a tese protestantes está correta. Todo e qualquer homem com a “assistência” do Espírito Santo pode ler e interpret......

Ler mais...  -  Responder

:-)