REVISTA PeR (2794)'
     ||  Início  ->  
Artigo

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 002 - junho/julho 1957

 

COMO PROVAR A IMORTALIDADE DA ALMA?

 

Indiquemos alguns argumentos racionais que provem a imortalidade da alma

 

1) A alma humana possui o desejo inato de existir sem fim e exercer seus atos vitais sem ruptura nem cessação de si mesma. Este desejo se deriva do fato de que ela é capaz de conceber o ser simplesmente dito, abstraindo de notas que o- tornem individual e restrito (assim o cavalo pode ser concebido pelo homem como um ser; da mesma forma uma pedra, uma criança, o próprio Deus). Ora, concebendo o ser sem restrição, a alma humana não pode deixar de o apetecer espontaneamente; não pode deixar de desejar a existência sem termo algum.

 

A tendência a não perder a existência, inata como é em toda alma humana, só pode provir do Autor da natureza ou do Criador. Disto se conclui que não há de ser frustrada ou vã; o Criador sumamente sábio não teria feito uma criatura espontaneamente tendente a um objetivo que ela não possa ou não deva alcançar; tal criatura seria uma contradição, um absurdo, que deporia contra o seu Autor.

 

Resta, pois, afirmar que o desejo da alma humana de ser e viver conscientemente sem conhecer fim, corresponde ao destino mesmo dessa alma. Ela é naturalmente imortal.

 

Note-se ainda o seguinte: embora o homem tenha horror a perecer ou morrer, ele, pelo fato mesmo de ser composto de corpo e alma, é contingente, traz em si o princípio de sua decomposição ou morte. Sim; tudo que é composto, pelo fato mesmo de ser composto, tende a se decompor ou desagregar em virtude do uso ou desgaste das partes componentes. Por conseguinte, o desejo inato que o homem tem de não perecer, só se pode atuar (por via natural, não suposta alguma intervenção extraordinária de Deus) na alma humana, que não possui partes componentes. — A alma é, de resto, a parte característica do homem, parte que lhe dá a sua personalidade.

 

A fé acrescenta que Deus gratuitamente restaurará a união da alma e do corpo após a morte do homem, ou seja, no dia da ressurreição final.

 

2) À diferença do corpo humano, a alma não se compõe de substâncias químicas nem de matéria e espírito, mas é espírito só, substância simples. Em sua natureza, portanto, ela não traz princípio de desagregação, de destruição de si mesma (pois ela não é um agregado). Disto se segue que a alma humana por si não perece.

 

É verdade que Deus, O qual a tirou do nada por criação, a poderia também reduzir ao nada; nenhuma criatura existe necessariamente ou por si; todo ser criado é contingente, só Deus é necessário. Contudo Este não aniquila a alma, pois usa da sua Onipotência de maneira sábia; tendo feito uma criatura desejosa de se conservar sempre no ser, Ele não contradiz a essa tendência.

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

 


Pergunte e Responderemos - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-
#0•A1007•C205   2012-12-20 17:22:36 - Convidado/[email protected]
Tentar provar a imortalidade da alma com argumentos racionais me parece coisa de espírita.Graças a Deus a devoção a Maria Santíssima e sua imaculada conceição que juntamente com a ressureição dos mortos, a eucaristia que constitui todos os mistérios da nossa fé não estao sustentadas na imortalidade da alma.Peço a todos os católicos que se orientem pelo credo niceno;a imortalidade da alma não é unanimidade entre os católicos,so é complicado tentar refutar tal crença porque afetaria diretamente a intercessão dos santos.

Responder


:-)