REVISTA PeR (2723)'
     ||  Início  ->  
Artigo

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 543/setembro 2007

Apologética

Pelas almas:

 

O PAI-NOSSO DE SANTA MATILDE

 

Via internet está sendo propagada a seguinte mensagem, que suscita surpresa em muitos leitores:

O PAI-NOSSO DE SANTA MATILDE PELAS ALMAS DO PURGATÓRIO

Um dia em que Santa Matilde havia acabado de comungar e oferecera Deus a Hóstia Preciosíssima, a fim de que Ela servisse para a libertação das Almas do Purgatório, com a remissão de seus pecados e a reparação de suas negligências, ouviu o Senhor dizer-lhe: "Reza por elas um Pai Nosso em união com a intenção que Eu tive ao tirá-lo do Meu Coração, a fim de ensiná-lo aos homens".

Ao mesmo tempo, a inspiração divina desvendou a Santa Matilde as intenções do Pai Nosso Pelas Almas.

E quando Santa Matilde acabou de rezar o Pai Nosso nessas intenções, ela viu uma grande multidão de Almas, rendendo graças a Deus pela sua libertação do Purgatório, numa alegria extrema. A cada vez que a Santa rezava essa oração, via uma legião de Almas subindo para o Céu.

Socorramos as pobres Almas do Purgatório, que nada podem para si mesmas, a não ser sofrer, esperando pelos nossos sufrágios, pelo que nos serão gratas.

Que dizer?

Tal mensagem não merece crédito, pois supõe concepções errôneas, que provêm da imaginação de quem a concebeu e não do próprio Deus. Ei-las:

1) O texto supõe que o purgatório seja um cárcere; para os prisioneiros aí detentos em castigo, poderíamos pedir anistia. Deus estaria impondo sofrimentos para que a alma do pecador "pagasse as dívidas" dos seus pecados.

Ora tal concepção é falsa. O purgatório não é um cárcere nem um castigo; é, como diz o nome, um estado em que a alma se purifica das raízes do pecado mediante um arrependimento radical do mesmo; o amor das almas do purgatório a Deus faz que elas repudiem o "pecadinho" de cada dia como não o fizeram durante a sua vida na terra. Uma imagem pode ilustrar esse estado:

Um jovem dirige seu carro sem respeitar os sinais de trânsito e sem que algo desastroso lhe aconteça; ele sabe que vai contra a lei, mas como se trata de uma contravenção de pouca monta, não se importa com o aspecto ilegal do seu procedimento. Um belo dia, porém, é colhido dolorosamente no trânsito; sofre fraturas e passa uma temporada em tratamento. Durante esses dias de imobilização, a vítima revolve na mente o seu comportamento, e vê que as pequenas infrações não são destituídas de importância; o infrator, que se comprazia em sua "habilidade de motorista", passa a repudiar tal condição de modo que nunca mais brincará com o trânsito.

Algo de semelhante se dá com a alma humana. Mesmo absolvida de seus pecados, ficam-lhe as raízes do pecado (há recaídas no mesmo pecado). São obstáculos que impedem a visão de Deus face-a-face no além. Se tal indivíduo se descuida, por negligência, dessa purificação, terá de passar por ela após a morte (sem diabinho com tridente nem fogo) até ter o amor a Deus livre de qualquer incoerência. No além, a alma vê mais claramente quão importante é o próprio "pecadinho" e o repudiará sem complacência.

2)  A oração pelas almas do purgatório não pede a Deus que perdoe nem conceda anistia. Mas pede a Deus que fortaleça o amor dessas almas a Deus para que extinga quanto antes os resquícios do pecado remanescentes na alma dos defuntos, falecidos em estado de graça, mas portadores de incoerências.

3)  Ninguém deixa o estado de purgatório antes da total purificação interior, de modo que não é um Pai-nosso devotamente recitado que obtém a passagem para a glória celeste; requer-se que esteja terminada a purificação da alma do purgatório. Se um Pai-Nosso propiciasse a "uma legião de almas" a entrada na glória, poderíamos em breve pôr termo final ao purgatório de todas as almas dos falecidos.

Ao propor estas considerações, não intencionamos diminuir o zelo de quem (com grande mérito) reza pelas almas, mas desejamos mostrar o sentido dessa prece: ela não visa a libertar prisioneiros de um campo de concentração nem a pedir ao Pai que perdoe (Deus já perdoou), mas sim... que se fortaleça o amor a Deus existente naquelas almas para que elimine radicalmente as tendências contrárias.

Seja o fiel católico cauteloso ao falar do além, para que não proponha o que a mente humana concebe com exuberante fantasia, mas sim o que a Igreja ensina com sobriedade.

 

Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-
#0•A89•C33   2011-06-03 15:36:06 - Convidado/[email protected]
oi isso que vc escreveu e egoismo tenha fé e creia nas graças eu tenho fé em deus

Responder


:-)