BíBLIA (2179)'
     ||  Início  ->  
Artigo

SEGUNDA EPÍSTOLA AOS TESSALONICENSES

A primeira epístola de S. Paulo à comunidade nascente de Tessalonica atingira o seu objetivo de iluminar e consolar os cristãos acerca da sorte dos falecidos, por ocasião da vinda gloriosa de Cristo. O Apóstolo havia integrado, com autorizada precisão e clareza, os ensinamentos de sua catequese oral sobre esse ponto de doutrina. Bem depressa, porém, novas nuvens surgiram no horizonte, ofuscando-o e perturbando as almas. Alguns cristãos, mais enfatuados e entusiastas da proximidade da parusia, difundiam essa persuasão entre os outros, procurando convidá-los, seja com algumas frases mal interpretadas da epístola de S. Paulo, seja com pretensas declarações de carismáticos, que preanunciavam a iminência da vinda gloriosa do Senhor, e também com supostas epístolas do Apóstolo (2Tes 2, 1-2). Conseqüência do estado de alma que se determinara em muitos era uma plena ociosidade, abstenção do trabalho e desinteresse pelas coisas materiais, na expectativa do grande dia. Dominava, portanto, entre os cristãos de Tessalonica um erro teórico e prático, grandemente funesto. Paulo, que se mantinha constantemente informado do estado de sua amada cristandade, intervém 'com outra epístola, a fim de instruir esses neófitos e pô-los de sobreaviso contra os semeadores de falsas doutrinas.

Sumário

Cabeçalho e saudação (1,1-2).

1. Ação de graças a Deus pela caridade e constância na fé dos tessalonicenses (1,3-5); justo juízo de Deus, que dará a cada um segundo os seus méritos (1,6-12).

2.  O tempo da parusia é incerto, não é iminente e será precedido de sinais precursores: a apostasia e a vinda do anticristo (2,1-4). Os tessalonicenses conhecem o obstáculo que o retém. Tirado este, manifestar-se-á o homem do pecado, que será destruído por Jesus Cristo (2,5-12). Exortação a permanecerem firmes na fé (2,13-17).

3.  Preceitos morais, conseqüências práticas da parte doutrinal (3,1-15).

Conclusão: votos  (3,16), assinatura autografa de reconhecimento (3,17), saudação final (3,18).

Infelizmente, devido à falta de alguns elementos da catequese oral de Paulo, permanecemos no escuro a respeito de alguns pontos de sua doutrina escatológica, que permanecerão sempre um enigma insolúvel: quem é o anticristo, qual o obstáculo que o retém etc. Completa o Apóstolo, com sua epístola, os ensinamentos do Evangelho e do Apocalipse no que diz respeito aos últimos acontecimentos do gênero humano e à segunda vinda de Cristo.

 


Pergunte e Responderemos
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
7 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)