PERGUNTE E RESPONDEREMOS  377 – outubro 1993

Reflexões

"GUARDA O DEPÓSITO!" (1Tm 6,20)

São Paulo exorta seu discípulo Timóteo a guardar intato o depóstio da fé; cf. 1 Tm 6,20; 2Tm 1,14.- Nesta exortação há nítida referência às leis greco-romanas concernentes aos depósitos. Com efeito; o depósito (parathéke) era um valor que alguém entregava a outrem para que o guardasse e oportunamente o devolvesse. Selava-se entre o depositante e o depositário um contrato baseado na confiança e na certeza da fidelidade. O depositário se obrigava a não fazer uso da coisa depositada; seria processado, se o fizesse. O depositário infiel incorria na ira dos deuses. Os moralistas gregos eram muito severos, equiparando a não restituição do depósito ao adultério ou à infidelidade conjugal; era mais grave do que não pagar uma dívida, porque traía a confiança de um amigo. Alguns depósitos se faziam nos templos, pois os guardas dos templos inspiravam mais confiança do que os banqueiros.

 

São estas concepções que a palavra "depósito (parathéke)" supõe nos textos paulinos. Com efeito; o Apóstolo diz ter recebido de Cristo o depósito da fé: "Não recebi o Evangelho nem o aprendi de algum homem, mas por revelação de Jesus Cristo"(GI. 1, 12). A lei não permitia que o retocasse; cf. 1Tm 1,11; 2Tm 2,8.10; Cl 1, 25-29. São Paulo se considera mero ministro ou servidor do Evangelho (1 Cor 4,1); era apenas um delegado do Senhor Jesus, e não um dono do depósito; ele não havia criado a mensagem que apregoava e, por isto, não havia de a modificar; ao contrário, ele a queria transmitir intata: "Não falsificamos a Palavra de Deus; muito pelo contrário, manifestando a verdade, procuramos ganhar a confiança de todos os homens" (2Cor 4,2). Daí poder o Apóstolo dizer no fim da vida: "Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé" (2Tm 4, 7). Por isto também esperava ouvir a sentença dirigida ao servo bom e fiel: "Desde já me está reservada a coroa dajustiça, que me dará o Senhor, Justo Juiz, naquele Dia"(2Tm 4, 8; cf. Mt 25, 23).

 

O depósito recebido de Jesus Cristo, o Apóstolo o havia passado a Timóteo (2Tm 1, 6.14), para que Timóteo o transmitisse a outros homens fiéis, e estes a mais outros: "O que aprendeste de mim na presença de numerosas testemunhas, confia-o a homens fiéis, que, por sua vez, serão capazes de ensiná-lo a outros mais" (2Tm 2,2).

 

Pois bem; a designação da mensagem do Evangelho como depósito enfatiza a intocabilidade das verdades da fé tais como nos foram transmitidas pelos Apóstolos (que as receberam de Jesus Cristo) através de gerações até hoje. A heresia ou deterioração do depósito da fé é assemelhada à gangrena (2Tm 2, 7).

 

As advertências do Apóstolo conservam seu pleno sentido em nossos dias. A fé exige coerência; é sempre a adesão a Deus, que nos fala na penumbra da vida presente. O cristão ou aceita este santo depósito com toda a sua grandeza ou - o que Deus não permita - o rejeita; não ouse, porém, retocá-lo ou deteriorá-lo!

 


GoNet - PR
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
2 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)