LEONARDO BOFF: UM MENTIROSO COM DOUTORADO

"Primeiramente, a correção na Igreja é um dever estabelecido pelo próprio Cristo. Basta ler Mt 18, onde Jesus ordena corrigir o irmão e, caso não aceite seja tratado como um pagão; recordemos também as várias passagens das cartas paulinas, onde o Apóstolo ordena guardar a sã doutrina e a afastar os que dividem a comunidade com falsas doutrinas; também João, o Apóstolo do amor, nas suas cartas, condena pesadamente os que semeiam erros e dividem a comunidade. São João proíbe até mesmo saudar os hereges; no Apocalipse, Jesus repreende as comunidades que não afastam de si os hereges. [...] Várias vezes a Santa Sé tentou convencer Boff a não semear o erro e discórdia. Ele, apoiado pelo poderio da Editora Vozes e por amigos fortes na Igreja, sempre fez pouco caso das admoestações de Roma. Quanto ao seu livro, 'Igreja carisma e poder', contém graves erros: ele interpreta a vida e a fé da Igreja em chave materialista marxista. [...] Boff não passa de um conversador com doutorado em teologia, que usa a palavra para enganar. [...]

Na linguagem do Vaticano II, na Lumen Gentium, é com o 'obséquio' do nosso intelecto que devemos acolher a palavra do Magistério da Igreja. Então, Roma pediu ao Boff que procurasse, sinceramente, num espírito de fé, rever seus princípios. Mas ele, julgando-se infalível, persistiu e persiste na sua teimosia arrogante. Como se vê, o Concílio Vaticano II do Boff não é o real: só existe na cabeça dele. [...]

O próprio irmão do Leonardo Boff, o Fr. Clodovis Boff, diz claramente que a teologia de Sobrino contém erros de cristologia. Roma tentou fazer o teólogo salvadorenho rever suas posições. Ele não quis. A Igreja, então, cumpriu seu dever: afirmou que sua teologia não exprime a fé católica. Os pastores têm que livrar o rebanho dos erros e dos perigos! Na cabeça do Boff, só o erro é que deve ter direito a ser difundido e comunicado. O Papa e os Bispos não têm o direito, que Cristo mesmo lhes deu, de defender a fé, atacada de dentro mesmo da Igreja, por aqueles que deveriam ensiná-la de modo correto. [...]

Leonardo Boff é mentiroso: sempre foi! É uma pena ter que dizer isso, mas é necessário para desmascarar alguém que, em nome de uma vida intelectual, esqueceu há muito os princípios da honestidade do fazer ciência teológica. A sua é uma teologia esotérica, sincretista, a serviço de uma ideologia socialista. Nunca esqueçam que foi o Boff que, indo à antiga União Soviética, quem disse ter visto lá o Reino de Deus! [...]

'O Espírito Criador sopra onde quiser e está sempre presente nas buscas humanas suscitando bondade, justiça, compaixão e amor em todos. A figura do Espírito ganha centralidade.' (L. Boff) O nosso teólogo falacioso contrapõe o Espírito Santo a Cristo. Veja o raciocínio: quando o centro é Cristo, divide; quando o centro é o Espírito, une, porque tudo é fruto do Espírito. O raciocínio é falso e herético por dois motivos: 1. O centro da nossa fé só pode ser Jesus: aquele Fundamento no lugar do qual outro não pode ser colocado; 2. O Espírito é o Espírito de Cristo, que dá testemunho de Cristo, conduz a Cristo e recordará sempre o que Cristo nos falou. Esse 'Espírito' a que se refere o Boff parece mais uma entidade pagã que o Espírito de Deus dado por Jesus Cristo!

'Somos naturalmente sincréticos na convicção de que em todos os caminhos espirituais há bondade para além dos desvios e que, definitivamente, tudo acaba em Deus.' (L. Boff) Aqui, a máscara cai: o antigo teólogo católico e atual livre pensador se trai: ele quer sincretismo; pra ele religião é tudo igual, cada uma com a sua invenção! Já a Igreja – a das origens e a do Vaticano II – deseja somente a fidelidade! Boff jamais aceitaria o que Jesus disse à Samaritana: 'A salvação vem dos judeus!' Para o nosso grande guru, Jesus é um fundamentalista, discípulo de Ratzinger! Boff também não aceita a ordem de Jesus: 'Ide por todo o mundo! Fazei discípulos!' Boff não atura que não haja outro nome no qual sejamos salvos... Mas, a Boff não interessa a Palavra de Deus nem a Tradição da Igreja! Interessam o marxismo e o politicamente correto. [...]"

Dom Henrique Soares da Costa, Bispo da Diocese Palmares - Pernambuco.
Artigo: «Bento XVI e a guerra na Igreja: Descontruir Leonardo Boff»

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
2 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
#0•A3903•C923   2017-04-09 17:04:20 - Convidado/a.Silva
Alguém disse e não fui eu que Leonardo Boff tem todos os defeitos de Martinho Lutero e de Edir Macedo e nenhuma de suas virtudes.
Seu compromisso é meramente político/partidário.
Sua "teologia" é a doutrina de Chavez, Fidel e demais "companheiros" que andam por aí envolvidos em sórdidos escândalos.

Responder


:-)