É mentira

Parafraseando o mestre Câmara Cascudo

 

SANTOS, Ivanaldo. É mentira. Parafraseando o mestre Câmara Cascudo. In: O Coyote, Natal, março/abril, 2015 p. 10.

Ivanaldo Santos

Filósofo. E-mail: [email protected].

 

No dia 01/07/1934 Câmara Cascudo, grande antropólogo brasileiro, publicou no jornal A Offenciva, na época editado na cidade do Rio de Janeiro, uma crônica bem-humorada e crítica, cujo titulo era É Mentira. Nessa crônica ele brinca e, ao mesmo tempo, denuncia o caráter autoritário do socialismo implantado na Rússia, denuncia a ditadura, o massacre de milhares de civis, o patrulhamento ideológico às ideias e aos intelectuais e a perseguição aos poetas, aos místicos, a religião e a qualquer coisa que seja um pouco diferente do pensamento oficial do partido socialista e do governo russo.

 

Segundo Câmara Cascudo, o mais grave é que tanto no Brasil como no exterior, especialmente na Europa culta, uma legião de militantes esquerdistas e socialistas, de intelectuais orgânicos, de artistas engajados e coisas semelhantes ficavam publicando artigos nos jornais e revistas da época dizendo que todo o horror vivido pelo povo russo não passava de mentira, de invenção da pretensa mídia  burguesa e da sociedade cristã. Por causa disso, Câmara Cascudo não perde o humor. Ele sai enumerando os horrores do regime socialista e o sofrimento do povo russo e sempre terminando com a frase “É mentira”. Ao final ele conclui que a “Verdade é que a Rússia é um paraíso onde todos os anjos querem sair [fugir]”.

 

Como bem lembrou Karl Marx, o guru da mais desastrada aventura humana nos últimos 250 anos, a “história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”. Na versão da história como tragédia, a Rússia e vários outros países do Leste Europeu (Polônia Hungria, etc.) viveram no período que vai da década de 1920 até o início da década de 1990.  Nas primeiras décadas do século XXI um conjunto de países na América do Sul (Argentina, Venezuela, Brasil, etc.) resolveram experimentar o neosocialismo, mas dessa vez é a versão no estilo farsa. Os países que compõem a chamada revolução bolivariana ou o socialismo do século XXI (socialismo tropical, socialismo moreno, etc.) passam pelos mesmos dramas e problemas enfrentados pela população russa na década de 1930, época em que Câmara Cascudo publica É Mentira . Assim como na Rússia, daquele momento histórico, hoje em dia não faltam uma legião de militantes esquerdistas e socialistas, de intelectuais orgânicos, de artistas engajados e coisas semelhantes que ficam publicando artigos nos jornais, revistas, nas redes sociais (coisa que Câmara Cascudo não conheceu) dizendo que todo o horror vivido pelo povo não passa de mentira, de invenção da pretensa mídia burguesa e da sociedade cristã. Por isso, parafraseando o mestre Câmara Cascudo, afirma-se:

- É Mentira que o bolivarianismo (socialismo do século XXI, socialismo tropical, socialismo moreno, etc.) seja autoritário;

- É Mentira que a imprensa, nos países bolivarianos, seja reprimida e censurada;

- É Mentira que o judiciário seja censurado e até mesmo instrumentalizado, transformado em braço do partido governista;

- É Mentira que poetas e intelectuais que criticam o governo são censurados, perseguidos e boicotados;

- É Mentira que a Igreja e os cristãos são perseguidos pelo regime neossocialista;

- É Mentira que os países neossocialistas tenham uma agenda radical que pregam, entre outras cosias, a legalização do aborto e a legalização de drogas ilícitas.

 

Nessa triste história, nessa repetição como farsa, a única verdade que existe é que o neossocialista (bolivarianismo ou outro nome que seja dado) é um tipo de falso paraíso onde as pessoas que são livres são exatamente as pessoas que estão fora dessa farsa.


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
7 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)