PERGUNTE E RESPONDEREMOS 395/abril 1995

Reflexões

"Ó MORTE, ONDE ESTÁ A TUA VITÓRIA?"

 

(1Cor 15,55)

Abril é o mês de Páscoa, da ressurreição de Jesus, vencedor da morte. Este acontecimento marcou toda a história da humanidade, e a bom título. Para entendê-lo em profundidade, é interessante recorrer ao humanismo dos gregos antigos. Sófocles, por exemplo, em 441 a.C, redigiu em Atenas, cidade esplendorosa, o drama Antígona, em que descreve, deslumbrado, a trágica grandeza do homem:

"Numerosas são as maravilhas da natureza, mas de todas a maior maravilha é o homem. Através do mar... ele avança e passa sob as vagas volumosas que rugem em torno dele. A divindade superior a todas as outras, a Gué (Terra) imortal, inesgotável, ele consegue cansá-la com seus arados que, ano após ano, vão e voltam por cima dela, revolvendo-a com animais de raça eqüina. E, a tribo dos pássaros ligeiros, ele a apreende e captura; as hordas de animais selvagens e os seres marinhos do oceano, o homem inventivo apanha-os nas dobras das redes tecidas. Ele domina também, por meio de armadilhas, o animal agreste montanhês; e, o cavalo de pescoço felpudo, o homem há de conduzi-lo sob o jugo que o mantém preso dos dois lados, fazendo o mesmo com o incansável touro das montanhas... Somente diante de Hades (a Morte) não encontrará meios de fugir" (I vv. 333-375).

 

Para Sófocles, a morte é a grande e inevitável bofetada no homem, dominador da natureza gigantesca. Nada a fazer contra ela!...

 

Na literatura hebraica encontra-se um texto paralelo ao de Sófocles: é o salmo 8, atribuído ao rei Davi (século X a.C).

Pois bem; Jesus Cristo veio dizer ao homem que a própria morte está vencida. Ele é "o Vivente; esteve morto, mas agora está vivo pelos séculos dos séculos e tem nas mãos as chaves da Morte e da região dos Mortos (Hades)" (Ap 1,18). Assim dissipa-se a tristeza que obscurecia o quadro otimista de Sófocles. A ressurreição de Cristo é o penhor da ressurreição de todos os homens.

 

Ora, certa vez no Areópago, praça central da Atenas de Sófocles, São Paulo anunciou aos gregos o ideal do homem novo, mais forte do que a morte. Escarneceram-no então, pois parecia tratar-se de uma fábula ou de uma utopia. Sim; eis o que se lê em At 17,30-33:

 

Paulo disse: “ 'Deus fixou um dia no qual julgará o mundo com justiça por meio do homem a quem designou, dando-lhe crédito diante de todos ao ressuscitá-lo dentre os mortos'. Ao ouvirem falar da ressurreição dos mortos, alguns começaram a zombar, enquanto outros diziam: 'A respeito disso vamos ouvir-te outra vez'. Foi assim que Paulo se retirou do meio deles".

 

Após esta experiência, Paulo dizia que nada mais queria saber senão Jesus Cristo, e Jesus Cristo crucificado (cf. 1Cor 2,1s). A sabedoria meramente humana não atinge o desígnio transcendental de Deus. Este é belo e grande demais para que o homem por si só creia que é verdade!

 

"Graças sejam tributadas a Deus por seu inefável dom!" (2Cor 9,15).

E.B.


GoNet - PR
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)