PERGUNTE E RESPONDEREMOS -002 / novembro 1957

 

Católico pode pertencer ao Rotary Club?

AMIGO (Quatá, S.P.): "Será permitido a um católico pertencer ao Rotary Clube?"

 

O Rotary Club atrai a muitos homens de ideal pelos pontos capitais do seu programa: "Camaradagem sincera, filantropia séria e paz mundial". Três pontos aos quais um quarto foi recentemente acrescentado, dada a poderosa ameaça do comunismo contemporâneo: "Defesa da cultura e da democracia", ou seja, "liberdade do indivíduo, do pensamento, da palavra e das associações; liberdade de culto". Na vida prática, o Rotary exerce a filantropia, dispensando proteção principalmente aos sócios necessitados, garantindo-lhes a carreira ou o exercício da profissão nas circunstancias difíceis da luta cotidiana; também muito tem auxiliado aos homens de negócios e indústria que se lhe filiam.

 

A Sociedade tem-se difundido cada vez mais, mormente entre as elites, que se reúnem em banquetes de grande estilo. Os seus dirigentes fazem severa seleção entre os candidatos a fim de manter o seu caráter de elite.

 

Contudo, as autoridades da Igreja repetidamente tem manifestado reservas frente ao Rotary. A última e mais importante declaração emanou diretamente da Suprema Congregação do Santo Oficio aos 11 de Janeiro de 1951 nos termos seguintes:

 

-Esta Suprema e Sagrada congregação foi interpelada sobre a questão: será lícito que católicos se filiem à Associação que se chama Rotary Club? Os Eminentíssimos e Reverendíssimos Senhores Cardeais encarregados da proteção da fé e da moral, após ter ouvido os pareceres dos Reverendíssímos Senhores Consultores, decretaram na sessão plenária de quarta-feira 20 de Abril de 1950 o seguinte:

 

Aos clérigos não è permitido associar-se ao Rotary Club nem assistir às reuniões.

Os leigos sejam advertidos de que devem observar as prescrições do cânon 684 do Código de Direito Canônico.

E no dia 26 de Dezembro, Sua Santidade Nosso Senhor Pio XII, pela Providência Divina Papa, em audiência concedida ao Exmo. Sr. Assessor do Santo Ofício, aprovou e mandou publicar a resolução dos Eminentíssimos Padres.

Dado em Roma, na sede do Santo Ofício, aos 11 de Janeiro de 1951. — (Ass) Marinus Marani, Notário da Suprema e Sagrada Congregação do Santo Oficio."

 

Eis o citado cânon 684, que o decreto corrobora:

 

"Os fiéis são dignos de louvores quando se agregam a associações fundadas ou, pelo menos, recomendadas pela Igreja. Evitem, porém, associações secretas, condenadas, sediciosas, suspeitas ou que tentam subtrair-se à legítima vigilância da Igreja."

 

Lembrando aos fiéis este cânon 684, o Santo Ofício não entende classificar o Rotary entre as sociedades secretas nem entre as condenadas, mas, sim, entre "as suspeitas e as que tentam subtrair-se à legitima vigilância da Igreja".

E em que se baseiam tais admoestações?

 

O Rotary Club se propõe exercer a filantropia; não faz, porém, menção de Deus, professando neutralidade (que não é hostilidade) diante das diversas confissões religiosas e do ateísmo. Ora é este agnosticismo que fere a consciência católica. Com efeito, não se pode querer promover o bem da humanidade sem que, explicitamente e desde o início do empreendimento, se leve em conta a Deus; quando se trata de definir o homem e seu bem-estar. Deus não é entidade adventícia e dispensável; o Altíssimo é sempre o Primeiro Valor, que na realidade está intimamente presente à sociedade e aos indivíduos, e destes pede o devido reconhecimento.

 

Entre a profissão explícita de Deus e a negação de Deus não há meio termo: "Quem não é por Mim, é contra Mim, e quem não congrega comigo, dispersa", disse Jesus (Mt 12,30).

 

Se o Rotary procurasse apenas aperfeiçoar o homem em determinado setor de suas atividades — na ciência, nas artes, na técnica — ninguém exigiria que professasse explicitamente o nome de Deus, pois ciências e artes dizem respeito a um aspecto apenas do homem (há, de fato, institutos técnicos que preenchem a sua finalidade sem colocar no seu programa alguma profissão religiosa). Desde, porém, que se queira apreender o homem todo, o homem como homem, e promover seus interesses capitais (éticos), não pode deixar de entrar em jogo a questão do Fim último a que se destina a humanidade. Ora o Fim último é um só, é o Deus da Revelação cristã; quem não se encaminha explicitamente para Ele, mantendo no foro público uma indiferença consciente e voluntária (note-se bem: não se trata da indiferença do ignorante), não pode deixar de dar passos errados. É por isto que a Igreja julga ter o dever e vigiar sobre a conduta de seus filhos frente ao Rotary Club.

 

O fato de que este deixe toda a liberdade de culto aos seus membros, permite haja agremiações de rotarianos em que os católicos predominam e, por conseguinte, uma autêntica filantropia é praticada (ainda assim não é de desejar que os católicos, ao exercerem o amor ao próximo, entrem em moldes de neutralidade religiosa oficial; tal atitude tende a embotar a consciência cristã; é artificial para o autêntico católico). Dado, porém, que prepondere no núcleo rotariano o grupo não-calólico ou ateu, a filantropia há de pedir, cedo ou tarde, orientação ao erro religioso ou ao ateísmo; pois virá à baila entre os sócios a questão da finalidade suprema a que se destina o gênero humano.

 

O indiferentismo religioso professado pelo Rotary se explica, em última análise, pela origem maçônica desta entidade. Ainda hoje em muitos clubes do Rotary predomina a influência dos maçons, que, após observação atenta, convidam seus companheiros mais ativos a entrar no Grande Oriente.

 

Por fim, diga-se que não é necessário filiar-se ao Rotary para propugnar os ideais que este apregoa: o católico encontra no grêmio da Igreja sociedades análogas (tenha-se em vista a mais semelhante ao Rotary, que é a dos "Cavaleiros de Colombo”, onde pode-se praticar o ideal da filantropia, sem abstrair do Deus Vivo, do Primeiro de todos os valores!

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
8 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)