HOMILIAS (2120)'
     ||  Início  ->  
Artigo

Pregações: Homilias - Quem não é contra vós é por vós - por Papa João Paulo II

Quem não é contra vós é por vós

Evangelho segundo São Lucas (Lc), capítulo 9

46 Veio-lhes então o pensamento de qual deles seria o maior.
47 Penetrando Jesus nos pensamentos de seus corações, tomou um menino, colocou-o junto de si e disse-lhes:
48 Todo o que recebe este menino em meu nome, a mim é que recebe, e quem recebe a mim, recebe aquele que me enviou, pois quem dentre vós for o menor, esse será grande.
49 João tomou a palavra e disse: Mestre, vimos um homem que expelia demônios em teu nome, e nós lho proibimos, porque não é dos nossos.
50 Mas Jesus lhe disse: Não lho proibais, porque, o que não é contra vós, é a vosso favor.

O ecumenismo busca precisamente fazer crescer a comunhão parcial existente entre os cristãos, até à plena comunhão na verdade e na caridade. Passando dos princípios, do imperativo da consciência cristã, à realização do caminho ecuménico rumo à unidade, o Concílio Vaticano II põe em relevo sobretudo a necessidade da conversão do coração. O anúncio messiânico - «completou-se o tempo e o Reino de Deus está perto» - e o consequente apelo - «convertei-vos e crede no Evangelho» (Mc 1, 15) - com os quais Jesus inaugura a Sua missão indicam o elemento essencial que deve caracterizar qualquer novo início.[...] «Não existe verdadeiro ecumenismo sem conversão interior». O Concílio apela, tanto à conversão pessoal, como à conversão comunitária. [...]

Assim, cada um tem de se converter mais radicalmente ao Evangelho e, sem nunca perder de vista o desígnio de Deus, deve rectificar o seu olhar. Com o ecumenismo, a contemplação das «maravilhas de Deus» (mirabilia Dei) enriqueceu-se com novos espaços onde o Deus Trino suscita a acção de graças: a percepção de que o Espírito age nas outras comunidades cristãs, a descoberta de exemplos de santidade, a experiência das infindáveis riquezas da comunhão dos santos, o contacto com aspectos surpreendentes do compromisso cristão.

E, correlativamente, estendeu-se também a necessidade de penitência: a consciência de certas exclusões que ferem a caridade fraterna, de certas recusas em perdoar, de um certo orgulho, daquele entrincheiramento anti-evangélico na condenação dos «outros», de um desprezo que deriva de falsa presunção. Assim, toda a vida dos cristãos está marcada pela solicitude ecumênica e, de certo modo, eles são chamados a deixar-se plasmar por ela.

Papa João Paulo II, Encíclica «Ut unum sint», §§ 14-15
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)