MUNDO ATUAL (1331)'
     ||  Início  ->  
Artigo

Marcha, soldado, cabeça de papel... 

Fonte: Jornal do Brasil

Sergio Sebold* 

Virou moda a síndrome das marchas pacíficas em todo o mundo como protestos ao status quo. Estas reações são tão fortes que até em regimes altamente fechados, com consistência cultural ultraconservadora, estão saindo de seu anonimato e, pior, do controle. Pelo lado ocidental é que as coisas assumem uma proporção avassaladora e até pitoresca. Por todo lado, vemos contestações, das mais plausíveis às mais berrantes, sem qualquer conteúdo ideológico que as justifique. Esta é a liberdade que a democracia permite.

Boa parte deste último elenco está mais para o lado de chamar a atenção sobre si mesmo (dos participantes), na busca de autoafirmação, do que a contestação de um grupo social.  Procuram chamar a atenção criando pressões legais, até de constrangimentos, com aplausos da mídia para seu reconhecimento; contaminam os legisladores através de sofismas, a fim de obrigarem a grande maioria a aceitá-los, criando condições preferenciais, em detrimento da grande maioria da sociedade.

Procuram mudar, destruir valores culturais e morais já aceitos e cultivados pela grande maioria, no sentido de esta assimilar estes "novos" conceitos. Respeitar, tolerar condutas (desde que não sejam prejudiciais a outrem) é até um dever civilizatório. Mas querer obrigar que sejam reverenciadas suas atitudes, mais particularmente as que afrontam a dignidade da família, sustentáculo da coesão social, isto já é querer demais.

É verdade que avanços científicos levam à quebra de tabus, de mitos; novos conhecimentos, paradigmas, obrigam muitas vezes mudanças radicais de posturas consagradas. Mas quando estes desenvolvimentos vêm em prejuízo cultural da sociedade, perde qualquer sentido o avanço da pesquisa.

Recentemente, como um rastilho de pólvora, levantou-se uma contestação de um grupo social,  a marcha sobre a discriminação das mulheres, a qual pela ignorância de um machista canadense atribuíram a denominação "marcha das vadias". O avanço de reconhecimento dos direitos da mulher, há milhares de anos negado, fez com que este grupo levantasse uma bandeira de protesto válido, em nosso entender.

Todo o protesto que a democracia permite deve ter lá suas regras, e principalmente efeitos sobre o alerta da grande maioria na busca de sua justaposição no ambiente social em que se insere. Toda a manifestação deve ter seu sentido político, mas não pela postura ou degradação moral, como show circense.

Entendemos que os direitos e proteção das mulheres devam ser muito bem respeitados, garantidos e até honrados, mas a recente marcha leva por trás uma questão subjetiva do exibicionismo perdendo o verdadeiro foco, que é a proteção da mulher contra a violência física. E pior, com apoio de um governo que faz  confusão entre as obrigações do Estado, com as preferências pessoais dos que governam o país.

Os acontecimentos recentes do Rio, com a invasão da marcha acima a um centro religioso, destituíram de qualquer significado suas reivindicações. No seu interior, justamente estavam pessoas das que mais prezam o respeito à mulher. Isto mostra inequivocamente que o movimento desviou para outros objetivos, como destruir os verdadeiros valores da família.

Só falta ainda levantar a marcha dos endividados pelados, que já alcançam a metade da população. Esta, sim, se sair às ruas, paralisará o país, não pelo sentido estético mas pelos efeitos da asfixia a que lentamente estamos assistindo. A oferta de dinheiro fictício, pela ganância de banqueiros inescrupulosos, em breve paralisará o país. Sendo fictício, ele não voltará! 

* Sergio Sebold, economista, é professor.


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 

:-)