REVISTA PeR (4038)'
     ||  Início  ->  
Artigo

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 519 – setembro 2005

 

Esclarecendo..

 

O DIABO VIVO E ATUANTE NO MUNDO ([1])

por Corrado Balducci S.J.

 

O autor é especialista em demonologia, tratado que nos últimos anos tem ficado de lado nos cursos de Teologia.

Afirma a existência e as características do demônio bem como sua atividade no mundo de hoje.

No tocante à queda dos anjos, Balducci propõe três hipóteses:

 

1) pecaram por orgulho, não querendo submeter-se ao domínio de Deus;

2)  os anjos pecaram por inveja ao tomarem conhecimento da dignidade a que foi elevada a criatura humana no estado paradisíaco;

3)  pecaram por não querer adorar o Filho de Deus feito homem. Esta terceira hipótese é a mais divulgada.

 

Quanto ao número de demônios existentes, o autor não o pode definir, mas julga que é muito elevado.

 

A atividade do demônio no mundo pode ser ordinária (as tentações ao pecado) ou extraordinária (infestação e possessão). Importante é notar que Balducci, embora dedique seus estudos à demonologia, julga ser raros os casos de atuação extraordinária do Maligno. Eis como se pronuncia:

 

"Este segundo tipo de atividade diabólica é chamado de 'extraordinária' porque é muito rara. De acordo com a providência e governo de Deus, o mundo segue as leis e estruturas que foram decretadas pelo Criador e sintetizadas naquilo que é chamado de lei natural. O que quer que ocorra fora desta estrutura - prodígios, milagres, fenômenos preternaturais - é excepcional e, portanto, extraordinário" (p. 119).

 

Em particular sobre a possessão diabólica escreve Balducci:

 

"Quando se faz um diagnóstico dos três tipos de intervenção diabólica - infestação local, infestação pessoal e possessão diabólica - não se pode concluir automaticamente, a partir dos sintomas somente, que um dado fenômeno é de origem diabólica. Como temos visto, as ciências da psiquiatria e da parapsicologia também investigam muitos destes mesmos sintomas e, por isso, a possibilidade de haver possessão diabólica deve ser verificada em cada caso individualmente. A intervenção diabólica não pode mais ser postulada, como no passado, baseando-se simplesmente num fenômeno externo que parece ser sobrenatural. Antes, deve-se sempre trabalhar com a hipótese de que haja uma explicação natural para tal fenômeno. Em outras palavras, não se pode nunca atribuir qualquer fenômeno a uma causa preternatural ou sobrenatural quando houver a menor possibilidade de que possa ter uma explicação natural. De fato, não se pode atribuir a causa de um fenômeno à intervenção de superpoderes a menos que se tenha demonstrado a impossibilidade de uma explicação natural. Consequentemente, uma intervenção preternatural ou diabólica nunca pode ser proposta como uma hipótese inicial de trabalho ou, o que é pior, como uma teoria do oculto; tal intervenção pode ser postulada apenas depois de ter sido provada, caso a caso"(R 141).

 

Balducci assim exprime fielmente o pensamento da Igreja. Esta aceita a possibilidade da possessão diabólica; quer, porém, que cada possível caso seja criteriosamente estudado por peritos em Teologia e em Medicina para não ser confundido um fenômeno patológico com possessão diabólica.

 

A propósito ver apresentação do novo Ritual de Exorcismo às pp. 426-430 deste fascículo.

 

O Catolicismo não é apavorado, pois sabe que o demônio é um cão amarrado que pode latir muito, mas só morde alguém se lhe chega perto (S. Agostinho).

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)



[1] Tradução de Fernando Bastos Pereira da Silva. MIR Editora, São Paulo 2005, 160 x 210mm, 184 pp.


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
7 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)