PERGUNTE E RESPONDEREMOS 517 – julho 2005

 

RESPOSTA A UM AMIGO HOMOSSEXUAL

 

Via internet, a Redação de PR recebeu a seguinte mensagem:

 

"Quando mais jovem, participei muito da Igreja; atualmente estou afastado. Meu afastamento se deu quando descobri que era homossexual. Nunca fui promíscuo nem pretendo ser. Assim sou uma pessoa solitária. Porém não tenho vocação para a castidade como propõe a Igreja. Quero ter uma vida afetiva. Por que Deus me fez assim? Para me condenar à solidão. Tenho muita inveja de meus colegas de trabalho "normais", que têm suas esposas e compartilham sua vida com alguém. Já pensei muito em suicídio, mas não tenho coragem. Minha vida perdeu totalmente o sentido, estou cansado de representar o tempo todo um papel, sem nunca ser o que sou realmente. Saber que Jesus morreu na cruz por mim não muda em nada meu conflito Interior. Ele disse que veio para que todos tenham vida em abundância; por que então eu não posso ter uma vida plena, incluindo a sexualidade? Se Deus me ama, porque Ele me fez assim, impedido de ser feliz?

 

Como posso acreditar numa promessa de eternidade feliz, sendo que agora não consigo ter um dia de paz? Será que Deus realmente me ama?

 

Procuro respostas para estas questões".

 

QUE DIZER?

 

Responderemos ao nosso amigo em seis etapas.

 

1) Caro irmão, compartilhamos sua angústia, mas desejamos dizer-lhe que é superável. Como?

 

Antes do mais, tome consciência de que você não é o único a carregar um problema sério. Todo ser humano tem o seu; pode ser até o extremo oposto ao seu, ou seja, uma excessiva atração pelo outro sexo. - Isto nos proporciona a ocasião de lutar contra tendências desregradas; é precisamente na luta que alguém se faz grande. Não fora a luta, ficaríamos sempre com nossa exígua estatura espiritual. Por conseguinte assuma corajosamente sua tarefa de não ceder aos desvios sexuais.

 

2) Procure sublimar seus impulsos naturais dedicando-se à arte (poesia, música, pintura...) ou a uma tarefa que lhe interesse ou mesmo ao trabalho profissional. Lembre-se de que sentir tendências homossexuais não é pecaminoso, caso não se lhes dê consentimento. O mal consiste em consentir-lhes.

 

3) Não se feche em si mesmo ou no isolamento. A solidão, no caso, é prejudicial. Se você leva uma vida digna, tenha a cabeça erguida e aborde a sociedade com normalidade.

 

4)  Como cristão, digo-lhe mais: você, tal como é, é chamado por Deus à santidade; Ele tem as graças necessárias para levar você à perfeição cristã. Os Santos não foram de estirpe diferente da nossa; tiveram seus momentos difíceis, mas conseguiram vencer com o auxílio de Deus.

 

5)  Há quem queira ver no homossexualismo "o terceiro sexo"; portanto algo de legítimo. Esta sentença entra em conflito com a lei natural. Existem dois sexos diferentes para se completarem mutuamente. Cada um dos dois tem predicados que o outro não tem. A tendência homossexual pode ser congênita como pode ser adquirida; todavia ele nunca é normal.

 

6)  Caro irmão, volte à sua prática religiosa. Sem Deus todo fardo se torna mais pesado. Não há por que abandonar a prática religiosa se o homossexual se afasta das ocasiões de pecar. Como dito antes, sentir não é pecado; este consiste em consentir. A Igreja recomenda aos seus pastores especial atenção aos homossexuais; cf. PR 327/1989, pp. 346ss.

 

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Pergunte e Responderemos - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)