REVISTA PeR (3385)'
     ||  Início  ->  
Artigo

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 520 - outubro 2005

Ainda uma vez:

 

UM CURSO EM MILAGRES

 

Em síntese: Um Curso em Milagres é uma escola de pensamento não cristão que se vai propagando pelo Brasil. A temática já foi abordada em PR 506/2004, pp. 378-380. O presente artigo acrescenta ao anterior mais algumas características do Curso em Milagres recebidas via internet, de linguagem complexa e obscura.

 

Já em PR 506/2004, pp. 378-380 foi considerado o tema "Um Curso em Milagres" (UCEM). Tal escola continua a se difundir pelo Brasil suscitando interrogações e dúvidas. Eis por que voltamos a abordá-la, transmitindo novos dados ilustrativos, recebidos via eletrônica.

 

UCEM: Caracterização Geral

 

A fundadora do Curso é a sra. Helen Schucman que diz ter recebido diretamente de Jesus, em locução interior, a mensagem do Curso. Um discípulo deste apresenta ao público o que é o UCEM.

 

O respectivo texto observa que é difícil definir o UCEM, porque este não cabe em alguma das habituais categorias de pensamento: "O Curso se encaixa em uma categoria que ele logo transcende, unindo-a com categorias consideradas diferentes da anterior e assim dissolvendo as barreiras que o cercam". Por isto o anônimo autor da exposição apresenta nove categorias que ele julga necessárias para descrever o Curso. Ei-las em sua linguagem complexa e obscura:

 

1) Um Ensino Espiritual Canalizado

 

O Curso é visto "como uma coleção de ensinos espirituais, supostamente originários de um ser não físico, canalizado por uma pessoa viva. Esta é a razão para grande parte da popularidade do Curso".

 

No caso; "ser não físico" = Jesus: "Pessoa viva" = Helen Schucman.

 

"Embora o Curso coincida com Nova Era, seus ensinamentos básicos se chocam diretamente com muitos termos básicos da Nova Era", afirma o expositor.

 

2) Um moderno Curso Educacional

 

"Um Curso em Milagres não é como nenhum outro curso educacional... Quantos cursos educacionais também são ensinos espirituais canalizados?", observa o expositor.

 

3) Uma Comunicação Pública de Jesus

 

"Claro que jamais poderemos provar que o Curso foi escrito por Jesus... O autor do Curso deixa claro que ele é o indivíduo que a história conhece por Jesus. Ele refere-se ao nascimento, ... ao Getsêmani, à crucifixão, à ressurreição..."

 

4) Um Sistema Psicológico, Teórico e Terapêutico

 

"Este Curso explica os processos mentais cotidianos como pensamento, desejo, crença, emoção e percepção. Mas nos explica... à luz da nossa natureza divina fundamental".

Note-se: "natureza divina fundamental" parece implicar panteísmo.

 

5) Uma Escritura inspirada de linhagem Bíblica

 

"O Curso também afirma claramente possuir uma autoridade mais alta que a Bíblia, por corrigir suas passagens, e uma autoridade para dizer "realmente"o significado de alguns versículos (geralmente um significado totalmente diferente do que os escritores bíblicos pretendiam), e, o mais importante de tudo, a autoridade para fundar um novo caminho espiritual. Em resumo, o Curso se vê como uma nova Bíblia, que está na linhagem da Bíblia, mas que tem uma autoridade que supera a Bíblia".

 

Estes dizeres evidenciam bem a incompatibilidade de UCEM e Cristianismo. Jesus ter-se-á superado no Curso aprofundando a sua primeira revelação ou os Evangelhos.

 

6) Um Caminho de Iluminação

 

"Embora o Curso esteja arraigado na tradição religiosa Ocidental, ele também compartilha padrões profundos da espiritualidade Oriental. As religiões do Oriente têm se infiltrado em nossa cultura há mais de um século, e assim a maioria de nós está familiarizada com pelo menos alguns dos seus temas básicos".

Estranhamente o autor do Curso se assemelha ao mestre iluminado do Oriente, embora assuma ser Jesus Cristo, o Salvador pessoal do Ocidente.

 

7) Um Sistema Filosófico de Idéias

 

"Embora seja profundamente filosófico, o Curso discorda fortemente da filosofia tradicional. - Vê... nas intermináveis discussões da filosofia controvérsias e definições complicadas, uma defesa sutil contra a verdade; o fato é que este processo nunca chegou à verdade que alegam buscar... O Curso não se interessa por buscas intelectuais para sua própria causa, mas está interessado nas verdades que nos podem trazer uma experiência da verdade".

 

8) Uma Obra de Arte Literária

 

"O ensino do Curso é expressado de uma forma estranha para um sistema intelectual. Em vez de ser escrito numa forma fria com termos técnicos, seu sistema é composto de personagens (Deus, o ego, o Espírito Santo, você) interagindo entre si e movendo-se em lugares (Céu, o mundo, a região fronteiriça, o portão do Céu) e eventos (a separação, a Segunda Vinda, o Último Julgamento, o passo final). Portanto este sistema intelectual também tem alguma semelhança com uma história épica".

 

9) Um Manual Sobre Como Curar Pessoas, Curar Relacionamentos, e Salvar o Mundo

 

"Esta categoria final é uma mistura de algumas categorias familiares. Por exemplo, há livros sobre como ser um curador espiritual ou como ajudar pessoas. Há cursos sobre como curar relacionamentos.

 

Eu estou voltando um pouco atrás nestas categorias específicas para criar uma categoria geral a qual eu poderia reformular deste modo: um manual para se transmitir aos outros algo que cura, salva e une.

 

O Curso coloca uma ênfase profunda nos relacionamentos. Eu nunca vi um caminho espiritual (especialmente um caminho que vê o mundo como uma ilusão e que aponta para uma união mística além deste mundo) enfatizar tanto os relacionamentos humanos. Na visão do Curso, o assunto central de nossa vida é o que nós passamos para as outras pessoas. Disso depende a liberação de nosso sofrimento e o despertar para Deus.

 

O Curso nos ensina constantemente como estender nossa luz aos nossos irmãos. Seu principal ensinamento, o perdão, não é só um remédio para nossas próprias mentes. É também um remédio para curar as outras pessoas".

 

Destas nove características gerais depreende-se claramente que o Curso não se coaduna com a mensagem cristã; antes pretende sufocá-la, apresentando Jesus a expor uma "nova Bíblia" ainda melhor do que a clássica Escritura. Esta conclusão é confirmada pela tomada de contato com as linhas doutrinárias do Curso,

 

2. UCEM: doutrina

 

O conteúdo do Curso encontra-se numa obra em três volumes e 1.200 páginas publicadas pela primeira vez em 1976. - Segundo apostila colhida na internet, o UCEM tem em vista "ajudar a remover as barreiras que nos impedem de despertar para a presença do Amor e começar a ouvir a Voz de Deus, nosso Professor interior".

 

O autor do Curso seria Jesus Cristo mediante locução interior comunicada à sra. Helen. Eis, porém, que no Curso o hipotético Jesus subverte por completo a clássica mensagem cristã, a tal ponto que é impossível aderir à nova mensagem sem deixar de ser cristão.

 

E qual seria essa nova mensagem?

 

Eis como a doutrina é exposta na mencionada apostila:

 

UCEM diferencia-se da doutrina Cristã nos seguintes pontos:

 

1. Deus não criou o mundo. O mundo físico é ilusório e é o resultado da projeção do ego que é a idéia de separação. Nos Esclarecimentos de Termos lemos: "O mundo que você vê é uma ilusão de um mundo. Deus não criou o mundo, pois o que Ele cria tem que ser eterno como Ele" (Manual, p. 81; C-4.1).

 

A principal doutrina dos cristãos é que o mundo físico é real, e que Deus criou o mundo. O Credo Cristão começa com as seguintes palavras: "Creio em Deus-Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da TERRA".

 

2. Jesus não é o único Filho de Deus; no Curso o termo "Filho de Deus" inclui todos os seres humanos. Jesus não é uma deidade para ser adorada, mas um irmão mais velho, diferindo de nós somente no tempo, dado que ele foi o primeiro a se lembrar da sua verdadeira Identidade como o Cristo, uma Identidade compartilhada por todos nós.

 

No Cristianismo tradicional, Jesus foi "o filho unigênito de Deus", e o restante de nós somos "filhos adotados" (conforme o Apóstolo Paulo escreveu na Epístola aos Gálatas, Gal 4:5)

 

3.  O sistema de pensamento do Curso é Monoteísta e não Dualista. Ou seja, o Curso advoga a existência de somente um poder, Deus, sem oposição de qualquer força maligna ou diabólica.

 

4.  No Curso não há nenhum inferno, a não ser aquele criado por nossos próprios pensamentos como uma auto-punição. O Curso ensina que no final todo mundo se lembrará de Deus e retornará a Ele, e que, na realidade, estamos separados Dele somente em nossa imaginação.

 

5.  O Curso contesta categoricamente a idéia de expiação substitucionária ou "salvação vicária"; ou seja, o conceito de que, quando Jesus morreu na cruz, Deus o estava castigando pelos pecados de toda a humanidade, e que ele sofreu e morreu por nós, para que recebêssemos a Vida Eterna. Para o Cristianismo o pecado é real, e Jesus pagou um preço bem alto pelos nossos pecados.

 

Para o Curso o pecado é irreal, um erro a ser corrigido, em vez de castigado, e a salvação não exige nenhum sacrifício. A expiação não é o preço pago pelo pecado, mas simplesmente a correção de nosso erro em acreditar que a separação de Deus é real.

 

Por que a mensagem universal do Curso emprega o simbolismo cristão, usando palavras como "Cristo", "Espírito Santo", e "Salvação"?

 

Por uma razão ou outra, quase todo mundo tem problemas com a linguagem do Curso. Pessoas influenciadas por alguma ramificação do Cristianismo como os protestantes ou os católicos têm um tipo de problema. Judeus, ateus, e pessoas de religiões não-cristãs podem ter resistências com relação às palavras cristãs. E as pessoas, como eu, que tiveram momentos felizes no círculo evangélico, podem ter dificuldade de se livrar de algumas definições bíblicas que aceitaram por muitos anos.

 

Basicamente o Curso redefine todos os termos. Jesus fez praticamente a mesma coisa com os escritos religiosos de seu tempo. Os judeus pensavam que o "Reino de Deus" era um reino político, militar; e Jesus ensinou que o Reino de Deus está dentro de nós.

 

3. Que dizer?

 

1.  Não será necessário que nos detenhamos longamente sobre a incompatibilidade de UCEM com a doutrina cristã. A própria exposição feita pelo autor da apostila em foco enfatiza as diferenças radicais.

 

2.  Quanto à locução interior, pertence à categoria dos fenômenos místicos extraordinários, que exigem cautelosa avaliação. No caso da UCEM, é evidentemente falsa, pois Jesus não se pode contradizer como o imaginam.

 

3.  Por último, cabe uma interrogação: por que o aposto "em milagres" dado ao Curso.

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Pergunte e Responderemos - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
7 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL -  FACEBOOK 
-

:-)