Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 002 - junho/julho 1957

 

O PARTO SEM DOR E AS ESCRITURAS

 

A realização moderna do parto sem dor parece contradizer à condenação que a Sagrada Escritura profere sobre a mulher em conseqüência do pecado. Como julgar a moralidade dessa inovação da Medicina?

 

1. Os médicos, desde a época anterior a Cristo, têm-se esforçado por aliviar as dores, que acometem a mulher no parto. Os cristãos na antigüidade, movidos pelo mesmo intuito, além de empregar meios de higiene e medicina, recorriam também a orações a Maria Santíssima e a Santa Ana, aplicavam à parturiente relíquias ou objetos bentos (o "cinto da Virgem", o "Agnus Dei", etc.).

 

No século passado a Medicina se aperfeiçoou neste setor, utilizando anestésicos diversos. Aos 19 de janeiro de 1847, James Yung Simpson realizou em Edinburgo" (Escócia) o primeiro parto "indolor", anestesiando a paciente com éter. Aplicou também o clorofórmio; a primeira menina que nasceu durante narcose de clorofórmio foi chamada Anestesia.

 

Logo, porém, se fizeram ouvir contra o médico escocês pastores protestantes, julgando ilícito o procedimento, pois lhes parecia burlar a sentença de Gên 3,16: "Em medo hás de dar à luz os teus filhos". Simpson defendeu-se apelando para nova interpretação do termo hebraico etzev (dor), assim como para o exemplo do Criador que, conforme o modo de dizer do Gên, antes de extrair uma costela de Adão, enviou a este um sono profundo (cf. Gên 2,21). Por seu lado, as mulheres de Edinburgo apoiavam fortemente a Simpson, alegando que "os homens se deviam comprometer a só comer pão literalmente molhado com o suor de sua testa", caso não lhes quisessem conceder um alívio no parto.

 

As discussões foram reduzidas a silêncio quando a rainha Vitória da Inglaterra, estando para dar à luz o seu sétimo filho, o príncipe Leopoldo, pediu ao médico John Snow que a narcotizasse no parto. As razões citadas por Simpson foram; a seguir, tidas por autênticas; começou-se a falar da anestesia e do parto "à la reine".

 

Na Rússia semelhante discussão médico-religiosa se levantou em 1860, quando Klokvotsch aplicou a uma parturiente uma máscara de protóxido de azoto...

 

Não obstante, os médicos continuaram seus estudos. Em 1933 o sábio inglês Grantly Dick Read propôs novo método, que se servia prevalentemente de recursos psicofísicos: é o "parto sem medo". Read, afirmando ser o temor a principal causa da dor no parto, elaborou amplo programa de educação psíquica da gestante e de exercícios de relaxamento muscular. Depois da guerra de 1939-1945, os médicos russos, baseando-se nos trabalhos de Pavlov, propuseram, por sua vez, o "método psicoprofilático", o qual nos pontos essenciais coincide com o de Read; ambos visam abolir a dor pela educação psicoterápica; diferem um do outro, porém, pela ideologia ou Filosofia a que se prendem: o método inglês, mais antigo, está associado a uma concepção espiritualista da alma, ao passo que o método russo a uma psicologia materialista.

 

Logo depois que os russos apresentaram ao mundo seu processo psicoprofilático, os católicos se mostraram hesitantes sobre a liceidade do mesmo; havia quem duvidasse, fosse por causa da sentença do Gênesis, contra a qual a Medicina parecia insurgir-se, fosse por causa das teses atéias que a imprensa comunista divulgava junto com as conclusões dos médicos.

 

2. Em meio às dúvidas, o Santo Padre Pio XII houve por bem esclarecer os fiéis em duas famosas alocuções:

 

1) aos 29 de setembro de 1949, Sua Santidade, dirigindo-se aos médicos católicos reunidos em Roma no seu IV Congresso Internacional, exaltava os bons serviços prestados pelos médicos à humanidade, realçando entre outros o seguinte:

 

"Como ginecologista, o médico se esforça por diminuir as dores do parto, sem contudo pôr em perigo a saúde da mãe ou da criança, e sem se expor a mudar os sentimentos de ternura materna para com o recém-nascido".

 

Como se vê, o Santo Padre, aprovando as experiências de parto sem dor, impunha-lhes apenas duas restrições: a primeira é clara; exclui métodos que de certo modo constituam um atentado à vida humana. A segunda rejeita processos de hipnotização ou anestesia que possam diminuir o amor de mãe a filho: este amor pertence à dignidade humana; mutilá-Io ou diminuí-lo pela Medicina seria contrariar à natureza, a obra santa do Criador.

 

2) aos 8 de janeiro de 1956, o Santo Padre se pronunciou mais uma vez sobre o assunto, tendo em vista diretamente o método propagado pelos médicos russos. Dizia em síntese:

 

a)                                    Em si mesmo, o método psicoprofilático nada tem de reprovável sob o ponto de vista moral. A influência exercida para fazer desaparecer o medo infundado, a ajuda concedida para que a parturiente colabore com a natureza, tomando consciência mais profunda da grandeza da maternidade, são valores positivos, plenamente conformes com o plano do Criador. Se consegue-se eliminar a dor do parto, diminui-se ao mesmo tempo o perigo de se cometerem deturpações no uso dos direitos matrimoniais.

 

b)                                    Quanto à condenação proferida por Gên 3,16, considere-se que Deus, punindo os homens após o primeiro pecado, não os quis impedir de investigar e utilizar todas as riquezas da criação (cf. Gên 1,28), a fim de tornar mais suportável a vida neste mundo, menos penosos o trabalho e a enfermidade.

 

Em particular, pois, o Senhor, castigando Eva, não quis proibir às mulheres o uso de meios que tornem o parto mais fácil, como. ao punir Adão, não quis vedar aos varões o uso de máquinas que dispensem a muitos de suar nos campos. Gomo quer que seja, a maternidade, desde o primeiro instante da gestação até a última fase da educação da prole, sempre deu e dará muito que sofrer à mulher. Ora é este sofrimento, próprio e característico da mulher, que o Gênesis aponta a Eva como castigo do pecado; castigo, porém, que, após a Redenção por Cristo, vem a ser simultaneamente o meio de salvação e santificação da mulher desde que aceito em união com os sofrimentos do Redentor (cf. 1 Tim 2,15).

 

c)                                    O fato de se aprovar o método psicoprofilático dos médicos russos não implica aprovação da ideologia materialista desses estudiosos. Os russos materialistas podem ter feito uma bela descoberta científica em Medicina; os resultados por eles obtidos não dependem da filosofia soviética, pois o cientista inglês Read, dotado de outras idéias filosóficas, chegou a semelhantes conclusões. A aceitação do teorema de Pitágoras ou das observações do médico Hipócrates não significam aceitação da cultura geral pagã destes dois homens de ciência, como o reconhecimento das descobertas de Pasteur e das leis da hereditariedade de Mendel não acarreta profissão de Cristianismo. A veracidade das descobertas de laboratório ou de ciências empíricas é julgada por critérios diferentes dos da Filosofia.

 

Eis os pontos da alocução do Santo Padre que interessava realçar neste exame.

 

Não obstante a última advertência de Sua Santidade, um jornal comunista de França, "Les nouvelles de Bordeaux et du Sud-Ouest", aos 19 de janeiro de 1956, onze dias após a declaração do Pontífice, assim se referia ao método psicoprofilático:

 

"Esta descoberta liga-se a um conjunto moral e filosófico, à concepção soviética do homem e da vida... de maneira que a concepção e a técnica soviéticas da vida do homem explicam e justificam o parto sem dor. E o Papa aprova-as. Aprova o efeito. Poderá ele continuar a maldizer as causas? Sem as causas científicas, ideológicas e políticas, o efeito não poderia ser obtido".

 

Tais afirmações são reconhecidamente exageradas e tendenciosas.

 

3. Apesar da propaganda desenvolvida em torno do parto sem dor, não se pode dizer que este seja uma conquista definitiva da ciência. Um relatório apresentado pelo Dr. Rodrigues Lima à Primeira Conferência Brasileira sobre o Parto sem dor (São Paulo, 6 e 7 de julho de 1956) chegou à conclusão de que o método psicoprofilático suprime a dor em 25% apenas das parturientes; está longe, portanto, de ter eficácia absoluta e definitiva! De outro lado, não há argumento, nem empíricos nem filosóficos, que nos obriguem a admitir, como admitem não poucos discípulos da escola russa, que o parto é por si mesmo indolor, como qualquer outra das funções da natureza. A natureza, ocasionando o parto doloroso, não estaria em contradição consigo mesma; a dor associada ao parto tem seu significado positivo e valioso: concorre para salientar a importância do ato e obriga a que se tomem medidas necessárias protetoras da mãe e do filho. De resto, falso seria dizer que outrora a parturição era indolor, como hoje o é entre os selvagens e os animais; os documentos históricos e a experiência refutam tal tese. Não se pode negar, porém, que parte mais ou menos notável da dor provém de preconceitos, os quais podem ser removidos pela psicoterapia.

 

Bibliografia sobre o assunto:

S. S. o Papa Pio XII, segundo discurso acima citado, em tradução portuguesa na "Revista Eclesiástica Brasileira" XVI (1956) 225-233;

A. Pazzini, "II medico di fronte alla Morale". Brescia 1951, 77-86;

S. Navarro, "Problemas medico-moraIes". Madrid 1954, 437-454;

A. Wolf Netto, "Críticas ao Método psicoprofilático do Parto sem dor", na "Revista Eclesiástica Brasileira", vol. cit. «53-860.

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

 


Pergunte e Responderemos - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9827067)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?87.74
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns27.52
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação16.00
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo14.49
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.06
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.50
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.93
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?11.63
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.45
Vídeos  Testemunhos  4175 Professor de Harvard se converte10.86
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.66
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes9.94
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.96
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.67
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.38
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.20
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.01
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.82
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.60
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.48
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.87
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?6.66
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.49
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.46
Nós estamos substituindo a ética pela estética, mais preocupados com a nossa própria imagem do que com o bem de nosso irmão.
Padre Paulo Ricardo

Católicos Online