Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 002 - junho/julho 1957

 

O PARTO SEM DOR E AS ESCRITURAS

 

A realização moderna do parto sem dor parece contradizer à condenação que a Sagrada Escritura profere sobre a mulher em conseqüência do pecado. Como julgar a moralidade dessa inovação da Medicina?

 

1. Os médicos, desde a época anterior a Cristo, têm-se esforçado por aliviar as dores, que acometem a mulher no parto. Os cristãos na antigüidade, movidos pelo mesmo intuito, além de empregar meios de higiene e medicina, recorriam também a orações a Maria Santíssima e a Santa Ana, aplicavam à parturiente relíquias ou objetos bentos (o "cinto da Virgem", o "Agnus Dei", etc.).

 

No século passado a Medicina se aperfeiçoou neste setor, utilizando anestésicos diversos. Aos 19 de janeiro de 1847, James Yung Simpson realizou em Edinburgo" (Escócia) o primeiro parto "indolor", anestesiando a paciente com éter. Aplicou também o clorofórmio; a primeira menina que nasceu durante narcose de clorofórmio foi chamada Anestesia.

 

Logo, porém, se fizeram ouvir contra o médico escocês pastores protestantes, julgando ilícito o procedimento, pois lhes parecia burlar a sentença de Gên 3,16: "Em medo hás de dar à luz os teus filhos". Simpson defendeu-se apelando para nova interpretação do termo hebraico etzev (dor), assim como para o exemplo do Criador que, conforme o modo de dizer do Gên, antes de extrair uma costela de Adão, enviou a este um sono profundo (cf. Gên 2,21). Por seu lado, as mulheres de Edinburgo apoiavam fortemente a Simpson, alegando que "os homens se deviam comprometer a só comer pão literalmente molhado com o suor de sua testa", caso não lhes quisessem conceder um alívio no parto.

 

As discussões foram reduzidas a silêncio quando a rainha Vitória da Inglaterra, estando para dar à luz o seu sétimo filho, o príncipe Leopoldo, pediu ao médico John Snow que a narcotizasse no parto. As razões citadas por Simpson foram; a seguir, tidas por autênticas; começou-se a falar da anestesia e do parto "à la reine".

 

Na Rússia semelhante discussão médico-religiosa se levantou em 1860, quando Klokvotsch aplicou a uma parturiente uma máscara de protóxido de azoto...

 

Não obstante, os médicos continuaram seus estudos. Em 1933 o sábio inglês Grantly Dick Read propôs novo método, que se servia prevalentemente de recursos psicofísicos: é o "parto sem medo". Read, afirmando ser o temor a principal causa da dor no parto, elaborou amplo programa de educação psíquica da gestante e de exercícios de relaxamento muscular. Depois da guerra de 1939-1945, os médicos russos, baseando-se nos trabalhos de Pavlov, propuseram, por sua vez, o "método psicoprofilático", o qual nos pontos essenciais coincide com o de Read; ambos visam abolir a dor pela educação psicoterápica; diferem um do outro, porém, pela ideologia ou Filosofia a que se prendem: o método inglês, mais antigo, está associado a uma concepção espiritualista da alma, ao passo que o método russo a uma psicologia materialista.

 

Logo depois que os russos apresentaram ao mundo seu processo psicoprofilático, os católicos se mostraram hesitantes sobre a liceidade do mesmo; havia quem duvidasse, fosse por causa da sentença do Gênesis, contra a qual a Medicina parecia insurgir-se, fosse por causa das teses atéias que a imprensa comunista divulgava junto com as conclusões dos médicos.

 

2. Em meio às dúvidas, o Santo Padre Pio XII houve por bem esclarecer os fiéis em duas famosas alocuções:

 

1) aos 29 de setembro de 1949, Sua Santidade, dirigindo-se aos médicos católicos reunidos em Roma no seu IV Congresso Internacional, exaltava os bons serviços prestados pelos médicos à humanidade, realçando entre outros o seguinte:

 

"Como ginecologista, o médico se esforça por diminuir as dores do parto, sem contudo pôr em perigo a saúde da mãe ou da criança, e sem se expor a mudar os sentimentos de ternura materna para com o recém-nascido".

 

Como se vê, o Santo Padre, aprovando as experiências de parto sem dor, impunha-lhes apenas duas restrições: a primeira é clara; exclui métodos que de certo modo constituam um atentado à vida humana. A segunda rejeita processos de hipnotização ou anestesia que possam diminuir o amor de mãe a filho: este amor pertence à dignidade humana; mutilá-Io ou diminuí-lo pela Medicina seria contrariar à natureza, a obra santa do Criador.

 

2) aos 8 de janeiro de 1956, o Santo Padre se pronunciou mais uma vez sobre o assunto, tendo em vista diretamente o método propagado pelos médicos russos. Dizia em síntese:

 

a)                                    Em si mesmo, o método psicoprofilático nada tem de reprovável sob o ponto de vista moral. A influência exercida para fazer desaparecer o medo infundado, a ajuda concedida para que a parturiente colabore com a natureza, tomando consciência mais profunda da grandeza da maternidade, são valores positivos, plenamente conformes com o plano do Criador. Se consegue-se eliminar a dor do parto, diminui-se ao mesmo tempo o perigo de se cometerem deturpações no uso dos direitos matrimoniais.

 

b)                                    Quanto à condenação proferida por Gên 3,16, considere-se que Deus, punindo os homens após o primeiro pecado, não os quis impedir de investigar e utilizar todas as riquezas da criação (cf. Gên 1,28), a fim de tornar mais suportável a vida neste mundo, menos penosos o trabalho e a enfermidade.

 

Em particular, pois, o Senhor, castigando Eva, não quis proibir às mulheres o uso de meios que tornem o parto mais fácil, como. ao punir Adão, não quis vedar aos varões o uso de máquinas que dispensem a muitos de suar nos campos. Gomo quer que seja, a maternidade, desde o primeiro instante da gestação até a última fase da educação da prole, sempre deu e dará muito que sofrer à mulher. Ora é este sofrimento, próprio e característico da mulher, que o Gênesis aponta a Eva como castigo do pecado; castigo, porém, que, após a Redenção por Cristo, vem a ser simultaneamente o meio de salvação e santificação da mulher desde que aceito em união com os sofrimentos do Redentor (cf. 1 Tim 2,15).

 

c)                                    O fato de se aprovar o método psicoprofilático dos médicos russos não implica aprovação da ideologia materialista desses estudiosos. Os russos materialistas podem ter feito uma bela descoberta científica em Medicina; os resultados por eles obtidos não dependem da filosofia soviética, pois o cientista inglês Read, dotado de outras idéias filosóficas, chegou a semelhantes conclusões. A aceitação do teorema de Pitágoras ou das observações do médico Hipócrates não significam aceitação da cultura geral pagã destes dois homens de ciência, como o reconhecimento das descobertas de Pasteur e das leis da hereditariedade de Mendel não acarreta profissão de Cristianismo. A veracidade das descobertas de laboratório ou de ciências empíricas é julgada por critérios diferentes dos da Filosofia.

 

Eis os pontos da alocução do Santo Padre que interessava realçar neste exame.

 

Não obstante a última advertência de Sua Santidade, um jornal comunista de França, "Les nouvelles de Bordeaux et du Sud-Ouest", aos 19 de janeiro de 1956, onze dias após a declaração do Pontífice, assim se referia ao método psicoprofilático:

 

"Esta descoberta liga-se a um conjunto moral e filosófico, à concepção soviética do homem e da vida... de maneira que a concepção e a técnica soviéticas da vida do homem explicam e justificam o parto sem dor. E o Papa aprova-as. Aprova o efeito. Poderá ele continuar a maldizer as causas? Sem as causas científicas, ideológicas e políticas, o efeito não poderia ser obtido".

 

Tais afirmações são reconhecidamente exageradas e tendenciosas.

 

3. Apesar da propaganda desenvolvida em torno do parto sem dor, não se pode dizer que este seja uma conquista definitiva da ciência. Um relatório apresentado pelo Dr. Rodrigues Lima à Primeira Conferência Brasileira sobre o Parto sem dor (São Paulo, 6 e 7 de julho de 1956) chegou à conclusão de que o método psicoprofilático suprime a dor em 25% apenas das parturientes; está longe, portanto, de ter eficácia absoluta e definitiva! De outro lado, não há argumento, nem empíricos nem filosóficos, que nos obriguem a admitir, como admitem não poucos discípulos da escola russa, que o parto é por si mesmo indolor, como qualquer outra das funções da natureza. A natureza, ocasionando o parto doloroso, não estaria em contradição consigo mesma; a dor associada ao parto tem seu significado positivo e valioso: concorre para salientar a importância do ato e obriga a que se tomem medidas necessárias protetoras da mãe e do filho. De resto, falso seria dizer que outrora a parturição era indolor, como hoje o é entre os selvagens e os animais; os documentos históricos e a experiência refutam tal tese. Não se pode negar, porém, que parte mais ou menos notável da dor provém de preconceitos, os quais podem ser removidos pela psicoterapia.

 

Bibliografia sobre o assunto:

S. S. o Papa Pio XII, segundo discurso acima citado, em tradução portuguesa na "Revista Eclesiástica Brasileira" XVI (1956) 225-233;

A. Pazzini, "II medico di fronte alla Morale". Brescia 1951, 77-86;

S. Navarro, "Problemas medico-moraIes". Madrid 1954, 437-454;

A. Wolf Netto, "Críticas ao Método psicoprofilático do Parto sem dor", na "Revista Eclesiástica Brasileira", vol. cit. «53-860.

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

 


Pergunte e Responderemos - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9582586)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?81.55
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns24.93
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.67
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.99
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo13.97
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.39
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.20
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.31
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?11.16
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.78
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes9.44
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.70
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.25
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.97
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.84
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.82
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.76
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.59
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.49
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.90
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.54
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.48
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.44
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?6.29
Onde não há virtudes naturais a graça não pode operar.
Carlos Ramalhete

Católicos Online