Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 522 – dezembro 2005

Em defesa da vida:

 

A DEFESA DO NASCITURO É QUESTÃO RELIGIOSA APENAS?

 

A Dra. Cláudia Löw, jurista de Porto Alegre, escreveu o seguinte artigo, em que mostra ser o combate ao aborto uma questão de direito natural, não necessariamente ligada à Religião.

 

"O Editorial da Folha de São Paulo do dia 31 de julho próximo passado abordou questão que não é nova, mas que vem ensejando acirrados debates nos diversos setores da sociedade. Mais precisamente, tratou da elaboração, por uma comissão tripartite, de um anteprojeto de lei que visa a ampliar o rol de excludentes de criminalidade já existentes no Código Penal Brasileiro acerca do aborto. Em outras palavras, objetiva descriminalizar o aborto realizado até a 12a semana de gestação e ainda aumentar o prazo para a interrupção da gravidez nos dois casos permitidos por lei (estupro e risco de vida para a gestante). Tal intento encontra, porém, óbices de ordem constitucional e legal, como se verá a seguir:

 

O Código Penal Brasileiro não faz distinção entre o óvulo fecundado, o embrião ou o feto: interrompida a gravidez antes do termo normal, há o crime de aborto.

 

Também o novo Código Civil, em seu art. 2°, estabelece que a personalidade civil da pessoa começa com o nascimento com vida, mas a lei põe à salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro. É claro que o feto não tem os mesmos direitos do já nascido. O menor também não os tem, com relação ao maior de idade; mas daí a negar-lhe o direito à vida é outra questão.

 

No plano Constitucional, o art. 5o, "caput" garante a inviolabilidade do direito à vida, que é o mais fundamental de todos por ser a conditio sine qua non para o exercício dos demais direitos. No dizer de José Afonso da Silva, "é a fonte primária de todos os outros direitos" (in Curso de Direito Constitucional Positivo, Ed. Malheiros, 19a ed.). Para a Constituição Federal Brasileira, o conceito de dignidade humana vai além da idéia de integridade física, psíquica e moral do ser humano; ela é considerada como "fundamento da República".

 

Ainda, o Brasil é signatário da Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), de 22 de novembro de 1969, o qual assegura, em seu art. 4o, o direito à vida desde o momento da concepção.

 

Como é de ver, o nascituro, que já possui capacidade jurídica, é também revestido da dignidade humana, com a proteção do sistema jurídico constitucional e legal que lhe assegura os mesmos direitos fundamentais da mãe. Dentro de uma linguagem jurídica se pode dizer que a concepção é o suporte fático para o fato jurídico que se seguirá, qual seja a aquisição da personalidade jurídica através do nascimento com vida.

 

Nelson Hungria escreve: "Na época atual generalizou-se, entre os povos civilizados, a incriminação do aborto provocado, seja qual for a fase de gestação, não tendo passado de efêmera e deplorável experiência, em alguns países, da legislação permissiva de tal prática" (comentários ao Código Penal, ed. Forense, 2a ed. vol V, pág. 262).

 

A defesa do nascituro não é uma questão religiosa, mas sim de direitos humanos. A afirmação de que a vida começa na concepção não é dogma religioso, é algo que a esmagadora maioria dos manuais de embriologia e genética dão como questão indiscutível.

 

Citado pelo Ministro Néri da Silveira, no Parecer lançado na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n° 54, proposta perante o Supremo Tribunal Federal, Diego León Rábago, In "La Bioética para el Derecho", explica demonstrar a genética suficientemente que, desde o momento em que surge à vida o zigoto, já há um ser humano, iniciando-se o processo contínuo do desenvolvimento, convertendo-se o zigoto em preembrião, em embrião, em feto, em criança, em jovem, em adulto e em velho, existindo uma identidade absoluta entre todas as etapas, pois trata-se do mesmo ser que passa por diversos estágios do desenvolvimento. Também Keith L. Moorre, define o zigoto como a célula resultante da fecundação de um óvulo pelo espermatozóide e acrescenta que um zigoto é "o começo de um novo ser humano". Ainda, a geneticista Eliane S. Azevedo, in "A bioética no século XX" refere que existe identidade genética absoluta em todas as células somáticas do organismo humano e entre estas e a célula somática inicial, o zigoto. Acrescenta que, não obstante a grande freqüência de multiplicação celular experimentada por nosso organismo desde o estágio unicelular pós-fertilização até a morte por extrema idade, o DNA de todas as células permanece o mesmo. Conclui-se, portanto, que a vida é algo dinâmico que se transforma incessantemente sem, contudo, perder sua identidade.

 

Em 1940, quando editado o Código Penal Brasileiro, não havia o conhecimento de embriologia que existe hoje. Por isso, para acompanhar o progresso, os casos de legalização do aborto deveriam ser restringidos, e não ampliados.

 

Existem os que sustentam que somente passaria a existir vida no ventre materno no momento em que o cérebro do feto começasse a emitir ondas cerebrais; esta linha de argumentação parte do pressuposto de que a vida termina quando se encerra a atividade elétrica cerebral. Tal raciocínio não se sustenta, pois o embrião possui capacidade e auto-suficiência para fazer iniciar, em dado momento, a atividade cerebral, o que é impossível em um organismo sem vida, posto que não pode tornar a viver por suas próprias forças.

 

Vale ressaltar que a Moral, ao contrário do que muitos pensam, não foi inventada pelo cristianismo. Existe uma percepção comum sobre os princípios fundamentais, que coincide mesmo nas culturas mais distantes... é uma idéia quase instintiva do que é o bem para o ser humano. Assim, há que se ter cautela antes de se falar, como no Editorial em questão, em "defasadas disposições do Código Penal", pois o que varia com o tempo são o contexto onde se aplicam os princípios e a sensibilidade coletiva frente a alguns valores, os quais nunca desaparecem de todo. Hoje, por exemplo, já não se considera como um delito a sedução, mas a pedofilia continua sendo um crime; os tempos mudaram, mas o princípio é o mesmo: aproveitar-se da inocência do mais fraco.

 

Outra questão importante a ser considerada é o fato de que a maioria das mulheres aborta porque estão sendo forçadas a isso pelos homens. Legalizar o aborto é legitimar uma das piores formas de opressão da mulher. Não é por acaso que as primeiras feministas eram contra o aborto! Ainda, está comprovado que o aborto provocado, mesmo feito em clínicas especializadas, faz crescer a taxa de infertilidade e outras complicações na mulher, como por exemplo, a "síndrome pós-aborto" que onera o sistema de saúde com a necessidade de tratamentos psicológicos.

 

Por oportuno, finalizo citando trecho do mencionado Parecer, cujo tema versa sobre aborto de anencefálico, onde o Ministro Néri da Silveira, ao concluir, refere, com singular propriedade, o seguinte:"... Revestida a gestante do valor constitucional que se confere à maternidade, cumpre vê-la mais respeitada e admirada por seus concidadãos, porque soube amar até o fim e é somente pelo amor que se constrói e o ser humano pode realizar sua perfeição e felicidade, e nunca pelos simples sentimentos de prazer, bem-estar, comodismo ou indiferença à vida dos outros, a começar pela dos mais próximos a nós, que são os filhos. A maternidade, como valor também protegido constitucionalmente, enobrece a gestante; não a priva da liberdade, nem da invocada "autonomia da vontade", ambas exercitáveis sempre com respeito ao direito e dignidade dos demais, como é próprio da ordem democrática e do regime das liberdades".

 

 

Dra. Cláudia Löw


Pergunte e Responderemos - Bíblia Online Católica
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
9 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 10705421)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?83.45
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns30.73
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação16.06
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo14.69
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.48
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.26
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino13.14
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?12.19
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.69
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes11.22
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.15
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria9.20
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.87
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.71
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra8.30
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.27
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.19
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?7.88
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.80
Diversos  Santos e Místicos  3587 Poesia de Santa Teresinha7.31
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.27
Diversos  Mundo Atual  3795 O que há de vir?7.26
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.75
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.45
Aquelas bem-aventuradas virgens, que se consagraram a Jesus Cristo, podem estar certas de que não encontrarão, nem no céu nem na terra, um esposo tão belo, tão nobre, tão rico, tão amável como Aquele que lhes foi dado, Jesus Cristo.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online