Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 402/Novembro 1995

Livros em Destaque

 

Novidade:

"A RELIGIÃO DE JESUS, O JUDEU" por Geza Vermes

 

Em síntese: O livro de Geza Vermes tenta provar que Jesus não fundou o Cristianismo: terá sido um judeu fiel à Lei de Moisés, que esperava para breve a irrupção do Reino de Deus. Os escritos de São João e São Paulo,, que apresentam elevada Cristologia, não seriam dignos de crédito; mais fidedignos seriam os três Evangelhos Sinóticos, embora interpolados por sentenças do Cristianismo.

 

A propósito vão registrados os critérios que defendem a credibilidade tanto dos Evangelhos como das cartas paulinas. De modo especial São João se distingue como o mais preciso dos evangelistas em matéria de topografia e cronologia, apesar de suas profundas reflexões cristológicas. Quanto a São Paulo e aos demais judeus, deve-se notar que não estavam predispostos a admitir Deus feito homem, e homem pregado à Cruz para salvar a humanidade; o próprio Paulo afirma que tal proposição é escandalosa para um judeu, e desvairada para um grego (cf. 1Cor 1,23); se, apesar de tudo, São Paulo e os cristãos oriundos do judaísmo passaram a professar tais artigos de fé, só o fizeram movidos pela evidência dos fatos e argumentos respectivos. Quanto aos Sinóticos, não deixam de apresentar passagens que professam a Divindade de Jesus e que, corroboradas pelos sinais ou milagres do Senhor, constituíram a base da fé cristã em Jesus Deus e Homem. Em suma, o livro de Geza Vermes é arbitrário; parte de uma tese predefinida, a partir da qual o autor relê os Evangelhos de maneira unilateral.

* * *

 

O Prof. Geza Vermes pertence ao corpo docente da Universidade de Oxford (Inglaterra), onde leciona Estudos Judaicos; é também membro da Academia Britânica. Na qualidade de judeu, apresenta Jesus como um judeu fiel à Lei de Moisés, embora tivesse suas concepções escatológicas (relativas à irrupção do Reino de Deus) pessoais. O Cristianismo seria algo alheio às intenções de Jesus, devido à obra de São João e São Paulo. É o que o autor procura demonstrar no seu livro "A Religião de Jesus, o Judeu", Ed. Imago, Rio de Janeiro 1995.

A seguir, examinaremos mais atentamente a tese do autor e lhe teceremos alguns comentários.

 

 

1. A TESE DO AUTOR

 

 

1.  Geza Vermes sintetiza seu pensamento em mais de uma passagem do seu livro, como se pode perceber:

"Esta é, pois, da maneira mais resumida, a religião de Jesus, o judeu:

 

Um poderoso 'médico' de doentes físicos e mentais, amigo dos pecadores, ele era um pregador de grande magnetismo sobre o que se esconde no coração da Torá, incondicionalmente engajado na salvação, não de comunidades mas de pessoas necessitadas.

 

Ele também tinha consciência da aproximação do fim dos tempos e, em momento conhecido apenas por Deus, da iminente intervenção do Pai nosso que está no céu e que logo deveria ser revelado o temível e justo Juiz, Senhor dos Mundos" (pp.188).

 

"A religião de Jesus é autenticamente judaica. Mas mesmo assim, sua própria espécie de judaísmo demonstra traços específicos parcialmente atribuíveis ao espírito escatológico-apocalíptico que permeava a idade na qual ele viveu e, em parte, no nível subjetivo, à sua própria maneira de pensar" (p.169).

 

"Se Jesus realmente acreditava que o Reino de Deus estava próximo - e toda a evidência disponível aponta que ele assumiu todos os riscos a este respeito - sua convicção de que restava muito pouco tempo para que as pessoas alterassem seu rumo e se dedicassem sem reservas a 'buscar o Reino', permeava todos os seus atos e definía a natureza específica da devoção que procurava inculcar. Diferentemente da visão religiosa que considera o futuro garantido e a vida num contexto grupal solidamente estabelecido, o ardor escatológico exige uma completa ruptura com o passado, concentrando-se exclusivamente no momento presente e agindo não em perspectiva comunitária, mas pessoal" (p.175).

 

2.  Firmes estes princípios, Geza Vermes procura mostrar, no decorrer do seu livro, que Jesus foi fiel à Lei e às tradições judaicas, sem pretender opor-se a elas, ao contrário do Jesus dos Evangelhos Sinóticos (Mt, Mc e Lc); embora os julgue deteriorados pelo Cristianismo(1), acredita que contêm episódios fidedignos em maior escala do que o Evangelho de João e as cartas paulinas (cf. p.83, nota 9):

 

"A representação geral de Jesus que emerge dos Evangelhos Sinóticos é a de um judeu que observa as principais práticas religiosas de sua nação... Importante é a impressão geral transmitida pelos narradores, principalmente porque confuta com a antipatia da igreja paulina por todas as formas de judaização'" (p.21).

 

(1) O autor se mostra muito cético em relação dos próprios Sinóticos ao aceitar (a quanto parece) a posição de Bultmann, segundo a qual são "muito poucos" os casos em que se pode atribuir a Jesus alguma sentença com alguma medida de certeza" (p. 83, nota 9).

 

Como se vê, o autor contrapõe os Sinóticos e Paulo; este terá apresentado um Jesus antijudaico, ao contrário dos Sinóticos, tidos como mais fiéis à realidade histórica.

 

Em particular, notem-se os seguintes tópicos:

 

-   em Mt 5, 21-48, onde se lêem seis antíteses: "Ouvistes o que foi dito aos antigos... Eu, porém, vos digo...", o autor julga que "de modo nenhum podem ser identificados como um ataque frontal de Jesus à Lei de Moisés ou ao judaísmo tradicional" (p.42);

-   Jesus não foi contrário ao divórcio (cf. Mt 19,3), lê-se à p. 39;

-   Jesus não declarou puros todos os alimentos; cf. p. 31 e Mc 7,19;

 

-   "a suposta menção de Jesus, na última ceia, de não tornar a beber vinho até sua chegada 'ao Reino de Deus' (Mc 14, 25; Lc 22,16) provoca ... a sensação de uma 'lenda de culto' sem base histórica" (p. 131);

-   às pp. 131 s G. Vermes fala do "costumeiro exagero de Jesus em retratar seu próprio sucesso".

 

3. O que Jesus tinha de próprio, era a expectativa da irrupção do Reino de Deus para breve. Compartilhava assim as teses escatológicas de muitos contemporâneos seus. Por isto a pregação de Jesus era incisiva e calorosa. Todavia Jesus se enganou:

 

"O Reino de Deus que Jesus firmemente acreditava 'estar próximo', não se concretizou em seu curto espaço de vida. Ele não se encontrava à frente de seus adeptos para prestar homenagens ao Rei dos Reis e ser acolhido por ele. Morreu, ao invés, numa cruz romana, em agonia, traído por todos os seus discípulos pusilânimes, desassistído a não ser - como é relatado - por algumas poucas mulheres e escarnecido por circunstantes cruéis e estúpidos...

 

Sem presumir saber o que se passava na mente agonizante de Jesus, não pode ser muito errado imaginar que, mesmo a caminho do Gólgota, mesmo na cruz, sua emuná (fidelidade) permaneceu firme até o terrível momento em que percebeu que Deus o tinha abandonado e gemeu: 'Eloi, Eloi, lama sabachtani'?, o que significa: 'Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?' (Mc 15, 34). - Com este grito de desespero, vindo do coração partido de um homem de fé, ele 'exalou o último suspiro' (Mc 15. 37)" (p.189).

 

Todavia a imagem de Jesus não morreu na mente dos discípulos. Estes o ressuscitaram não corporalmente, mas em sua pregação, fazendo de Jesus o Cristo, ou seja, do judeu fiel a Moisés o Cristo (Messias), fundador de uma religião impregnada de helenismo, que, segundo São Paulo, rompeu seu vínculo com a Lei de Moisés:

 

"Apesar do pesado golpe nos seus seguidores por sua execução, os discípulos logo se convenceram de que Jesus não tinha morrido, mas continuava a viver, já que, em seu nome, conseguiam sucesso como operadores de curas, exorcistas e pregadores. Esperando seu iminente retorno na glória, pois sua mensagem escatológica permanecia viva, e assistidos, antes de serem encobertos pelo gênio estrangeiro de Paulo de Tarso, eles continuaram entusiasticamente o que acreditavam ser a própria missão de Jesus, pregando o Evangelho como se fosse o de Jesus e fundando a religião que veio a ser conhecida como o cristianismo" (p. 189).

 

Ou ainda:

 

"Incapazes de considerar Jesus em nenhum outro contexto a não ser no do esperado Messias, a primeira geração dos cristãos reinterpretou a noção do redentor de Israel, o Ungido de Deus, à luz da vida de Jesus, um Cristo crucificado e ressurrecto que, após uma curta e esotérica existência de pós-ressurreição sobre a terra, ascendeu a seu trono celestial" (p.193).

4. Em conseqüência, os ensinamentos do judeu Jesus terão sido reinterpretados para atender aos horizontes novos que se descortinavam aos olhos dos cristãos:

a)  a pregação de que estava iminente a irrupção do Reino de Deus neste mundo foi-se tornando sempre mais vaga, de modo que hoje ainda ocorre, mas sem previsão de data: os cristãos esperam "a nova vinda de Cristo na glória" (p.194);

b) "A religião puramente teocêntrica de Jesus tornou-se uma fé cristocêntrica, na qual o Pai Celeste não tem mais, praticamente, nenhum papel" (p.194). A morte redentora de Cristo é instância mediadora obrigatória para que os homens cheguem ao Pai, libertos do pecado que resultou da queda do primeiro homem no Éden (p.194);

c)  A Torá judaica foi posta de lado como "instrumento de morte", principalmente por efeito da pregação de São Paulo: será exagerado sugerir que oceanos separam o Evangelho Cristão de Paulo da religião de Jesus, o judeu?" (p.194s);

d) Conseqüentemente, foi surgindo, entre os cristãos, um sentimento de rejeição ao judaísmo. São Paulo ainda terá sido moderado neste sentido, pois, "apesar de duros comentários polêmicos contra o judaísmo," esperava a conversão dos judeus a Cristo (cf. Rm 11,26). São João, porém, terá sido muito mais radical, julgando os judeus "filhos do demônio" (Jo 8,44); daí terá tido origem o anti-semitismo "tanto moderno quanto medieval, que direta ou indiretamente conduz ao holocausto" (p.195).

 

Em conseqüência afirma Geza Vermes:

 

"Embora não totalmente desconectados, a religião de Jesus e o cristianismo são tão basicamente diferentes em forma, propósito e orientação que seria historicamente pouco seguro fazer derivar o último diretamente do primeiro e atribuir as mudanças a uma evolução doutrinal direta" (p.196).

 

Para G. Vermes, o problema hoje se coloca nestes termos: o cristianismo paulino-joanístico precisa de se defrontar não tanto com o ateísmo ou o materialismo, mas, sim, muito mais, com as três antigas testemunhas Mateus, Marcos e Lucas, através dos quais fala o principal desafiante, Jesus, o judeu" (p.197).

Pergunta-se agora:

 

2. QUE DIZER?

 

Vêm a propósito quatro observações: 2.1. A criteriologia do autor

Quem percorre a obra de Geza Vermes, verifica que o autor conhece profundamente os escritos rabínicos, que ele cita frequentemente para recolocar Jesus em seu contexto histórico. Sob este aspecto, a leitura do livro de G. Vermes é assaz interessante e instrutiva. Não se pode negar, porém, que o autor é movido por forte preconceito; ele tem uma tese predefinida (Jesus não fundou o Cristianismo), em função da qual ele lê os Evangelhos. Isto o leva a negar a autenticidade dos escritos de São João e São Paulo, como vimos; quanto aos Sinóticos, Vermes os crê mais fidedignos, embora também interpolados por glosas cristãs numa ou noutra passagem. Estas afirmações são arbitrárias, como se depreenderá do que vai exposto a seguir.

 

2.2. A historicidade do Quarto Evangelho

 

O quarto Evangelho é, de todos, o mais teológico ou o que mais põe em relevo a dignidade única ou a Divindade de Jesus Cristo; os sermões de Jesus, nesse Evangelho, recorrem a um vocabulário diferente do dos Sinóticos; daí concluírem alguns estudiosos que quem está falando não é Jesus, mas o autor mesmo do Quarto Evangelho, tido como filósofo helenista e não como o Apóstolo São João. Ora a propósito da historicidade e credibilidade do quarto Evangelho podem ser feitas as seguintes ponderações, que evidenciam a gratuidade da recusa da autoria joanéia;

1) Em Jo 21, 24 se lê: "Este (aquele que Jesus amava) é o discípulo que dá testemunho de tais fatos e os escreveu e sabemos que o seu testemunho é verídico". Desde os séculos II e III a tradição se manifestou com firmeza sobre a identidade do discípulo que Jesus amava: S. Ireneu, Polícrates de Éfeso, Clemente de Alexandria, o Cânon de Muratori atribuem o quarto Evangelho ao apóstolo São João, tido como o discípulo que Jesus amava. Raros foram os contraditores desta tese, podendo-se citar, entre os poucos, o presbítero Caio (início do século III), que julgava haver contradição entre o quarto Evangelho e os Sinóticos.

2)  O quarto Evangelho data do fim do século I, como geralmente se reconhece. Ora desde 70 Jerusalém se encontrava destruída, em poder dos romanos; os judeus haviam sido expulsos da sua terra; a vida do povo de Israel, com seus costumes, seus personagens típicos, seus partidos políticos e religiosos havia cessado... Não obstante, verifica-se que o quarto Evangelho é muito preciso - muito mais preciso do que os Sinóticos - quando se trata de topografia (itinerários e cidades, com seus nomes exatos) e cronologia (indicação de dias, horas e festas) ([1]). Tais indicações foram comprovadas como autênticas pelas escavações arqueológicas feitas nos dois últimos séculos. O autor do quarto Evangelho não terá inventado tais elementos historiográficos, mas exprime uma tradição anterior, que retrocede até os próprios fatos ou o próprio Jesus mediante uma testemunha direta. De resto, os vocábulos testemunho e testemunha (martyrion e martyréo) são muito freqüentes no quarto Evangelho ([2]), dando a entender que os relatos se reduzem, em última análise, a alguém que viu e ouviu e guardou viva a lembrança dos fatos ocorridos em ambiente palestinense.

3)  Observa-se, aliás, que o autor do quarto Evangelho, em mais de uma ocasião, faz questão de dizer enfaticamente que ele viu o que narra e o transmite com fidelidade . É o que se depreende logo no prólogo da obra, onde se lê: "O Verbo se fez carne... E vimos a sua glória" (Jo 1,14). No final, ao narrar a transfixão do lado de Jesus crucificado, afirma com muito empenho: "Aquele que viu, dá testemunho e o seu testemunho é verdadeiro, e ele sabe que diz a verdade, para que também vós creais, pois isso aconteceu para que se cumprisse a Escritura..." (Jo 19,35s).

 

Afirmações paralelas se encontram no prólogo da primeira carta de João, que se pode considerar como obra do autor mesmo do quarto Evangelho: "O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com nossos olhos, o que contemplamos, e o que nossas mãos apalparam do Verbo da Vida - porque a Vida se manifestou; nós a vimos e lhe damos testemunho, e vos anunciamos esta Vida eterna, que estava voltada para o Pai e nos apareceu - o que vimos e ouvimos, nós vo-lo anunciamos" (Jo 1,1-3).

4)  É de notar outrossim que o quarto Evangelho, embora cite os nomes dos Apóstolos, mais freqüentemente do que os Sinóticos, jamais se refere a João, filho de Zebedeu e irmão de Tiago. Este silêncio se torna misterioso e incompreensível, caso não se identifique "o discípulo que Jesus amava" com o Apóstolo João. Não se exclui, de resto, que os discípulos do evangelista tenham posto o remate ao relato do Mestre; é o que se depreende da cláusula final do livro em Jo 21,24: "Este é o discípulo que dá testemunho".

5)  Os discursos atribuídos a Jesus no quarto Evangelho têm causado embaraço aos estudiosos, pois se tem a impressão de que o autor do Evangelho coloca nos lábios de Jesus o seu modo de falar pessoal. -Este fato não obriga a dizer que se trata de discursos fictícios, construídos pelo autor do Evangelho. Com efeito; considere-se que há dois tipos de memória: a memória mecânica, que é a do gravador (muito exata, mas muito fria e objetiva) e a memória vivencial. Esta última é a recordação do passado por parte de quem tomou parte nesse passado e se sente interpelado por ele. À guisa de exemplo, podemos citar o seguinte fato: um noticiário de rádio anuncia que N.N. faleceu em desastre de aviação; quem ouve a notícia, pode ficar-lhe indiferente, por não conhecer o falecido; mas pode também ir procurar o seu irmão para dizer-lhe: "Nosso grande amigo faleceu em desastre de aviação"; N.N. (designação fria) é substituído por "nosso grande amigo" (designação vivencial e calorosa). No primeiro caso, tem-se a memória mecânica, impessoal, objetiva. No segundo caso, a mesma notícia é formulada com outra roupagem, ou seja, em termos vivenciais, da parte de quem está intimamente interessado no acontecimento. As palavras mudam para dar tonalidade mais viva à notícia, mas esta fica sendo a mesma em ambos os casos.

 

Estes dados permitem afirmar a historicidade e a credibilidade do quarto Evangelho. É de redação mais tardia que os Sinóticos. Supõe uma reflexão aprofundada sobre a mensagem de Jesus; a vivência de alguns decênios terá proporcionado a João e à sua escola uma experiência íntima do ser cristão. Daí o cunho teológico do quarto Evangelho, que paradoxalmente é também o Evangelho mais voltado para as minúcias topográficas e cronológicas; este fato bem mostra que, nas suas meditações teológicas, o evangelista não se distanciou da realidade histórica, mas, ao contrário, quis guardar contato constante com as fontes do Cristianismo ou com Jesus e os feitos de sua vida pública. Em conseqüência, não há por que não tomar o quarto Evangelho como documento fidedigno, que vem ilustrar as origens do Cristianismo.

 

2.3. A Fidelidade de São Paulo a Cristo

 

As epístolas de São Paulo chamam a atenção pela elevada teologia que elas desenvolvem, apresentando Jesus como Cabeça da Igreja (cf. 1Cor 12, 12-27) ou Aquele que pelo sangue da sua Cruz reconcilia com o Pai e entre si todas as criaturas da terra e dos céus (cf. Cl 1, 20).

 

Surpresos por tão profundas reflexões teológicas, há autores, como G. Vermes, que supõem tenha São Paulo recorrido a conceitos do pensamento grego, alheios a Jesus, para escrever suas epístolas. - Respondemos: São Paulo começou a redigir em 51/52 e terminou em 67; por conseguinte, o seu epistolario está muito próximo dos anos de vida pública de Jesus (27-30 provavelmente); em tão breve intervalo não se terão infiltrado no pensamento paulino, formado nas escolas do judaísmo, noções pagãs, avessas à genuína fé de Israel. São Paulo quis guardar fidelidade ao seu povo, consciente de que não estava traindo as suas tradições religiosas e nacionais, mas, ao contrário, as levava à plenitude; cf. Rm 9, 1-5.

 

Ademais pode-se dizer: São Paulo, como aliás todos os judeus, devia nutrir uma aversão natural à concepção de um Deus feito homem..., e, como homem, pregado à Cruz para salvar a humanidade. Com efeito; o judaísmo, nos últimos séculos antes de Cristo, professava enfaticamente a transcendência de Deus; nem sequer pronunciava o santo nome Javé por receio de o profanar; em conseqüência não passava pela mente de um israelita a idéia de um Deus feito homem e morto na Cruz...; São Paulo mesmo observa que tal concepção é escandalosa para os judeus, como é louca para os gregos (cf. 1Cor 1, 23). Donde se conclui que o Apóstolo só a pôde professar porque se lhe impôs com evidência, não porque a tenha ido procurar, por iniciativa própria, em fontes helenistas. De resto, é notória a resistência dos próprios Apóstolos a crer na Ressurreição de Jesus; a prisão e a morte do Mestre os desconsertaram, de modo que fugiram e dificilmente se renderam à evidência da Ressurreição; tenha-se em vista especialmente o caso de Tomé em Jo 20, 19-29.

 

2.4. A Tradição Sinótica (Mt, Mc, Lc)

Os Evangelhos Sinóticos são menos dados à reflexão teológica do que São João e São Paulo. Por isto Vermes os aceita com mais facilidade, embora os julgue também interpolados por tradições cristãs.

-   Não há dúvida, os Sinóticos são mais sóbrios em teologia. Mas pode-se afirmar que são perpassados pela consciência da Divindade de Jesus. Assim em Mt 11, 27; Lc 10, 22s Jesus afirma: "Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho senão o Pai, e ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar". Este texto afirma a paridade de Jesus com Deus Pai; Ele é tão santo e perfeito que somente o Pai o conhece adequadamente e vice-versa;

-   em Mt 16,16 Pedro confessa: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo", confissão de fé que Jesus confirma como tendo sido inspirada pelo próprio Pai Celeste;

-   em Mt 14, 33 algo de semelhante ocorre: "Os Apóstolos que estavam no barco, prostraram-se diante dele, dizendo: 'Verdadeiramente tu és o Filho de Deus!'";

-   em Mt 22, 41-46; Mc 12, 35-37; Lc 20, 41- 44 Jesus mostra ser o Senhor de Davi, e não apenas o Filho de Davi: Senhor como Deus, Filho como homem;

-   em Mt 26, 63s o Sumo Sacerdote conjurou Jesus a responder à pergunta: "És o Cristo, o Filho de Deus?". Ao que Jesus respondeu afirmativamente: "Tu o disseste. Aliás, eu vos digo que, de ora em diante, vereis o Filho do Homem sentado à direita do Poderoso e vindo sobre as nuvens do céu". A afirmação de Jesus foi entendida como blasfêmia ou como usurpação de um título divino e como causa de morte para o Senhor;

-   em Mc 2, 28 Jesus se diz "Senhor do sábado", ou seja, "Senhor do dia do Senhor (Javé)". Assim Ele é o próprio Senhor a quem se consagra um dia por semana;

-   em Mc 1,1 lê-se: "Princípio do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus". Certos manuscritos antigos omitem Filho de Deus; todavia a maioria deles abona esta declaração de fé do Evangelista.

Em suma, há continuidade entre o Jesus do quarto Evangelho e o Jesus dos Sinóticos. A elaboração teológica que naquele se encontra, está na linha do testemunho dos Sinóticos.

Geza Vermes refere-se aos textos de Mateus aqui citados, procurando reduzi-los a expressões usuais no Antigo Testamento; tenta assim esvaziá-los do seu conteúdo teológico em prol da Divindade de Jesus. Observamos, porém, que os dizeres de Jesus não teriam produzido o efeito que produziram se não tivessem tido a capacidade de impressionar os discípulos de maneira nova ou inédita; além do quê foram corroborados por sinais ou milagres, cuja realidade histórica é reconhecida pela crítica objetiva e serena. Ver E. Bettencourt, "Os Milagres de Jesus: História ou Mito?", Ed. Escola "Mater Ecclesiae", Caixa postal 1362, 20001-970 Rio (RJ).

Aliás, os críticos cristãos estipularam critérios para se reconhecer a autenticidade de sentenças e feitos atribuídos a Jesus nos Evangelhos, critérios de cuja aplicação resulta um balanço positivo em favor da autenticidade historiográfica desses livros sagrados. - A origem e a credibilidade dos Evangelhos têm sido frequentemente estudadas em PR; Ver:

PR 376/1993, pp. 406-420 (comentário do livro de John P. Meier: Um Judeu Marginal. Repensando o Jesus Histórico, Ed. Imago, Rio de Janeiro 1992).

PR 318/1988, pp. 489-501;

PR 281/1985, pp. 284-299.

Ver outrossim F. Lambiasi, Autenticidade Histórica dos Evangelhos. Ed. Paulinas.



1 Somente o quarto Evangelho nos fala de três Páscoas ocorrentes na vida pública de Jesus (cl Jo 2,13; 6, 4; 12,1) - o que sugere cerca de três anos de pregação do Senhor. Somente o quarto Evangelho nos apresenta Jesus a viajar de Norte a Sul e de Sul a Norte durante toda a sua vida pública, ao passo que os Sinóticos propõem todo o ministério público do Senhor na Galileia (Jesus vai a Jerusalém uma vez só, para celebrar a Páscoa final de sua vida).

[2] O vocábulo martyréo (testemunhar) ocorre 33 vezes no quarto Evangelho, ao passo que em Mateus uma só vez, e jamais em Marcos e Lucas. A estatística é eloqüente.

Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9507736)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.06
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns23.84
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.46
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.92
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo13.85
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.30
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.13
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.27
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.95
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.82
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes9.07
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.57
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.17
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.95
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.86
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.85
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.67
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.65
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.45
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.93
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.59
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.53
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.50
PeR  Ciência e Fé  0558 Coma Reversível e Coma Irreversível6.25
Milagres são SINAIS da ação de Deus com uma intenção muito além do próprio milagre.
Padre Paulo Ricardo

Católicos Online