Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Maria ama seu corpo

 

Na minha coluna anterior, falei sobre o grande “mistério esponsal” do Natal. Ele é baseado na idéia – derivada da Bíblia e tantas vezes referida pelos santos e místicos – que Deus quer se “casar” conosco. Ele quer viver conosco para sempre em uma união eterna de amor que a Bíblia compara com o matrimônio. E, ainda mais, Deus quer encher sua esposa (a Igreja) com vida divina.

Como diz o Catecismo, “O sentido esponsal da vocação humana em relação a Deus é realizado perfeitamente na maternidade virginal de Maria” (505). E isso é o que celebramos no Natal. Deus se “casou” conosco para sempre ao mandar Seu Filho, nascido de uma mulher.

Minha própria experiência, de quem cresceu na Igreja – e aprendeu com as experiências de milhares de outros católicos ao redor do mundo em minhas palestras e viagens – me ensinou que muitos católicos possuem o que chamo de idéia “hiper-espiritual” sobre a Santa Virgem Maria. É como se o título “virgem” por si mesmo nos levasse a acreditar que Maria é de algum modo oposta às realidades corporais, ou que sua pureza imaculada a faz uma puritana ou mesmo um ser “assexuado”. Mas tais impressões de Maria só podem vir da projeção de nossa própria humanidade decaída nela.

Primeiramente, pureza não significa aniquilar nossa sexualidade – mas levá-la à perfeição. Longe de ser “assexual” Maria é a única mulher que já experimentou o plano original de Deus para a sexualidade em sua plenitude. A sexualidade não deve ser equiparada ao comportamento sexual. Maria permaneceu virgem. Mas a virgindade não deve ser igualada com “assexualismo”. A virgindade, a partir da perspectiva cristã, não é a negação da sexualidade, mas a aceitação do sentido e fim últimos da sexualidade – nos levar à união com Deus. Deus nos fez homem e mulher, e chamou ambos a se tornarem “uma só carne” como um sinal sacramental de uma realidade muito, muito maior – o matrimônio entre Cristo e a Igreja (ver Efésios 5, 31-32).

Esse é o significado original e fundamental da sexualidade humana e é assim que Maria deve ter experimentado sua feminilidade, sua sexualidade – como um desejo ardente de união com Deus. Através do dom da redenção, podemos começar a resgatar para nós essa verdade original, porém, mesmo para o mais santo de nós ela permanece manchada pela nossa condição decaída. Reconhecer Maria como “a Imaculada” é reconhecer que sua sexualidade nunca foi manchada pela nossa condição decaída. Pois ela experimentou a plenitude da redenção desde o primeiro momento de sua concepção.

Isso significa que a pureza de Maria lhe permitiu experimentar sua sexualidade em plenitude – como um desejo profundo de comunhão total com Deus em Cristo. É por isso que ela não teve relações sexuais com José: não porque a união conjugal seja “pecaminosa”, mas porque ela já estava vivendo a união superior à união sexual – a união com Deus. Sem querer menosprezar José, mas a união sexual terrena com ele teria sido, para Maria, um passo atrás. Ao contrário, Maria levou José um passo à frente com ela, em direção à realização de todo desejo.

E ela quer nos levar um passo à frente com ela também, em direção à plenitude da união com Deus. Mas para essa jornada é necessário reformularmos todas as nossas idéias e imagens distorcidas acerca de nossos corpos e de nossa sexualidade. Pois a união com Deus passa pelo caminho da redenção e da cura da sexualidade. E não há nenhuma rota alternativa. Aqui Maria, também, serve como perfeita guia e ajuda.

Como diz o Pe. Donald Calloway, “Maria nos mostra como aceitar o dom de nossa corporeidade, e isso inclui o sexo do corpo, recebido de Deus. Nisso é importante notar que o exemplo de Maria do que significa aceitar o dom do próprio corpo quer dizer que o corpo não é um obstáculo a ser transposto, mas, ao contrário, um dom a ser vivido. Maria nos deleita em sua corporeidade, especialmente no sexo que recebeu de Deus: a feminilidade. É precisamente em seu dom de ser uma mulher que Maria foi modelada e chamada a ser a “Theotokos” (mãe de Deus). O dom de seu corpo é exatamente o que lhe ajuda a se tornar a “Theotokos”. Pense no que teria acontecido se Maria tivesse se rebelado contra o dom de seu corpo feminino! Estaríamos em uma situação muito diferente hoje. (“Mary and the Theology of the Body”, pp. 55-56).

Maria, toda pura Mãe de Deus, mostrai-nos a beleza de vossa feminilidade e ensinai-nos, vos pedimos, a abraçar a beleza de nossa humanidade como homem e mulher feitos à imagem de Deus

 

Christopher West

 


Pergunte e Responderemos
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8292398)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?30.06
Diversos  Teologia  4132 A existência de Deus19.14
Diversos  Espiritualidade  4131 Dez conselhos na luta contra o demônio18.77
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.45
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.34
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.31
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.24
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.81
Diversos  Apologética  4130 Paulo desprezou Pedro?10.57
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.26
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo8.96
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns8.61
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.33
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?8.21
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.91
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?7.79
Diversos  Mundo Atual  4129 Direto do Inferno7.78
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.71
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.55
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.33
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.30
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.05
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma6.99
Vídeos  Mundo Atual  4128 A 'Humanae Vitae' e a apostasia dos cristãos6.74
Hoje se faz necessário reabilitar a autêntica apologética que faziam os pais da Igreja como explicação da fé. A apologética não tem por que ser negativa ou meramente defensiva por si. Implica, na verdade, a capacidade de dizer o que está em nossas mentes e corações de forma clara e convincente, como disse São Paulo, fazendo a verdade na caridade (Ef 4,15). Mais do que nunca os discípulos e missionários de Cristo de hoje necessitam de uma apologética renovada para que todos possam ter vida n'Ele (Cristo).
Papa Bento XVI

Católicos Online