Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 506 – agosto 2006

"Tinha que ser..."

DEUS, A HORA DA MORTE E O SOFRIMENTO

A Redação de PR recebeu a seguinte indagação: "As perguntas que faço são as seguintes:

1.  Deus determina o dia e a hora em que vamos morrer? Digo isso, porque, dois dias antes de meu avô morrer, eu fui tocada a levar uma água benta para benzê-lo. Não o fiz. No dia seguinte, 25/12, fui tocada de novo e, na visita à UTI, passei a água benta na sua testa e no coração, pedindo a Deus que tivesse misericórdia dele. Ao sair, a médica disse que ele estava se recuperando e que em breve poderia ir para o quarto. No entanto, ele faleceu no dia seguinte. Fiquei intrigada com isto e me perguntei se Deus quis que eu realmente tivesse feito aquilo. Quanto ao rapaz que foi assassinado, nós perguntamos: por quê? Não só ele, mas tantos que hoje morrem pela situação de violência na qual nos encontramos.

2.  Quando a pessoa morre, muitos dizem: foi a vontade de Deus. Será que Deus quer a morte por assassinato, por acidente,...?

3.  Quando há sofrimento na nossa vida, até que ponto podemos dizer que Deus permite isso para nos amadurecer? Se Deus é amor, permitiria que um filho seu sofresse? Crianças pequenas que não têm noção do que está acontecendo. Deus permitiria isso?"

Nossa resposta compreenderá duas partes: 1) Deus e a hora da morte; 2) Deus e o sofrimento.

1) Deus e a hora da morte. Deus permite que as criaturas procedam de acordo com as suas capacidades naturais, de modo que a hora da morte de cada um se deve a fatores naturais: desgaste das forças físicas por moléstia ou por velhice ou também violência e maldade dos homens. No caso atrás citado Deus não lavrou um decreto antecipando a hora da morte que a médica julgava poder postergar, mas houve simplesmente o desencadeamento de um processo natural. A medicina pode, às vezes, enganar-se.

Com outras palavras: Deus sabe tudo de antemão; Ele prevê todas as coisas, mas não retira das criaturas a sua capacidade própria de agir ou não agir... de agir deste ou daquele modo. Não se diga portanto: "Tinha que ser... tinha que morrer naquela hora", como se houvesse uma força misteriosa, um destino ou um desígnio de Deus entravando ou impelindo a ação das criaturas.

No caso de morte violenta por assassinato, ocorre algo que Deus não quer, mas permite, porque respeita a liberdade da criatura. Ele nunca o permitiria se, como diz S. Agostinho, não tivesse recursos para tirar do mal bens maiores. Nós nem sempre vemos esses bens, mas temos a certeza de que a Providência Divina não pode falhar.

2) Deus e o sofrimento. Observamos que o sofrimento decorre da índole mesma das criaturas. Com efeito, subindo na escala dos seres, verificamos que a pedra não sofre, o cão sofre e mais sofre ainda a criatura humana; mesmo dentro desta categoria mais sofrem os mais humanos e nobres, menos sofrem os tarados. As pessoas retas sofrem moralmente ao considerar a desordem do mundo; sofrem por efeito das limitações das criaturas.

Vê-se assim que o sofrimento não é um castigo de Deus, mas é algo inerente à condição humana. Eis por que as crianças o compartilham. Deus não quer um mundo de marionetes ou artificial, em que haveria tantas exceções quantas nós imaginássemos.

O fato de que Deus é amor não implica que Ele deva dispensar do sofrimento os filhos bem-amados. A epístola aos Hebreus trata do assunto lembrando que o sofrimento educa e faz amadurecer; só o filho bastardo, pelo qual o pai não se interessa, é deixado solto sem ser corrigido pelo pai, cf. Hb 12, 5-13. Mais ainda: o sofrimento que nos faz amadurecer, o próprio Deus o quis transfigurar, assumindo-o sobre si na Cruz e fazendo-o passagem para a vida eterna.

Para aprofundamento ver PR 502/2004, pp. 160-163.

 

Dom Estêvão Bettencourt


GoNet - PR
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
8 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9430923)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.37
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns22.92
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.26
Diversos  Apologética  4169 Comer sua carne literalmente?14.16
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.76
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo13.62
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.20
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.08
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.21
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.85
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.64
Pregações  Protestantismo  4167 Onde está na Bíblia ...10.04
Pregações  Mundo Atual  4170 A Ditadura do Relativismo9.88
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.68
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.37
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.87
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.84
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.82
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.72
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.71
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.52
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.40
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Pregações  Apologética  4171 Há cristianismo sem Igreja?6.88
Onde não há virtudes naturais a graça não pode operar.
Carlos Ramalhete

Católicos Online