Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Diversos: Apologética - Cruz e Sofrimento - por Carlos Ramalhete

CRUZ E SOFRIMENTO

Um protestante perguntou-me algumas coisas sobre a devoção à imagem de Cristo na Cruz. Eis as perguntas e as respostas:

1- Pergunta: Se podemos cultuar o Cristo ressuscitado, vivo, por que também cultuar o Cristo morto?

Resposta: Porque Ele morreu por nós. Nós esperamos ressuscitar com Ele, mas não podemos nos esquecer de que Ele morreu por nós.

Não se pode ressuscitar sem morrer, e isto é evidente. Mas por quê lembrar-se da Cruz?
Porque a Cruz era a forma usada pelos romanos para matar os piores criminosos. Porque a morte de cruz, no judaísmo, equivale a uma terrível maldição.

Jesus é Deus que se fez homem por nós, e por nós morreu uma morte horrível e ignominiosa.
O Sacrifício da Missa é o mesmo Sacrifício feito por Cristo na Cruz.

No Templo dos judeus, eram feitos sacrifícios cruentos, sacrifícios sanguinolentos de animais vivos. Os sacrifícios tinham simultaneamente função expiatória (limpar-se das impurezas, do pecado) e de louvor. As mulheres judias, quando nascia um filho , sacrificavam dois cordeiros ou dois passarinhos. Um era um sacrifício de ação de graças pelo nascimento da criança. O outro era um sacrifício expiatório, para anular a promessa inconsciente de nunca mais ter outro filho, feita pela mulher entre as dores do parto.
Nossa Senhora, para não ser motivo de escândalo, fez o segundo sacrifício também.

Jesus é o Cordeiro de Deus. O Cordeiro é o animal sacrificial por excelência, substituto de Isaac no sacrifício de Abraão. Cristo foi condenado pelos sumos-sacerdotes do Templo, e morreu no monte Calvário, que faz parte da área do Templo, da área em que um sacrifício seria válido.

O Sacrifício de Cristo na Cruz foi o último sacrifício necessário da Antiga Aliança - poucos anos depois do Sacrifício de Cristo, o Templo foi destruído (na mesma data em que fora destruído o Primeiro Templo) e o sacrifício cruento cessou para sempre.

O Sacrifício de Cristo na Cruz é até hoje perpetuado realmente e de maneira incruenta (sem mortes de bichos, sem derramamento de sangue e fogo) na Missa. Quando o padre diz o "Per Ipsum" ("Por Cristo, Com Cristo e em Cristo, a Vós Deus Pai Todo-Poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda Honra e toda a Glória, agora e para sempre, amém"), ele está agindo "in persona Christi", na pessoa de Cristo.
Ele é Cristo, oferecendo-se em sacrifício na Cruz por todos nós.

É fácil imaginarmos cenas alegres e pastoris com Cristo chamando as criancinhas, e é fácil e agradável tê-las em torno de si.
Mas ao vermos diante de nós a imagem de Nosso Senhor agonizando na Cruz, vemos por que caro preço fomos comprados, e buscamos ser dignos, com o Seu auxílio, de recebê-lO em nossa casa. Sabemos que nossos pecados Lhe são dolorosos, e sabemos que somos pecadores.

Sabemos que temos que suportar nossas cruzes com amor, e temos que ajudá-lo como o Cirineu o ajudou.
Sabemos que Ele abraçou a Sua Cruz, mas no caminho por três vezes caiu. Assim sabemos que devemos ajudar nossos irmãos que caem, e sabemos que podemos sempre nos levantar mais uma vez.
Sabemos que a Ele devemos nossas alegrias, e a Ele dedicamos nossas tristezas.

A Cruz é o caminho do cristão. A ressurreição é a recompensa final, mas antes dela temos nossas cruzes a carregar. Se refugarmos as nossas cruzes, colocamo-nos entre aqueles que diziam "crucifiquem-no, crucifiquem- no!"...


2- Pergunta: Os braços abertos, para receber todos aqueles que o buscam... "Vinde a Mim, todos vós que estais cansados e sobrecarregados, que Eu vos aliviarei" (Mateus 11.28), partem do Cristo na cruz ou do Cristo que não está mais lá, pois ressuscitou?

Resposta: Do Cristo, Eterno Filho do Pai. Jesus falou isso antes de morrer na Cruz, diga-se de passagem, e pouco antes ele lembra da necessidade de penitência (Mt 11,20-24). Além disso, Deus não está sujeito ao tempo.
Jesus na Cruz suporta os nossos pecados. Jesus na Cruz agoniza por nossos orgulhos e por nossas desonestidades. Cristo ressuscitou e nos mostrou para onde devemos ir. Devemos segui-lO, a Ele que é o Caminho, a Verdade e a Vida. Devemos segui-lO e buscar a Cruz.

O Crucifixo nos mostra o Cristo vencendo, e mostra como vencer. Pela Cruz.
O Deus que venceu venceu na Cruz. A aceitação da Cruz é o caminho para a vitória.

Os cristãos sabemos que Jesus na Cruz é Jesus vitorioso. Sua vitória sobre o pecado não consiste em Sua ressurreição, mas sim em Seu sacrifício na Cruz. É pelos méritos da Cruz que podemos ter nossos pecados perdoados (Jesus deu aos Apóstolos o poder de perdoar pecados apenas depois de Sua ressurreição), é pelos méritos da Cruz que o mundo foi re-criado.

O caminho do cristão nesse mundo é a Cruz; apenas pela Cruz podemos aspirar à ressurreição.

A imagem de Cristo na Cruz é ao mesmo tempo o símbolo da vitória contra o pecado (que foi vencido por Seu sacrifício, como antes era aparentemente redimido pelos sacrifícios do Templo) e uma lembrança de que neste vale de lágrimas o caminho do cristão é o sofrimento.

Ao representarmos apenas um Senhor Ressuscitado, um Senhor Pascal, estaríamos ignorando a mensagem da Cruz. Estaríamos ignorando o valor salvífico do sofrimento, estaríamos ignorando nossa tarefa de co-redenção.

A nossa percepção, evidentemente, nunca abrangeria Jesus por completo. Vê-mo-lo sempre apenas por uma faceta. Do mesmo modo como os escravos tratavam seus mestre de "Vossa Mercê" (vossa misericórdia - foi dar no "você" atual), apelando assim ao "lado bom" do senhor escravagista, nós pensamos em Jesus e em Nossa Senhora em termos de momentos de suas vidas na terra e no céu. Assim nós temos Nossa Senhora do Bom Parto, que é Nossa Senhora no momento de dar a luz (sem dor), Nossa Senhora das Dores (vendo o Filho na Cruz), Nossa Senhora da Imaculada Conceição (sendo concebida sem a mancha do pecado original)...

Temos também Jesus visto como São Salvador, como o Senhor Morto (na procissão de sexta-feira Santa), como o Senhor do Bomfim... Vê-mo-lo assim por vários lados, nenhum deles completo e todos eles tendo muito a nos ensinar. Toda a história da passagem de Jesus pelo mundo nos tem a ensinar, mas o momento mais importante dela é a Cruz.
Jesus, quando está fisicamente presente entre nós (na Eucaristia), é Jesus na Cruz. Jesus na Cruz é o "lado", a "faceta" de Jesus que nos é dado ver, conhecer, mastigar. Jesus Ressuscitado, o Jesus Pascal, é a esperança que temos. Esperamos um dia estar junto dele, de Sua Mãe e de todos os Santos.

Mas nosso companheiro de caminhada, Aquele que alimenta (crisma, eucaristia, ordem, matrimônio) e cura nossas feridas (batismo, eucaristia, reconciliação), é Jesus na Cruz.

Segue trecho da homilia feita pelo Santo Padre em 30 de junho de 1980, na Missa que celebrou na catedral de Brasília:

"Símbolo da Fé, a Cruz é também o símbolo do sofrimento que leva à glória, da paixão que conduz à ressurreição. 'Per crucem ad lucem'- pela cruz chegar à luz: este ditado profundamente evangélico nos diz que, vivida em sua verdadeira significação, a cruz do cristão é sempre uma cruz pascal.
Neste sentido, sempre que celebramos, como quisemos fazê-lo hoje, o mistério da cruz, cresce em nós, à luz da fé, a certeza de que o tempo do sacrifício e da renúncia pode bem ser princípio de tempos novos de realização e de plenitude. Isto vale para as pessoas. Vale também para as coletividades. Pode valer para todo um povo, para um País. Diante da cruz, duas atitudes revelam-se possíveis, ambas perigosas. A primeira consiste em procurar na cruz o que nela é oprimente e penoso a ponto de deleitar-se na dor e no sofrimento como se ele tivessem valor em si mesmos. A segunda atitude é a de quem, talvez por reação à precedente, recusa a cruz e sucumbe à mística do hedonismo ou da glória, do prazer ou do poder. Um grande autor espiritual, Fulton Sheen, falava, a este propósito, daqueles que aderem a uma cruz sem Cristo, em oposição aos que parecem querer um Cristo sem cruz. Ora, o cristão sabe que o redentor dos homens é um Cristo na Cruz e portanto só é redentora a cruz com Cristo!

Assim sendo, a cruz se torna também símbolo de esperança. De instrumento de castigo ela se faz imagem de vida nova, de um mundo novo.
(...)

Desejo dizer-vos que a Cruz é o sinal da esperança para o homem de todos os tempos. Nela Deus revelou ao homem qual é a dignidade que ele traz em si, depois que foi assinalado com a missão de Seu filho.
Por isso, olhai para a Cruz! Nela sois chamados a uma só esperança da vossa vocação (Cf. Ef. 4,4) Olhai para a Cruz! Ela é o sinal do novo princípio que o homem, sempre e em toda parte, encontra em Deus."

GoNet - PeR
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8537333)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?31.30
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.71
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.26
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.74
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.14
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.11
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns11.06
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo10.86
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.57
Diversos  Mundo Atual  4134 Karl Marx, de cristão a satanista9.51
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?8.67
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo8.25
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.13
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.86
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.54
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.44
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.29
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.04
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.01
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes6.90
PeR  Ciência e Fé  0558 Coma Reversível e Coma Irreversível6.61
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?6.45
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.41
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma6.19
Ao príncipe deste mundo foi ocultada a virgindade de Maria, seu parto e também a morte do Senhor.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online