Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 390 – novembro 1994

Apologética

 

O dilema:

REENCARNAÇÃO OU RESSURREIÇÃO?

 

Em síntese: A fé cristã não aceita a reencarnação, pois 1) não há provas empíricas da mesma (ninguém sabe onde e quando levou vida pregressa); 2) a S. Escritura e a Tradição da Igreja professam a ressurreição e não a reencarnação; cf. Hb 9,27.

 

A ressurreição e temas conexos foram objeto de uma Declaração da Santa Sé datada de 17/5/79. Afirma, entre outras coisas, a ressurreição no fim dos tempos, e não logo após a morte do indivíduo; por ocasião desta, a alma espiritual e imortal se separa do corpo e entra em sua sorte definitiva, aguardando a ressurreição na consumação da história, por ocasião da segunda vinda de Cristo. A vida póstuma das criaturas não é regida pelos critérios da eternidade (pois a eternidade só convém a quem não tenha tido começo e não terá fim, ou a Deus só), mas pelos critérios do evo (duração de quem teve começo, mas não terá fim, como é a alma humana); há, pois, no além, uma sucessão de atos de conhecimento e amor não regidos pelo tempo astronômico, mas, sim, pelo evo ou pelo tempo psicológico.

 

=-=-=

 

A fé cristã não aceita a reencarnação, pois 1) não existem provas empíricas da mesma (ninguém sabe onde e quando levou vida pregressa) e 2) a S. Escritura e a Tradição da Igreja professam a ressurreição e não a reencarnação; cf. Hb 9,27.

A ressurreição supõe um Deus bom, que fez a matéria e o corpo humano, e chama o homem a gozar da sua sorte definitiva na qualidade de ser psicossomático ou espiritual e corpóreo (o homem não é um espírito que, por castigo ou em expiação de seus pecados, vive no corpo); Deus dá ao homem todas as graças necessárias para que, no decorrer desta vida, se possa preparar para a visão face-a-face da Beleza Infinita.

Ao contrário, a reencarnação supõe ser a matéria ou o corpo cárcere ou sepulcro (soma = sema, sepulcro, em grego), do qual o homem se deve libertar por seus próprios esforços (se não o faz numa existência terrestre, deverá fazê-lo em outras); no caso da reencarnação fala-se de auto-soteria, em vez de hétero-soteria. A reencarnação está muitas vezes associada ao panteísmo (o homem seria uma centelha da Divindade envolvida na matéria má e tendente a se desprender da corporeidade).

A doutrina da ressurreição foi, mais uma vez, afirmada pelo magistério da Igreja mediante uma Declaração da Congregação para a Doutrina da Fé datada de 17/5/79. A fim de tornar clara a noção de ressurreição e as questões conexas, vamos, a seguir, transcrever os pontos decisivos desse documento, aos quais se proporá breve comentário.

 

 

1. O TEXTO DOS ARTIGOS DA DECLARAÇÃO

 

Eis os sete pontos doutrinais contidos no citado documento:

 

"Esta Sagrada Congregação, que tem a responsabilidade de promover e de defender a doutrina da fé, propõe-se hoje recordar aquilo que a Igreja ensina, em nome de Cristo, especialmente quanto ao que sobrevêm entre a morte do cristão e a ressurreição universal:

1) A Igreja crê numa ressurreição dos mortos (cf. Símbolo dos Apóstolos).

2) A Igreja entende esta ressurreição referida ao homem todo; esta, para os eleitos, não é outra coisa senão a extensão, aos homens, da própria Ressurreição de Cristo.

3) A Igreja afirma a sobrevivência e a subsistência, depois da morte, de um elemento espiritual, dotado de consciência e de vontade, de tal modo que o 'eu humano' subsista, embora entrementes careça do complemento do seu corpo. Para designar esse elemento, a Igreja emprega a palavra 'alma', consagrada pelo uso que dela fazem a Sagrada Escritura e a Tradição. Sem ignorar que este termo é tomado na Bíblia em diversos significados. Ela julga, não obstante, que não existe qualquer razão séria para o rejeitar e considera mesmo ser absolutamente indispensável um instrumento verbal para sustentar a fé dos cristãos.

4) A Igreja exclui todas as formas de pensamento e de expressão que, se adotadas, tornariam absurdos ou ininteligíveis a sua oração, os seus ritos fúnebres e o seu culto dos mortos, realidades que, na sua substância, constituem lugares teológicos.

5) A Igreja, em conformidade com a Sagrada Escritura, espera 'a gloriosa manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo' (cf. Constituição 'Dei Verbum' I, 4), que Ela considera como distinta e diferida em relação àquela condição própria ao homem imediatamente depois da morte.

6)  A Igreja, ao expor a sua doutrina sobre a sorte do homem após a morte, exclui qualquer explicação que tirasse o sentido à Assunção de Nossa Senhora naquilo que ela tem de único, ou seja, o fato de ser a glorificação corporal da Virgem Santíssima uma antecipação da glorificação que está destinada a todos os outros eleitos.

7)  A Igreja, em adesão fiel ao Novo Testamento e à Tradição, acredita na felicidade dos justos que estarão um dia com Cristo. Ao mesmo tempo Ela crê numa pena que há de castigar para sempre o pecador que for privado da visão de Deus, e ainda na repercussão desta pena em todo o ser do mesmo pecador. E, por fim, Ela crê existir para os eleitos uma eventual purificação prévia à visão de Deus, a qual no entanto é absolutamente diversa da pena dos condenados. É isto que a Igreja entende quando Ela fala de inferno e de purgatório".

O leitor percebe que o assunto em pauta (ressurreição dos corpos) não é de ordem filosófico-racional, nem é de ordem experimental, mas se situa estritamente no plano da fé.

 

Isto quer dizer que qualquer dúvida a respeito há de ser dirimida não por recurso a princípios filosóficos, mas por consulta ao depósito da fé, que é a Palavra de Deus transmitida pela Tradição oral e pela Tradição escrita.

 

Ora a Escritura insinua a tese da ressurreição dos corpos por ocasião da segunda vinda do Senhor ou da consumação dos tempos. Tenham-se em vista os dizeres de

 

1Cor 15,22-24: "Assim como todos morrem em Adão, em Cristo todos receberão a vida. Cada um, porém, em sua ordem: como primícias, Cristo; depois, aqueles que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda. A seguir, haverá o fim, quando Ele entregar o reino a Deus Pai, depois de ter destruído todo Principado, toda Autoridade, todo Poder".

Jo 5,25.28s: "Em verdade, em verdade, eu vos digo: vem a hora — e é agora — em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem, viverão... Não vos admireis com isto: vem a hora em que todos os que repousam nos sepulcros, ouvirão a voz do Filho do homem e sairão: os que tiverem feito o bem, para uma ressurreição de vida, os que tiverem cometido o mal, para uma ressurreição de condenação".

 

1Ts 4,16s: "Quando o Senhor, ao sinal dado, à voz do arcanjo e ao som da trombeta divina, descer do céu, então os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; em seguida, nós, os vivos que estivermos lá, seremos arrebatados com eles nas nuvens para o encontro com o Senhor nos ares".

Quanto à Tradição oral ou à Palavra de Deus viva, que berçou e acompanha a Escritura através dos séculos, possuindo seu órgão autêntico no magistério da Igreja, tem professado a ressurreição tão somente por ocasião da parusia. A Declaração que estamos analisando, é precisamente a expressão da consciência que a Igreja tem desta verdade; o magistério quis reafirmar tal consciência precisamente num momento em que vinha sendo contraditada por teorias estranhas.

 

2. RELENDO O DOCUMENTO. . .

Como dito, a Declaração compreende sete artigos decisivos, que passamos a aprofundar.

2.1. A ressurreição dos mortos (art. 1 e 2)

Os artigos 1 e 2 reafirmam a ressurreição dos mortos, professada por São Paulo (1Cor 15) e pelo Símbolo da Fé desde as suas mais antigas formulações.

O cristão não é dualista nem reencarnacionista. Julga que a matéria é criatura de Deus, de tal modo que ela integra a realidade do homem; este é psicossomático, a tal ponto que não se consuma como anjo nem como espírito desencarnado, mas como ser composto de espírito e matéria ou de alma e corpo. ([1])

 

A teoria da reencarnação, afirmando que o espírito humano volta ao corpo em sucessivas reencarnações para se purificar, é dualista; supõe ser o corpo um cárcere ou um instrumento de punição. Apregoa como ideal a definitiva desencarnação. Ora isto não é cristão, nem se pode fundamentar sobre provas objetivas.

 

2.2. A sobrevivência póstuma (art. 3)

 

Que acontece logo após a morte ou o desenlace terrestre do ser humano?

 

1. O art. 3 "afirma a sobrevivência, depois da morte, de um elemento espiritual, dotado de consciência e de vontade, de tal modo que o eu humano subsista, embora entrementes careça do complemento do seu corpo".

 

Esta afirmação supõe que o homem seja um composto de corpo e alma. Aquele, sendo material, desgasta-se. Quando já não tem condições de ser sede da vida humana, a alma se separa dele e continua a viver (sobrevive), enquanto o corpo é sepultado. A alma traz em si os constitutivos do eu humano, isto é, consciência e vontade.

 

Esta afirmação da Igreja exclui diretamente a tese segundo a qual após a morte a alma humana entra em estado de inconsciência ou sono, como pensavam os israelitas de outrora e alguns autores protestantes (cf. O. Cullman e Ph. H. Menoud...). Na verdade, a morte não extingue a lucidez consciente do ser humano nem a sua capacidade de aderir voluntariamente ao fim supremo que ele tenha escolhido.

 

A mesma afirmação exclui também a tese da ressurreição logo após a morte, muito propalada em nossos dias. O texto menciona apenas a sobrevivência de um elemento espiritual chamado alma, sem mencionar a imediata reunião de alma e corpo. Esta é diferida para o fim dos tempos, como se verá pouco adiante ao estudarmos os artigos 5 e 6.

 

A tese da ressurreição logo após a morte carece de fundamentação bíblica. As Escrituras do Novo Testamento prevêem a ressurreição para o fim dos tempos; cf. 1Cor 15,22:

 

"Assim como todos morrem em Adão, em Cristo todos receberão a vida. Cada um, porém, em sua ordem: como primícias. Cristo; depois, aqueles que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda". Cf. 1Ts 4,16.

 

2. Há quem queira defender a tese da ressurreição logo após a morte referindo-se à antropologia semita. Esta não conhece vida consciente sem corpo; não admitiria a possibilidade de existência lúcida para a alma separada do corpo. Ora, dizem, tal é a concepção bíblica. A idéia de "alma separada do corpo" seria oriunda da filosofia grega platônica, dualista, não bíblica. Por conseguinte, não poderia ser defendida numa genuína teologia bíblica.

 

A isto respondemos:

1)    A S. Escritura não tenciona adotar determinado sistema filosófico com exclusão de outros. Se a antropologia do Antigo Testamento freqüentemente acentua a corporeidade do homem, a do livro da Sabedoria admite alma sem corpo (cf. Sb 4 e 5) e a do Novo Testamento é assaz variada; São Paulo chega a propor diversas concepções antropológicas, que ele não procura conciliar entre si; cf. 1Ts 5,23; Gl 5,16s; 1Cor 2,11-15. Por isto é inconsistente o argumento segundo o qual a fidelidade à S. Escritura impõe determinada concepção antropológica ou exclui a tese de alma separada do corpo.

2)    Algumas correntes de pensamento gregas eram dualistas (a pitagórica, a órfica, a platônica...), isto é, admitiam oposição ontológica entre alma e corpo. Todavia o pensamento de Aristóteles propunha a distinção entre corpo e alma sem dualismo, ou seja, afirmando a união harmoniosa" de corpo e alma no homem.

 

Aliás, faz-se mister não confundir dualismo e dualidade. O pensamento bíblico e cristão não é dualista (não admite oposição ontológica entre corpo e alma), mas é dual, isto é, admite a real distinção e separabilidade de corpo e alma, embora afirme que ambos são partes complementares do composto humano. A dualidade (que não é dualismo) é fato óbvio na natureza; homem e mulher, dia e noite, frio e calor, verão e inverno...

 

2.3. Ressurreição dos mortos e consumação universal (art. 5 e 6)

 

1. A tese de que a ressurreição dos mortos não ocorre logo após a morte, mas é diferida para o momento da consumação universal, vem insinuada pelos artigos 5 e 6 da mencionada Instrução:

 

1) O artigo 6 "exclui qualquer explicação que tire à Assunção de Nossa Senhora o que ela tem de único e singular" ou "o fato de ser a antecipação da glorificação que tocará a todos os outros eleitos".

Em conseqüência, se a glorificação de Maria é algo de único e antecipativo, deve-se dizer que os outros eleitos não são glorificados, como Maria, logo depois da morte, mas só o serão no fim dos tempos.

 

2) O artigo 5 ensina que "a gloriosa manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo é distinta e diferida em relação àquela condição própria do homem imediatamente depois da morte".

Distinta... Esta afirmação opõe-se à tese que propõe a identidade do juízo particular e do juízo universal.

Diferida, isto é, postergada, adiada... Estes dizeres enfatizam a existência da chamada "escatologia intermediária" e afirmam que, mesmo depois da morte, há uma expectativa da parte do ser humano. Com outras palavras: a morte não dá ao ser humano a fruição da eternidade, mas, sim, a da imortalidade em sua forma definitiva. Tal afirmação opõe-se à tese de Karl Barth e Emil Brunner, protestantes, bem como à de autores católicos, segundo os quais a morte põe o homem fora do tempo; por conseguinte, não haveria distância temporal entre a morte do indivíduo e a consumação da história ou a segunda vinda de Cristo.

 

2. Faz-se mister esclarecer nitidamente a concepção de escatologia intermediária:

1)    Somente Deus é eterno e frui da eternidade. Com efeito, a eternidade não é uma duração indefinidamente longa, mas é a posse simultânea de todo o respectivo ser ou da respectiva existência. Ora somente Deus é tal; só Deus não tem passado nem futuro: só Deus possui simultaneamente toda a sua existência. Nenhuma criatura goza deste privilégio, pois toda criatura, pelo fato mesmo de ser criatura, teve começo; uma porção da existência de cada homem já passou e não voltará a ser presente (nem mesmo depois da morte) e outra porção da existência de cada homem é futura e ficará sendo futura.

2)    Com outras palavras: o ser humano, depois da morte, emancipa-se do tempo ou da sucessão de dia e noite imposta pelo movimento dos astros, mas nem por isto entra na posse simultânea de toda a sua existência (peculiaridade exclusiva do Eterno ou de Deus); a existência da criatura emancipada do tempo é chamada o evo ou a eviternidade. No evo há sucessão... não, porém, de dias e noites ou de momentos cronológicos, mas de atos de maior ou menor intensidade. Pode-se dizer que, contemplando a Deus face-a-face, o justo descobre sempre algo de novo; Deus só não é novo para si mesmo.

Não se deve, portanto, crer que, morrendo, o ser humano já experimenta o que ainda deverá acontecer no fim dos tempos ou já toca a parusia (a gloriosa manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo); ele a aguarda, solidário com os irmãos que ainda realizam a história do mundo; ele viverá a consumação da história juntamente com seus irmãos que ainda são peregrinos.

Aliás, não se entende que alguém, morrendo em 1994, já atinja a consumação da humanidade que ocorrerá em época incerta para nós, com a provável participação de gerações humanas que ainda não vieram à existência real.

 

2.4. Céu, inferno e purgatório (art. 7)

A morte vem a ser a passagem ou o acesso do ser humano à sua sorte definitiva. Esta pode ser a bem-aventurança plena ou a visão de Deus face-a-face ou a frustração definitiva, chamada "inferno". O purgatório é concebido como estágio prévio à bem-aventurança final para quem ainda não esteja purificado de todo resquício de pecado.

 

Vejamos de per si cada qual destes estados póstumos:

 

1) Céu... É o encontro com o Senhor Deus sem intermediário nem símbolo; é a contemplação face-a-face da Beleza Infinita. O documento em pauta chama a atenção do cristão para dois pontos importantes:

     há continuidade entre a vida presente e a póstuma; a visão de Deus face-a-face ocorrerá na proporção do grau de amor a Deus com que cada qual morrer; colheremos no além o que tivermos semeado no aquém;

     há também uma ruptura radical entre a realidade presente e a póstuma, pois o regime da fé será substituído pelo da plena luz. A visão imediata do mistério de Deus é algo que "o olho jamais viu, o ouvido jamais ouviu e o coração do homem jamais percebeu" (1Cor 2,9). A S. Escritura insinua essa realidade póstuma mediante figuras, que merecem todo o respeito, mas devem ser tidas como tais, evitando-se a propósito os devaneios da fantasia.

2) Inferno... O inferno nada tem a ver com imagens populares de tanque de enxofre fumegante, nem é algo criado por Deus. Vem a ser a frustração total ou a separação de Deus resultante de livre opção da criatura na terra.

Com outras palavras: todo ser humano foi naturalmente feito para o Bem Infinito; este, explicita ou implicitamente, exerce um tropismo sobre todo homem, à semelhança do Norte que atrai a agulha magnética da bússola. Se alguém, usando da sua livre vontade, diz Sim a esse Norte (= Deus), encontra repouso e plenitude... Se, porém, voluntariamente lhe diz Não e é encontrado pelo Senhor numa atitude final de repulsa consciente e voluntária, terá o definitivo distanciamento de Deus. É isto que se chama inferno, a própria criatura a ele se condena, sem que o Senhor Deus necessite de proferir alguma sentença.

Esse estado é definitivo e sem fim, porque a alma humana é, por si mesma, imortal. O seu estado infernal só terminaria:

    se o Senhor aniquilasse a criatura (o que seria contrário à sabedoria do Criador);

    se o Senhor forçasse a vontade da criatura a dizer-lhe um Sim póstumo, contrário à livre opção da mesma (ora o Senhor, que deu a liberdade ao homem, não lha retira);

    se o Senhor cessasse de amar a criatura e deixasse de lhe aparecer como o Sumo Bem; então o pecador se fecharia em si mesmo ou no seu egoísmo sem experimentar a atração de Deus. Todavia o Senhor não pode deixar de amar o homem, porque Ele é incapaz de se contradizer; Ele não pode dizer Não após ter dito Sim; o seu amor é irreversível.

Eis o que se entende por inferno numa lúcida concepção teológica. Vê-se que tal estado, longe de ser incompatível com a santidade de Deus, resulta precisamente do fato de que Deus ama a criatura,... e a ama divinamente, isto é, sem se poder desdizer e sem poder retirar-lhe o seu amor; cf. 2Tm 2,11-13.

3) Purgatório... Este não há de ser concebido como condenação ou à semelhança do inferno. Entende-se do seguinte modo:

Se alguém ama fundamentalmente a Deus, mas é incoerente, alimentando negligentemente falhas e imperfeições porque não tem a coragem de extirpá-las, uma tal pessoa, ao morrer, não é rejeitada pelo Senhor Deus; está voltada para Ele, embora portadora de covardia e certa tibieza. Todavia não poderá passar diretamente para a visão face-a-face de Deus, pois na presença do Santo não subsiste a mínima sombra de falha. Terá, pois, que se purificar das escórias do pecado, fazendo na vida póstuma o que por negligência deixou de fazer na vida presente.

Essa purificação póstuma nada tem que ver com fogo. Ela se realiza mediante arrependimento sincero, que faz o amor de Deus penetrar em todas as camadas da personalidade nas quais subsistia o amor próprio desregrado. Pode ser ilustrada por uma lenda hindu, que assim reza: ([2])

Certo mendigo, sentado à margem da estrada, viu certa vez a carruagem do rei aproximar-se. Imediatamente pôs-se a pensar que chegara o seu grande dia, pois o monarca haveria de tirá-lo da sua miséria e lhe daria ricos presentes. Aconteceu, porém, que, descendo da carruagem, o rei se lhe chegou e pediu-lhe um pouco de trigo! O mendigo sentiu terrível decepção, mas não se pôde furtar ao soberano; catou, pois, entre os grãos contidos na sua bolsa, o menor de todos, e o entregou ao monarca... Todavia, quando o pobrezinho, no fim do dia, abriu a sacola para fazer o balanço da jornada, verificou que, entre seus grãos de trigo, havia um de ouro; era o menor de todos... Compreendeu então que fora mesquinho e que, se ele tudo tivesse dado ao rei, estaria rico de ouro e livre de apuros. Imediatamente então pôs-se a repudiar o egoísmo e a incompreensão; purificou-se dos mesmos, prometendo a si nunca mais ceder aos maus sentimentos...

Esta imagem elucida, ao menos à distância, o que se pode entender por purificação póstuma: é o repúdio decido e radical de toda incoerência alimentada, mais ou menos conscientemente, no decorrer da vida terrestre. Deve-se à misericórdia divina, que oferece à criatura uma ocasião póstuma de fazer o que devia ter feito no momento oportuno, ou seja, enquanto peregrina neste mundo. É durante a vida presente que toca à criatura preparar a veste nupcial, de modo a passar diretamente deste mundo à "ceia da vida eterna".

Vê-se assim também que o conceito de purgatório é algo de lógico e harmonioso no contexto do sábio plano de Deus.

 

2.5. Sufrágios pelos mortos (art. 4)

 

Eis o teor do artigo:

 

"A igreja exclui todas as formas de pensamento e de expressão que, adotadas, tornariam absurdos ou ininteligíveis a sua oração, os seus ritos fúnebres e o seu culto dos mortos, realidades que, na sua substância, constituem lugares teológicos".

Com outras palavras: a Liturgia é um "lugar teológico", isto é, um documentário que atesta a fé da Igreja e serve de referencial ao teólogo para elaborar suas teses. Ora a Liturgia, desde remotas épocas, supõe a purificação póstuma, o céu e o inferno; além disto, ela professa, com a S. Escritura, a ressurreição universal no fim dos tempos. Os sufrágios realizados pelos defuntos não pretendem pedir, sem mais, ao Senhor que abrevie a estada dos fiéis no purgatório (este não é um lugar, mas um estado do qual não se contam dias nem anos), mas rogam a Deus que o amor tíbio e covarde possa penetrar até o âmago da personalidade de quem já passou para a outra vida. Esses sufrágios podem ter efeito retroativo, aplicando-se aos fiéis que deles necessitem e na medida em que necessitem.

De resto, a respeito do purgatório, como também no tocante à vida póstuma em geral, a S. Igreja recomenda sobriedade de concepções e afirmações. A fé revela o essencial e suficiente para a orientação do cristão, abstenham-se os fiéis e os teólogos de devaneios imaginosos.

 

 

3. CONCLUSÃO

Eis, em poucas palavras, o conteúdo do documento da Congregação para a Doutrina da Fé sobre a escatologia. Tenciona dirimir dúvidas e firmar a fé dos cristãos em pontos de importância capital. O cristão vive mais em função do futuro do que do passado. É a expectativa dos valores definitivos (já presentes em gérmen na vida terrestre) que norteia o comportamento diário do discípulo de Cristo.

A S. Igreja insiste em que os teólogos, pregadores e catequistas transmitam com fidelidade os ensinamentos da reta fé. Os teólogos hão de pesquisar, sem dúvida, em espírito de comunhão com a S. Igreja. Quanto aos catequistas e pregadores, abstenham-se de novidades que não condigam com as verdades atrás expostas.

 

A propósito:

BETTENCOURT, E., Curso de Novíssimos ou Escatologia, Escola "Mater Ecclesiae", Caixa Postal 1362, 20001-970 - Rio de Janeiro (RJ).

BORÓS, L, Mysterium Mortis. Olten 1962.

CULLMANN, O., Immortalité de 1'âme ou Résurrection des morts? - Neuchâtel - Paris 1956.

POZO, C, Teologia dei más allá. Coleção BAC n? 282. - La Editorial Católica, Madrid 1968.



[1] Como se compreende, o espírito não deve ser concebido como fluido energético ou corrente elétrica, mas, sim, como ser incorpóreo, inextenso (sem figura, sem dimensões, sem peso), dotado de inteligência e vontade; não morre ou não se dissolve, porque não é composto. Distinguimos três tipos de espírito:

- incriado: Deus

- criado: para viver sem corpo: anjo;

- criado: para se realizar plenamente no corpo ou na matéria: alma humana.

Vê-se, pois, que o conceito de espírito é mais amplo que o de alma. A alma humana é espírito ou espiritual, mas nem todo espírito é alma humana.

[2] Temos consciência de que tal estória tem suas ambigüidades, mas cremos que pode ilustrar o que seja o arrependimento póstumo.


GoNet - PR
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9430782)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.37
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns22.92
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.26
Diversos  Apologética  4169 Comer sua carne literalmente?14.25
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.76
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo13.62
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.20
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.08
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.21
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.85
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.64
Pregações  Protestantismo  4167 Onde está na Bíblia ...10.06
Pregações  Mundo Atual  4170 A Ditadura do Relativismo9.95
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.68
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.37
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.87
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.84
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.82
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.72
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.71
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.52
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.40
Pregações  Apologética  4171 Há cristianismo sem Igreja?6.98
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Deus fez, de si mesmo, a solução do pecado original.
Claudio Maria

Católicos Online