Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

O LIVRE ARBÍTRIO É INDISPENSÁVEL PARA AMAR A DEUS

 

3 de dezembro de 2016

 

Para compreender que o livre arbítrio manteve-se intacto após a queda, é mister distinguir razão, vontade e operação.

 

Qualquer Bem que o ser humano escolhe realizar, através da razão e da vontade, ele não consegue praticar por mérito próprio, mas pela Graça de Deus. Por isso, a incapacidade de realizar não pode ser confundida com a falta de liberdade para escolher, como ensinou o Apóstolo:

 

“Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita o Bem, PORQUE O QUERER O BEM ESTÁ EM MIM, MAS NÃO SOU CAPAZ DE EFETUÁ-LO.”  (Rom 7,18)"

 

Neste sentido é que não se deve confundir o livre ARBÍTRIO com a livre AGÊNCIA, como faz a teologia dos calvinistas.

 

A incapacidade de operar não retira a liberdade de escolha, posto que os seres racionais foram por Deus dotados de razão e vontade, e não somente de instinto.

 

A escolha é dada àqueles que possuem, pela razão, a capacidade de exercer um juízo ainda que superficial de opção.

 

Orígenes ensina que livre arbítrio “é uma FACULDADE DA RAZÃO, pela qual se pode DISCERNIR O BEM E O MAL, e da VONTADE pela qual se pode ESCOLHER um ou outro. (De Principiis, anos 258)”

 

Conforme está Escrito:

 

“Olha que HOJE PONHO DIANTE DE TI, a vida com o BEM, e a morte com o MAL. (Dt 30, 15)”

 

A liberdade da razão está em poder discernir e, na vontade, em poder buscar, estando a GRAÇA DE DEUS em realizar em consórcio com o indivíduo todo Bem que este discernir pela razão e o quer pela vontade. (Jr. 13, 23; Ef 2,1-10; Rom 3,9-18; Cl 2,13; Tt 3.3-5 e outros)

 

Assim fora Escrito: - “Somos obra sua, criados em Jesus Cristo PARA AS BOAS AÇÕES, QUE DEUS DE ANTEMÃO PREPAROU PARA QUE NÓS AS PRATICÁSSEMOS.” (Efésios 2, 10)

 

Ao indivíduo é impossível realizar qualquer Bem em mérito próprio no estado de pecado no qual se encontra. Da mesma forma, Deus realizar nele qualquer Bem sem o seu consórcio e participação pela vontade e razão não livraria esse indivíduo do estado de condenação.

 

Cristo não quis apenas merecer por nós, mas nos tornar merecedores por participação nos Méritos Dele.

 

Neste contexto, o livre arbítrio não é incompatível com a ONIPOTÊNCIA DE DEUS, antes, a Onipotência atua e age no indivíduo por meio da liberdade conferida na razão e vontade humana, ordenando-as à Perfeição e ao Bem Supremo que é a salvação.

 

Santo Agostinho leciona (354-430): - “Julgas que a paixão seja mais poderosa que a razão, pela qual por Lei Eterna nos foi dado o domínio sobre todas as paixões? De modo algum, pois caso fosse, seria a NEGAÇÃO DA ORDEM PERFEITA de Deus, em que o maior domine sobre o menor. Então haverás de hesitar em colocar as virtudes acima dos vícios? (Do Livre Arbítrio, Cap. 10. p. 25)”

 

E ainda: - “não há nenhuma outra realidade que torna a mente cúmplice da paixão, a não ser a própria vontade E O LIVRE ARBÍTRIO. (Do Livre Arbítrio, p. 55. Cap.12)”

 

Arremata Santo Tomás: - “Como já disse antes (Q 81, ª 3 ad. 2), o apetite sensitivo, embora obediente à razão, pode contudo, recalcitrar, desejando o que a razão proíbe. O bem que o homem não faz quando quer é o que consiste em ser concupiscente contra a razão (Suma Teológica, art. 1º Q 83 – Se o homem tem Livre Arbítrio)”

 

O ato de livre arbítrio é o prévio exame, certo juízo ainda que superficial entre no mínimo duas realidades distintas. Se o ser humano não fosse apto em discernir entre essas realidades, em vão então teria sido preservada a razão, após a queda no pecado.

 

O pecado não entrou no mundo por outro pecado, mas pelo livre arbítrio. O pecado não tem causa em si mesmo, mas na liberdade, que agiu na razão e na vontade dos nossos primeiros pais. (Gn 3)

 

Mas se, outrora, nos foi dada liberdade para escolher sair do estado de justiça para o pecado, como negar que Deus não preservou essa liberdade, para que participássemos do plano de exclusão do pecado, e retorno ao estado de justiça?

 

Esclareceu Santo Agostinho: - “Logo, já é para ti uma certeza bem definida haver Deus concedido ao homem esse Dom. (Deus é o Autor do Livre Arbítrio, p. 36 Cap. 1)”

 

E consta nas Escrituras:

 

“Vede. PONHO-VOS HOJE BENÇÃO ou MALDIÇÃO.” (DT 11, 26)”

 

A liberdade do arbítrio supõe ainda a dignidade do Juízo de Deus sobre a humanidade, pois se não houvesse livre escolha entre o erro e a Virtude, não haveria justa causa para recompensa ou castigo.

 

Ensina novamente Santo Agostinho: - “se o homem carecesse do livre arbítrio da vontade, como poderia existir o Bem da Justiça, condenando os pecadores, e premiando as boas ações? A conduta desse homem não seria pecado, nem boa ação, caso não fosse voluntária. O castigo, como a recompensa, seria injusto se o homem não fosse dotado da vontade livre. (Livro II – Cap. I p. 39, Deus é o Autor do Livre Arbítrio)”

 

E Santo Tomás de Aquino: - “O homem tem livre arbítrio, do contrário, seriam inúteis os conselhos, as exortações, os preceitos, as proibições, os prêmios e as penas. O homem age com discernimento, pois pela Virtude da razão, discerne o que deve buscar e o que deve evitar. (Suma Teológica, art. 1° Q 83. Do Livre Arbítrio)”

 

O mover de Deus é, simultaneamente, causa e efeito da vontade e da razão humana.

 

É causa por ter lhe dado o livre arbítrio; e efeito por atuar nessa razão e nessa vontade, que escolhe e discerne o Bem, para assim, realizar por ação Divina, o Bem propriamente dito.

 

ELE é a causa de todo Bem que se ele realiza no ser, sem que este ser tenha que se despir do livre arbítrio entre o bem e o mal.

 

Pela vontade livre, o homem se coloca à disposição de Deus para realização do Bem.

 

O livre arbítrio implica no livre discernir da razão, e contrapõe-se à inclinação dos atos humanos à imperfeição, por efeito da natureza pecaminosa.

 

A razão ou intelecto importa na possibilidade de exercer juízo valorativo sobre malefício e benefício.

 

E por ser o ato humano natural, desprovido da Graça, penderá à prática do pecado, ainda que a vontade e/ou a razão não consintam. Por isso, diz-se que perdera a livre agência, mas não o livre arbítrio.

 

O homem não perdeu, com a queda, a capacidade em discernir entre o mal e o bem, podendo sua vontade ainda buscar fazer o Bem, como está escrito:

 

“APARTE-SE DO MAL e faça o Bem, BUSQUE a paz e siga-a.” (1Pe 3, 11)

 

Mas o Bem que se executa, só é possível no ato que traz Deus como meta principal e finalística: - “ vós outros estáveis mortos por vossas faltas, pelos pecados que cometestes outrora seguindo o modo de viver deste mundo, do príncipe das potestades do ar, do espírito que agora atua nos rebeldes. (Efésios 2. 1, 2)”

 

Livre arbítrio não é Virtude Operativa, e sim cognitiva e volitiva.

 

Todo bem que vem de Deus se realiza na vontade humana.

 

E o mover de Deus é, simultaneamente, causa da vontade humana por lhe ter dado a livre escolha, como também causa do Bem que na vontade humana Ele realiza.

 

A limitação do ser humano pelo pecado consistiu na incapacidade de realizar o Bem, sem recorrer ao auxílio da Graça Divina.

 

Na visão aristotélica, o Bem que o ser discerne e quer realizar, não logra êxito sair da potência para o ato.

 

Noutra mira, todo ato finalístico do ser humano tem como meta amar a Deus sobre todas as coisas.

 

E o Amor Perfeito é ato livre, posto que não se consegue ser amado ou amar mediante coação, sendo que qualquer coação empregada para amar, não visa o Amor Perfeito, mas o puro egoísmo.

 

O amor de Deus é Perfeito, e sendo Perfeito, não aniquilou a liberdade humana na qual se realiza.

 

Nando Gomes

Fonte: A fé católica nas escrituras.


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
3 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8924185)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.23
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns17.22
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.01
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.49
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.94
Vídeos  Milagres  4159 Imagens intactas em catástrofes!12.15
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.89
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.38
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.03
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.95
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.76
Vídeos  Doutrina  4160 Tudo está consumado9.21
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.02
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.94
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.61
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.44
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.41
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.26
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.12
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.08
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.99
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.97
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.86
Os sacramentos não são senão água, pão, vinho, óleo, gestos e palavras que Cristo hoje em dia administra por meio da sua Igreja (ou do seu Corpo prolongado) a fim de comunicar aos homens a filiação divina.
Dom Estêvão Bettencourt

Católicos Online