Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

A recuada do anúncio do mal

É sintomático que o bispo de Caicó tenha publicado uma “nota de esclarecimento” para dizer que foi mal compreendido nas suas alegações (francamente escandalosas) a respeito do homossexualismo. Ora, o que está na nota não é, absolutamente, o que se divulgou na mídia e provocou escândalo. Na festa de encerramento de Santana Dom Antônio teve desplante de chamar o homossexualismo de “dom de Deus” (!). Na nota da Diocese Sua Excelência simplesmente afirma que quer «salvar vidas» e «superar os preconceitos que matam».

Ora, é bastante evidente que uma coisa não tem nada a ver com a outra. Todo mundo sabe que os homossexuais são chamados à castidade (Catecismo, 2359) como os irascíveis são chamados ao autodomínio e, os glutões, ao controle do apetite. Se Dom Antônio tivesse simplesmente afirmado isso tal não provocaria, é evidente, celeuma alguma. O que provocou a (justa) ira dos católicos foi Sua Excelência ter chamado uma desordem objetiva de “dom de Deus”.

Ora, uma desordem não é nunca um dom. Uma disfunção da libido não é um “dom”, assim como não é um dom um câncer ou uma inclinação particularmente intensa para, digamos, a preguiça. Como Dom Antônio afirmou — com aliás muita propriedade — na sua nota de esclarecimento, o que realmente importa é a forma como se vive, dadas as condições que se possui. Uma pessoa pode perfeitamente possuir «tendências homossexuais profundamente radicadas» e ser muito santa, bastando para isso que ela lute — com coragem e determinação! — contra essas más tendências. Da mesma forma uma pessoa pode ter uma inclinação muito forte para a mentira e, ainda assim, santificar-se intensamente, bastando para isso lutar a cada dia por não mentir.

O que não tem sentido é dizer que o homossexualismo é um dom, como se o pecado — i.e., a prática de relações sexuais contra a natureza — tivesse alguma coisa de virtuoso que não fosse precisamente a luta para o evitar. O pecado é sempre uma escolha e é sempre uma coisa horrível, que ofende a Deus e que conduz as almas à perdição. Nenhuma pastoral verdadeira pode perder isso de vista, porque o objetivo de toda pastoral é levar as almas à salvação e sem uma vida moral reta é impossível se salvar. O aspecto “pastoral” do Catolicismo diz respeito simplesmente ao modo de transmitir aquilo que deve ser transmitido: não é, de maneira alguma!, algo de paralelo e nem muito menos de contrário ao seu aspecto doutrinário.

Toda Doutrina existe para ser transmitida a homens concretos — e por isso precisa da pastoral; e toda pastoral existe para que se transmita a Doutrina. Não existe oposição entre uma coisa e outra. Uma doutrina que não pudesse ser transmitida não seria verdadeiramente Doutrina Cristã; do mesmo modo, uma pastoral que não transmitisse a Doutrina Sagrada seria antes atitude de lobos que de pastores legítimos.

Mas a nota da Diocese de Caicó é sintomática justamente porque não entra no mérito daquilo que provocou o escândalo: não diz nada sobre o homossexualismo ser dom de Deus, silencia completamente a respeito da conotação positiva (laudatória até!) que o bispo emprestou à triste condição dos que vivem na prática dos mais nefandos pecados contra a natureza. É como se Dom Antônio não quisesse se desdizer mas, ao mesmo tempo, não pudesse continuar sustentando o horror que proferiu naquele domingo: é como se a indignação dos fiéis católicos tivesse feito o sucessor dos Apóstolos se envergonhar — se não o suficiente para uma retratação, ao menos o bastante para que ele sentisse a necessidade de tergiversar e mudar de assunto.

A nota não retifica a afirmação espúria e ímpia; mas tampouco a repete, tampouco a corrobora. Se o bispo não teve a humildade de se retratar, também não teve a pachorra de insistir no erro — o que não deixa de ser algo de positivo. Sim, o ideal seria, sem dúvidas, que os pastores tivessem a coragem de anunciar com clareza e destemor a Sã Doutrina da Salvação. Mas que eles sejam forçados a recuar na apologia do mal é já uma preciosa vitória nesses tempos sombrios em que vivemos.

Jorge Ferraz

Fonte: Deus lo Vult


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
2 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 7034329)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?27.39
Diversos  Apologética  4009 Haeresis26.61
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma24.13
Diversos  Documentos  4011 Carta Encíclica Sobre a Maçonaria20.54
Diversos  Teologia  4014 Deus é culpado pelo mal que há no mundo?20.46
Diversos  Ética e Moral  3999 O silêncio da CNBB18.73
Diversos  Doutrina  4013 Qual o sentido do universo?18.56
Diversos  Doutrina  4005 Somos salvos na cruz ou na ressurreição?17.68
Diversos  Apologética  4007 Jesus e os ladrões na cruz17.51
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo16.61
Diversos  Apologética  4008 O erro de Lutero16.54
Vídeos  Igreja  4003 Onde está a Igreja de Cristo?16.17
Diversos  Reflexões  4010 Quem guia os cegos?15.06
Diversos  Escatologia  4012 Este mundo vai acabar?14.12
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação13.81
Diversos  Doutrina  3988 Como foi a assunção de Nossa Senhora13.24
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista12.36
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.70
Diversos  Doutrina  4000 Por que convinha a Deus tornar-se homem?11.47
Diversos  Testemunhos  3967 O Navio e as Jangadas11.20
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?11.20
Diversos  Igreja  3981 A alienação do fervor religioso10.13
Aulas  Doutrina  4004 Pequena súmula sobre angeologia9.94
Diversos  Notícias  4002 O magistério não favorece heresias9.79
Se não existe para o homem uma verdade, ele, no fundo, não pode sequer distinguir entre o bem e o mal.
Papa Bento XVI

Católicos Online