Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 377 – outubro 1993

Mundo Atual

 

Discute-se:

A ESTERILIZAÇÃO DAS PESSOAS DEFICIENTES

 

Em síntese: Apesar de várias declarações de Conselhos e Comunidades da Europa, como também das Nações Unidas, o Parlamento Europeu, em setembro de 1992, aprovou a Resolução que autoriza a esterilização de deficientes mentais em casos definidos. A fundamentação deste gesto é a alegação de que assim se evitará o nascimento de filhos deficientes ou, talvez, de filhos sadios que não teriam o necessário acompanhamento do pai ou da mãe. — Tal alegação é falha, pois já existem organizações dedicadas a deficientes mentais, que, preenchendo com afeto e carinho as carências dessas pessoas, verificam que estas sofrem de "sede de amor", e não tanto de "sede de sexo". — Por conseguinte, a Resolução do Parlamento Europeu é a expressão de uma mentalidade materialista e consumista, que é capaz de sacrificar a pessoa humana ao bem-estar da sociedade; o "amor ao próximo" alegado por quem mata ou mutila seu semelhante, não é verdadeiro amor, pois este quer sempre o bem da pessoa amada.

Os fatos assim registrados vêm a ser um apelo para que os cristãos com mais afinco apregoem a mensagem de respeito e estima à dignidade de todo ser humano.

=-=-=

 

A "cultura da morte", que é a cultura do nosso tempo (como já se tem dito), tem progredido a passos largos; não somente os crimes clássicos (assaltos, assassínios, sequestros...) vêm-se multiplicando, mas novas formas de agressão à vida humana estão tomando vulto no cenário nacional e internacional. Sejam lembradas as campanhas (freqüentemente vitoriosas) em prol do aborto, da eutanásia direta, da Engenharia Genética sem Ética... Uma das últimas expressões dessa cultura da morte é a aprovação, pelo Parlamento Europeu, da esterilização de pessoas deficientes no plano psíquico — fato ocorrido em setembro de 1992, como se dirá a seguir.

Visto que a inovação tem seus aspectos de aparente legitimidade e até... de humanitarismo, passamos a examinar detidamente a problemática.

 

 

1. A LEGISLAÇÃO DOS ULTIMOS DECÊNIOS

 

Logo após a segunda guerra mundial (1939-1945), os Estados Europeus assinaram o Tratado de Bruxelas (1948), que tencionava regulamentar pontos de interesse comum. Seguiram-se-lhe o Tratado da União Européia Ocidental (1954) e o da Comunidade Econômica Européia (1957). Todos esses Tratados, tendo em vista a manipulação da pessoa humana nos campos de concentração e nos cárceres de guerra, acentuaram a dignidade e os direitos de todo ser humano, mesmo quando deficiente físico ou mental. Em conseqüência, registraram-se, entre 1950 e 1960, dezoito "Recomendações" aos Governos Europeus em favor das pessoas deficientes.

 

Mais: após a instituição do Conselho da Europa, entre 1960 e 1981, vinte e seis "Resoluções" foram aprovadas no mesmo sentido.

 

Em 1984 foi promulgada a Resolução AP (84)3, que tinha por título: "Programas de Política de Reabilitação das Pessoas Deficientes por parte das Autoridades Nacionais" (17/09/84). Esta Resolução foi substituída por uma "Recomendação de uma Política Coerente em favor das Pessoas Deficientes", publicada pelo Conselho da Europa em 8/11/91, com a participação de todos os países da Europa Ocidental e Setentrional, mais a Hungria e a República Tcheca e Eslovaca.

 

No âmbito mundial, a Organização das Nações Unidas, em sua 26a Assembléia Geral, promulgou a "Declaração dos Direitos do Deficiente Mental" aos 20/12/1971. O primeiro desses direitos estipula:

"O deficiente mental deve gozar, em todos os setores possíveis, dos mesmos direitos que os outros seres humanos".

 

Em 9/12/1975 a 30a. Assembléia Geral da mesma ONU proclamou a "Declaração de Direitos das Pessoas Deficientes", em que se lia;

"Os direitos devem ser reconhecidos a todos os deficientes sem exceção, e sem distinções ou discriminações".

 

"O deficiente tem essencialmente direito ao respeito da sua dignidade humana. O deficiente, qualquer que seja a origem, a natureza e a gravidade de suas perturbações e incapacidades, tem os mesmos direitos fundamentais que os seus concidadãos da mesma idade".

Verdade é que tais Declarações nem sempre foram observadas; como se verá a seguir, algumas poucas nações européias chegaram a contradizer-lhes implícita ou explicitamente. Todavia muito grave é o fato que passamos a registrar.

 

 

2. A RECENTE POSIÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

 

Em setembro de 1992 o reconhecimento dos direitos dos deficientes foi seriamente ameaçado por uma decisão de tendência regressiva: o Parlamento Europeu aprovou uma proposta de Resolução sobre os direitos dos deficientes psíquicos, que confere legitimidade jurídica à esterilização de tais pessoas, desde que se trate de "pacientes incapazes de compreender e de querer"; a Resolução exige prévio exame de cada caso, com a participação de autoridades judiciárias, às quais é atribuído um papel decisório. Vê-se que, mediante tais cláusulas, os legisladores quiseram evitar gestos passionais e arbitrários; como quer que seja, assumiram uma posição gravemente atentatória à pessoa humana, especialmente se considerada sobre o pano de fundo das anteriores recomendações da ONU e de Conselhos de Países Europeus.

A Resolução em foco não contradiz apenas às normas do Direito, mas também aos valores éticos; põe em questão a inviolabilidade da pessoa humana. Só se pode admitir intervenção cirúrgica num ser humano, se se tem em vista a saúde ou o bem desse indivíduo; mesmo em tal caso, é a pessoa quem deve definir, consciente e livremente, se aceita ou não a cirurgia. Vê-se, pois, que há injustiça quando são terceiros que decidem a respeito da integridade física de um ser humano; a injustiça ainda é maior, quando a vítima é um sujeito fraco, impossibilitado de se defender ou de fazer valer os seus invioláveis direitos.

 

Merece consideração ainda o fato de que a decisão do Parlamento Europeu teve em seu favor uma enorme maioria, a saber: 154 votos favoráveis, 52 contrários e 14 abstenções. Isto mostra quanto está difundida nos países europeus a concepção de que a sociedade pode manipular e dominar pessoas deficientes, impondo-lhes, sem as consultar, tratamentos de graves conseqüências.

 

Aliás, já há alguns anos, vários países da Europa Ocidental acolheram em sua legislação normas que abrem brecha para a esterilização de deficientes mentais gravemente afetados. A Alemanha, por exemplo, e, depois, a Espanha despenalizaram tal intervenção, isto é, declararam-na isenta de qualquer sanção ou punição. Compreende-se que a decisão do Parlamento Europeu há de estimular outros países da Comunidade Européia a proceder de modo semelhante.

 

 

3. O EMBASAMENTO DA DECISÃO

A Resolução do Parlamento Europeu foi fundamentada sobre a alegação de que assim se impediria o nascimento de crianças gravemente deficientes ou, caso nascessem sadias, seria evitado que crescessem sem o acompanhamento de pai ou mãe, acompanhamento necessário à sadia evolução da criança.

Tal embasamento, porém, é falho, pois a experiência ensina que existem outros meios para evitar os males apontados. Com efeito, a fim de evitar o relacionamento sexual e a gravidez de pessoas deficientes, alguns psicólogos e pedagogos (masculinos e femininos) têm-se dedicado com afeto e respeito a tais pacientes, verificando que os deficientes são movidos não tanto por sede de sexo quanto por sede de amor; é precisamente a falta de amor que os leva a procurar o relacionamento sexual como compensação ou desabafo. Foi a esta conclusão que chegaram dois grandes apóstolos das pessoas deficientes: Jean Vanier, fundador das Communautés de l'Arche (Comunidades da Arca), instituídas principalmente para atender aos mais gravemente afetados por deficiência psíquica; e Don Luigi Monza, cuja obra dita "La Nostra Famiglia" conta numerosos casos.

A procura de esterilização dos deficientes pode ser entendida como sinal de excessiva valorização dos bens de consumo ou do dinheiro e do sucesso. A sociedade contemporânea se mostra disposta a sacrificar à busca de prazer os valores mais preciosos, como são as pessoas humanas, desde que estas sejam empecilho para gozar do bem-estar material. Há mesmo, entre os defensores da eliminação de seres humanos indesejáveis, os que julgam ser o aborto "uma conquista da civilização"; a eutanásia direta seria "um gesto de amor"; nessa perspectiva encaram a esterilização de deficientes mentais. Assim o homem contemporâneo, tendo-se desembaraçado de Deus, arroga a si o direito de dispor da vida, da morte ou da integridade física de seus semelhantes, especialmente dos desprovidos e indefesos.

Verifica-se, aliás, que a agressão à pessoa humana tem sido progressiva: do aborto oficializado, alguns Estados passaram à eutanásia direta legitimada; a seguir, vêm adotando novas medidas repressivas do ser humano, entre as quais a esterilização. Já o notava o Papa João Paulo II em um de seus discursos sobre a eutanásia:

"Como já se deu no tocante ao abortamento, a condenação moral da eutanásia permanece alheia e incompreensível àqueles que estão impregnados (por vezes, inconscientemente) de uma concepção da vida incompatível com a mensagem cristã ou mesmo com a dignidade da pessoa humana devidamente entendida".

 

 

4. A RESPOSTA CRISTÃ

 

Como se vê, a resposta cristã ao problema dos deficientes mentais e do seu relacionamento sexual recusa a mutilação física de tais pessoas; propõe, antes, um tratamento que preencha as carências afetivas desses pacientes de tal modo que superem por si mesmos a cobiça sexual.

 

Para promover tal tratamento, que é muito mais humano e digno do que a violenta intervenção cirúrgica, é necessário que os cristãos apregoem ao mundo a antropologia do Evangelho, oposta à visão meramente materialista e hedonista da sociedade de nossos dias. É necessário que os cristãos procurem realizar, no seu ambiente cotidiano, uma reviravolta da cultura, correspondente à nova evangelização proclamada por João Paulo II. Este, aos 12/10/92, falando aos Bispos reunidos em Santo Domingo, afirmava:

 

"A Igreja considera com preocupação a brecha existente entre os valores evangélicos e as culturas modernas; estas correm o perigo de se fechar sobre si mesmas numa espécie de involução agnóstica, privada de referência à dimensão moral. A Igreja deve saber dar uma resposta adequada à atual crise da cultura. Frente ao fenômeno complexo da modernidade, é necessário dar vida a uma alternativa cultural plenamente cristã".

O Papa julga que as manifestações da cultura da morte registradas em nossos dias constituem "um apelo dramático a todos os fiéis e a todos os homens de boa vontade, para que promovam, por todos os meios e em todos os níveis, uma autêntica virada cultural na marcha da nossa sociedade" (Discurso aos Participantes do 54o Curso de Atualização Cultural organizado pela Universidade do Sagrado Coração em Milão aos 6/9/1984).

É para desejar que os pungentes atentados contra a vida humana em nossos tempos não suscitem apenas a condenação da parte dos cristãos, mas também sirvam de ensejo a um revigoramento da proposta sempre lúcida e firme da mensagem do Evangelho.


GoNet - PR
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
3 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8917808)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.21
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns17.16
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.01
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.49
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.94
Vídeos  Milagres  4159 Imagens intactas em catástrofes!12.82
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.88
Vídeos  Doutrina  4160 Tudo está consumado11.62
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.35
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.03
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.95
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.76
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.02
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.93
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.60
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.45
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.41
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.24
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.10
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.07
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.99
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.97
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.86
A Igreja não é simplesmente uma escola, muito menos uma Câmara Legislativa, mas um organismo vivo, o Corpo de Cristo prolongado na terra.
Dom Estêvão Bettencourt

Católicos Online