Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Pregações: Homilias - As tentações do deserto - por Padre José Ruy

1º domingo da Quaresma – Ano A
O Pecado original – A solidariedade no pecado e na graça – As Tentações do Deserto


Áudio:



O início da Quaresma muda completamente o tom de nossa oração eclesial, a liturgia, a oração pública dos filhos e filhas de Deus.

Começamos o Ano litúrgico com os mistérios gozosos de nossa fé, mistérios que circundam o nascimento do Filho de Deus. Logo depois, passamos ao início da vida pública de Cristo, mistérios luminosos. Mas agora, o tom da liturgia nos transporta aos mistérios dolorosos: a cor é o roxo, as orações e os gestos são mais sóbrios e a música deve ser mais amena.

Tudo isso para que recolhendo os sentidos externos, despertemos os sentidos interiores e os preparemos para o campo de batalha mais importante de nossa vida: o campo de batalha do coração. Afinal, não é do coração que saem todas as más ações (cfr. Mt 12, 34 e 15, 18-19 e paralelos) e também os bons propósitos. Se ganharmos nesta primeiríssima arena, teremos também êxito no exterior.

Deste lugar mais interior, e também mais sincero, podemos dizer com o Rei Davi:
“Eu reconheço toda a minha iniquidade,/ o meu pecado está sempre à minha frente./ Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei,/ e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!
Criai em mim um coração que seja puro,/ dai-me de novo um espírito decidido./ Ó Senhor, não me afasteis de vossa face,/ nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!”

É bom que este clima litúrgico passe também para nossas casas, nossa família e nosso trabalho: gestos de amor e paciência com os mais inoportunos, trabalho duro oferecido a Deus e até mesmo o lazer pode ser menos egoísta, programado para alegrar os nossos, mais do que nos confortar, por exemplo.

O fato é que precisamos dar a Deus este tempo de penitência quaresmal porque temos uma dificuldade natural de perceber nossos pecados. Diria inclusive que hoje é ainda mais necessário falar de penitência, porque é muito difícil para o homem moderno entender o que é o pecado. O tempo todo somos convidados – pela propaganda, pelo cinema e pela internet – a acariciá-lo, piscar-lhe com um dos olhos e colocar nosso valor pessoal na malícia do pecado.

Entretanto, não adianta dizer que “as coisas estão mal”. Isso não muda nada! Se quisermos ser fieis a Deus, sejamos fieis na luta pela conversão do nosso coração, para podermos amar a Deus e amar o irmão.

Hoje lemos o Evangelho das tentações de Cristo no Deserto. E ensina São Leão Magno: “[Cristo] combateu para ensinar-nos a combater. Venceu para que nós, do mesmo modo, sejamos também vencedores. Pois não há ato de virtude sem a experiência das tentações, nem fé sem prova, nem combate sem inimigo, nem vitória sem batalha” (Sermão na Quaresma 1, 3 século V).

Poderíamos fazer uma semana de retiro para entender bem a questão da maldade do pecado, que se revela em Jesus morto na cruz, e a batalha da tentação, que é a escola da fidelidade de todos aqueles que querem servir a Deus de verdade, mas isso mereceria um estudo mais profundo. Queria então nesta homilia que entendêssemos um pouco melhor a batalha de Cristo, que é também a nossa batalha de todos os dias.

O demônio tentou a Cristo de três maneiras: pela pobreza, pela vanglória e pela ganância: ter, ser mais e poder. (Cfr. São Gregório Nazianzeno, Discurso 40, 10 – século IV)

Primeiro o “ter”. Quando o Evangelho fala que Jesus teve fome, talvez o texto tenha posto a deixa para que o tentador aparecesse. Mas quem nunca teve fome? E a fome é só um símbolo. Estamos falando aqui de nossas necessidades. Nós somos seres necessitados e frágeis. E o demônio se aproveita de nossa fraqueza para aguçar ainda mais os nossos sentidos, dando-nos a impressão de que poderemos ter o paraíso neste mundo se estivermos simplesmente “satisfeitos”. Quantas vezes nós não trabalhamos só por isso?! Por estar satisfeitos. E, nesta luta, irritamos os próximos, cedemos em pequenas e grandes mentiras, nos fechamos no egoísmo e... ao final, continuamos insatisfeitos.

Jesus eleva nossa cabeça quando diz que “Não só de pão vive o homem, mas de toda Palavra que sai da boca de Deus!” Assim, para vencer o demônio, jejue um pouco mais nesta quaresma. Quando estiver jejuando, Deus continuará falando ao seu coração.

Segundo o “ser mais”. É a tentação dos aplausos, do inchaço do orgulho. É bom lembrar que inchaço não é verdadeiro crescimento, é só aparência. E para “inchar-nos” o inimigo arma palcos para nós. Para Jesus, ele escolheu o Templo de Jerusalém. Interessante que ele sugeriu: “lança-te daqui a baixo!”. É triste, mas é verdade. Quando uma pessoa quer viver pelos aplausos ela acaba se rebaixando. Penso nos artistas que expõe ao ridículo para atrair o público. Estes Big Brothers da TV, que expõe as pessoas e as contrapõe, estes vídeos e câmeras de internet que são a ante sala do inferno. Parece que a plateia sempre está a procura de quem se jogue no abismo para tirar umas fotos, quem sabe alguns “selfs”?

Jesus recorda nossa dignidade. Não precisamos expor-nos para ganhar aplausos na terra, se Deus pede que nos guardemos para chegar às glórias do Céu.

Por último, o “poder”, a ganância. Sobre este eu não preciso dizer muito, porque como é uma tentação muito ousada, sempre revela o rabo do seu autor. É na busca de poder que os homens mostram sua careta mais horrível. As máscaras caem. E tem gente que adora até ao diabo. Tantas histórias antigas assim, não é? De pessoas que venderam a alma ao inimigo por causa do poder. Eu conheço um monte. Hoje também tem gente disposta a dar a alma ao diabo por causa do poder. Abre os jornais e você vai ver. Poderíamos dizer que mais do que operação Lava Jato a agente precisa é de uma operação água benta.

Jesus nos salva ele ordena: “Vai-te embora, Satanás, porque está escrito: ‘Adorarás ao Senhor, teu Deus, e somente a ele prestarás culto”. Tomara que neste tempo de Quaresma a voz de Deus fale mais alto que a do demônio em nossas famílias, em nosso trabalho e em nossas comunidades: “Vai-te embora ganância dos infernos!”

Pe. José Ruy

Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 6616718)/DIA
Diversos  Igreja  3958 O anticristo no século 2186.43
Diversos  Protestantismo  3956 Os santos e o protestantismo40.61
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo39.23
Diversos  Testemunhos  3957 A hora que dá sentido à minha vida36.34
Diversos  Mundo Atual  3955 Redução de Católicos no Brasil27.37
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?25.30
Diversos  Igreja  3949 Um dos papas mais odiados da história24.53
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista23.69
Diversos  História  3954 A Rússia será Católica22.32
Diversos  Igreja  3943 A visão diabólica do papa Leão XIII21.53
Diversos  Doutrina  3952 Sete Erros Capitais18.92
Diversos  História  3948 Quem fundou a Igreja?18.11
Diversos  Ciência e Fé  3947 Médico ateu foi a Lourdes e se converteu17.98
Diversos  Eventos  3946 A apatia dos católicos16.08
Diversos  Aparições  3953 Antes que seja demasiado tarde15.19
Diversos  Testemunhos  3938 As chaves do reino14.00
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação13.24
Diversos  Milagres  3931 Milagre Eucarístico no Vaticano13.17
Diversos  Testemunhos  3927 O garoto protestante que virou padre12.74
Diversos  Igreja  3950 O Papa não é o messias, mas o vigário de Cristo12.44
Diversos  Protestantismo  3738 Como Calvino me fez Católico12.14
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.87
Diversos  Doutrina  3951 O diabo é uma figura simbólica?11.15
Diversos  Santos e Místicos  3919 De analfabeta a doutora da Igreja10.85
A maior prova da instituição divina da Igreja é ela ter sobrevivido, e sobreviver, aos seus hierarcas.
Carlos Ramalhete

Católicos Online