Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Diversos: Mundo Atual - Papista! - por Padre Paulo Ricardo

Papista!



Versão Vídeo


Versão áudio


Infelizmente se tem notado, na Internet, certa leviandade dos católicos em relação ao Papa. O Pontífice Romano frequentemente é criticado como se fosse um qualquer, o que mostra uma grande ignorância da instituição do papado para a Igreja.

Em linhas gerais, a doutrina católica sobre o Papa foi condensada na Constituição Dogmática Pastor Aeternus, do Concílio Vaticano I [1]. As definições aí contidas são dogmáticas. Para nós, católicos, portanto, o seu conteúdo trata de certezas inabaláveis. Devemos dar o nosso consentimento total a algo ou por evidência ontológica (quando se diz, por exemplo, que dois mais dois são quatro), ou pelo testemunho de uma pessoa infalível (como é o caso de Cristo, cuja ação se manifesta também no Concílio Ecumênico). Por isso – pela autoridade divina que revela –, a infalibilidade papal é de fé obrigatória para todos os católicos. O teólogo suíço Hans Küng, por exemplo, quando escreveu a obra Unfehlbar? [“Infalível?"], perdeu a licença para lecionar teologia católica, já que tinha questionado um dogma de fé.

O texto da Pastor Aeternus começa lembrando a fundação divina da Igreja, a qual Nosso Senhor colocou sob o encargo dos apóstolos. Em seu primeiro capítulo, sobre “a instituição do primado apostólico em S. Pedro", o documento confirma que Cristo deu pessoalmente ao Apóstolo Pedro um poder que estava acima daquele dado aos doze. E conclui:

“Se, pois, alguém disser que o bem-aventurado Pedro Apóstolo não foi constituído por Jesus Cristo príncipe de todos os Apóstolos e chefe visível de toda a Igreja militante; ou que ele recebeu, direta e imediatamente, do mesmo Senhor nosso Jesus Cristo, apenas um primado de honra, não porém um primado de jurisdição verdadeira e própria: seja anátema." [2]
Portanto, São Pedro não era um primus inter pares, mas possuía uma autoridade realmente superior à dos demais apóstolos. Quando São Paulo, por exemplo, repreende publicamente São Pedro [3], ele o faz como um súdito que repreende o seu superior, não um igual.

No segundo capítulo da constituição, fala-se da “perpetuidade do primado de S. Pedro nos Romanos Pontífices". Não só Cristo confiou a São Pedro um encargo particular, como essa função é transmitida a todos os seus sucessores, que são os bispos de Roma:

“Se, portanto, alguém disser não ser por instituição do próprio Cristo, ou seja, de direito divino, que o bem-aventurado Pedro tem perpétuos sucessores no primado sobre a Igreja universal; ou que o Romano Pontífice não é o sucessor do bem-aventurado Pedro no mesmo primado: seja anátema." [4]
No terceiro capítulo, que fala da “natureza e o caráter do primado do Pontífice Romano", o Concílio Vaticano I recorda o “dever de subordinação hierárquica e de verdadeira obediência" que todos “os pastores e os fiéis de qualquer rito e dignidade" têm para com o Sumo Pontífice [5]. Por isso, o Papa não deve ser ouvido apenas quando fala infalivelmente, mas também em seus atos de Magistério ordinário.

Não é compreensível, por exemplo, que se afaste a necessidade de acolher os documentos do Concílio Vaticano II, sob o pretexto de que ele não definiu nenhum dogma infalível. Embora tenha sido pastoral, o Vaticano II é um ato magisterial autêntico, solene – pois se trata de um Concílio – e regido por dois papas. Ele não pode, pois, ser levianamente criticado, como muitas vezes se vê acontecer em meios ditos católicos, mas somente em uma situação muito grave e após um estudo muito sério.

E por que ficar “cheio de dedos" com relação a isso? Para explicar, pode servir a seguinte analogia. O quarto mandamento, honrar pai e mãe, impõe o dever de amar aqueles que nos geraram. Esse amor faz parte de uma instituição, que é a família. Ao contrário do que muitos erroneamente dizem, as instituições não são uma coisa “fria". Não há coisa mais terna do que a família e, no entanto, ela é uma instituição. O amor devido aos pais é, portanto, um amor institucional. Se, porém, parece muito óbvio respeitar e tratar bem os próprios familiares, o quarto mandamento também se encaixa no caso de pais que ou não são ou não foram bons pais ou, por algum pecado ou defeito, não sejam tão amáveis. Afinal, devem-se amar os pais não por aquilo que eles são ou deixaram de ser, mas pelo fato mesmo de serem pais.

Ora, o papado também é uma instituição. E realizada pelo próprio Deus. Por isso, todo católico tem o dever de amar o Santo Padre. É perfeitamente possível que se ame o Papa por alguma qualidade pessoal que ele possua – como João Paulo II, por ser carismático; ou Bento XVI, por ser um grande teólogo; ou Francisco, por ser humilde –, mas, antes de tudo, é preciso amá-lo pelo que é institucionalmente. Se um dia for eleito um Pontífice pelo qual se sinta certa antipatia, não é possível lavar as mãos e pensar que se esteja isento de amá-lo. Se ele foi eleito, é o chefe visível da Igreja e o pai de todos os católicos. E pai não se escolhe, recebe-se.

Conclui o capítulo terceiro lembrando que o Papa tem “o pleno e supremo poder de jurisdição sobre a Igreja universal, não só nas matérias referentes à fé e aos costumes, mas também nas que se referem à disciplina e ao governo da Igreja espalhada por todo o orbe" [6]. Isso diz respeito principalmente ao poder pontifício de nomear e depor os bispos ao redor do mundo. Se todos os Ordinários têm jurisdição particular e ordinária em suas dioceses, apenas o Sumo Pontífice tem “o pleno e supremo poder de jurisdição". Por isso se fala que não se pode apelar acima do Santo Padre. Um Papa só pode ser julgado por seu sucessor, quando já não o foi por uma declaração infalível de um predecessor ou de um Concílio Ecumênico. Em todo caso, sempre é possível, diante de um Papa que obriga os fiéis a fazerem algo que destruirá a sua fé, uma ação de “legítima defesa", por assim dizer: não se deve julgá-lo, mas, pode-se, em legítima defesa, não se fazer o que ele manda.

Importa lembrar, no entanto, que essa atitude só pode ser tomada quando há uma autoridade superior que manda o contrário do que diz o Papa – no caso, a autoridade de Deus. Não se pode tomar como desculpa para desobedecer a simples discordância pessoal de seus atos de Magistério. Eis uma ocasião oportuna para exercitar a virtude da obediência, que funciona justamente quando se entra em desacordo com seu superior.

Outro cuidado deve ser tomado no que concerne às críticas públicas ao Santo Padre. Infelizmente, alguns dentro da Igreja têm agido com certa tranquilidade para falar mal do vigário de Cristo na Terra, quando um verdadeiro católico, se tivesse uma razão muito séria para tal, fá-lo-ia sempre com afeto filial, e não com o sarcasmo e o prazer sádico que muitas vezes se vê.

No que tange à doutrina da infalibilidade papal, que é o conteúdo do quarto capítulo da Pastor Aeternus, pode ser útil uma comparação. Imagine-se que somos trabalhadores edificando uma construção e o engenheiro, que é o mestre de obras, tem um instrumento especial com o qual ele faz uma prospecção do terreno, a fim de saber que lugar é rocha ou areia. Na Igreja, os Papas são como esses engenheiros. No terreno em que se edifica a Igreja, não raras vezes a rocha está debaixo de uma camada de areia e só o Sumo Pontífice, como o mestre de obras, pode, assistido pelo Espírito Santo, dizer se aquele terreno é terra sólida ou não.

Nas atas do Concílio Vaticano I, Vincenzo Gasser, bispo de Bressanone, explica com muita clareza o que quer dizer a expressão “infalibilidade pessoal", com relação ao Sumo Pontífice. Não se trata de dizer que ele é infalível enquanto pessoa privada, mas enquanto sucessor de São Pedro, a quem Nosso Senhor confiou particularmente as chaves do Reino dos céus [7].

Além disso, o Santo Padre não é infalível o tempo todo, mas apenas em circunstâncias especiais. Nessas ocasiões, ele não se declara por conta de uma “nova revelação" – afinal, “a economia cristã, como nova e definitiva aliança, jamais passará, e já não se há de esperar nenhuma nova revelação pública antes da gloriosa manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo" [8] –, mas por assistência do Espírito Santo. Esta, a propósito, não dispensa a consulta dos meios humanos. O Papa Pio XII, quando proclamou o dogma da Assunção de Nossa Senhora, por exemplo, consultou o episcopado do mundo inteiro antes de fazê-lo. E – exemplifica São Roberto Belarmino, doutor da Igreja – o próprio São Pedro, que poderia ter dirimido por conta própria a controvérsia judaizante, preferiu convocar o Concílio de Jerusalém para resolver a questão [9].

Em tempos de crise pós-conciliar, é importante apontar o terreno sólido sobre o qual edificar a fé católica. Esse terreno apontaram-no os Papas, os santos doutores e, de modo especial, a constituição Pastor Aeternus, do Concílio Vaticano I, que vale a pena estudar e conhecer a fundo, pois é doutrina segura sobre o Papa, ensinada ao longo dos séculos pela Igreja.

Documentos para estudo
Constituição Dogmática Pastor Aeternus, 18 de julho de 1870

Referências

  1. Cf. Denzinger-Hünnerman, 3050-3075

  2. Ibidem, 3055

  3. Cf. Gl 2, 11-14

  4. Denzinger-Hünnerman, 3058

  5. Ibidem, 3060

  6. Ibidem, 3064

  7. Cf. Mt 16, 19

  8. Dei Verbum, 4

  9. Cf. At 15, 6-35



Padre Paulo Ricardo
Fonte: Christo Nihil Praeponere

Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
3 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9359471)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.55
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns21.92
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.18
Diversos  Igreja  4166 Papa Leão XIII e a visão de Satanás14.31
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.69
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.16
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo13.10
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.05
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.16
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.88
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.42
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.34
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.23
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.89
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.75
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.74
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.69
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.45
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.33
Diversos  Testemunhos  4164 Testemunho de minha travessia7.14
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.78
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.68
A Bíblia comprova o que a Igreja ensina, nunca foi o contrário.
Claudio Maria

Católicos Online