Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Experiência do Deserto

 

“... e esses homens estão longe de si mesmos, como ébrios de bebida, ébrios em espírito de mistério e de Deus”. (Pseudo-Macário, Homilias Espirituais).

 

Solidão, silêncio e oração incessante configuram o conceito central da espiritualidade do deserto, que tem grande valor para nós que vivemos situações sempre novas e desafiadoras como cristãos. Já ensinava São Paulo apóstolo: "Orai incessantemente" (1 Ts 5,17) foi fundamental para vida ascética dos Padres do Deserto, eremitas, monges e monjas.

 

Os Padres do Deserto foram eremitas, ascetas, monges e monjas que viviam majoritariamente no deserto da Nítria (Scetes), no Egito a partir do século III d.C. O mais conhecido deles foi Santo Antão (ou Santo Antônio, o Grande), que mudou-se para o deserto em 270-271 e se tornou conhecido tanto como o pai quanto o fundador do monasticismo no deserto. Quando Antão morreu em 356, milhares de monges e freiras tinham sido atraídos para a vida no deserto seguindo o exemplo do grande santo. Seu biógrafo, o doutor da Igreja Santo Atanásio de Alexandria, escreveu que "o deserto tinha se tornado uma cidade".

 

Nos séculos III e IV da era cristã os desertos da Síria e do Egito viram afluir em grande número homens como Santo Antão, São Pacômio, São Macário e Paulo de Tebas que, respondendo ao chamado de Jesus Cristo, deixaram a vida do mundo para se dedicarem a uma vida com Deus no deserto, na solidão e na oração, ali fundando os primeiros mosteiros da história cristã. Estes monges se tornaram conhecidos como os padres (ou pais) do deserto. Surgia, assim, uma nova sociedade à margem da antiga; comunidades de ascetas que, com o nome de lauras, sketes, coenobia, se tornariam, na solidão do deserto, o modelo da cidade vindoura, a Jerusalém Celeste.

 

Três principais tipos de monasticismo se desenvolveram no Egito à volta dos Padres do Deserto. Um foi a vida austera do eremita, como praticado pelo próprio Antão e seus seguidores no Baixo Egito. Outro foi a vida cenobita, comunidades de monges e monjas no Alto Egito formadas por São Pacômio. O terceiro foi uma vida semi-eremita vista principalmente na Nítria e em Scetes, a oeste do Nilo, iniciada por Santo Amum. Estes últimos eram pequenos grupos (de dois a seis) de monges e freiras com um ancião em comum - os grupos separados se reuniam em aglomerações maiores para a celebração dos sábados e domingos. Este terceiro grupo monástico foi responsável pela maior parte dos ditados que foram compilados na obra “Ditados dos Pais do Deserto.

 

Sinclética, Mãe do Deserto, disse: "No começo, há luta e muito trabalho para os que se aproximam de Deus. Mas, depois disso, há uma indescritível alegria. É como acender uma fogueira: no início há muita fumaça e seus olhos lacrimejam, mas depois você consegue o resultado desejado. Assim devemos acender o fogo divino em nós mesmos, com lágrimas e esforço".

 

Charles de Foucauld

 

Um dos principais fatores da caminhada do Padre Charles de Foucauld (1858-1916), foi a redescoberta do deserto. Ele, uma pessoa prática, de ação e inquieto, vai descobrir que apesar de toda técnica e conhecimento moderno, o bom Deus ainda deve ser encontrado na solidão e no silêncio do deserto. Ele escreveu: “É no deserto que nos despojamos, que afastamos de nós o que não é Deus, esvaziando completamente a pequena morada de nossa alma, para deixar todo o lugar exclusivamente só para Deus”.

 

“Nos primeiros anos do século XX, um francês amante da literatura e da vida de aventuras, renomado explorador, teve a oportunidade de viver uma das mais sugestivas aventuras cristãs do século passado. Charles de Foucauld, o monge que sozinho construía tabernáculos no deserto argelino para “transportar” Jesus para o meio àqueles que não o conheciam nem o buscavam, e que morreu assassinado por aqueles mesmos tuaregues entre os quais escolhera viver, em silêncio e oração, sem ter ganhado entre eles nenhum novo cristão. Sua história tão irrepetível constitui um dom de alento e de conforto”, escreveu o jornalista e escritor italiano Gianni Valente (1).

 

Charles de Foucauld recusou por muito tempo o termo missionário: “A minha vida aqui não é a de um missionário, mas a de um eremita” escreveu a Henry de Castries em 28 outubro de 1905 (2). A 2 de Julho de 1907, que mesmo escreveu a Mgr. Guérin, destacando as palavras "Eu sou um monge, não um missionário, feita para o silêncio, para não falar " (3). Esta recusa em ser chamado missionário levou-o a querer desenvolver um apostolado da presença silenciosa, "incógnito". Em correspondência, Ir. Charles acredita que esta presença é essencial, a fim de "gritar com a vida o Evangelho de Cristo".

 

Charles de Foucauld afirmou: "Quero passar sobre a terra de maneira obscura como um viajante à noite". "Viver na pobreza, na abjeção, no sofrimento, na solidão, no abandono para estar na vida com o meu Mestre, o meu Irmão, o meu Esposo, o meu Deus, que viveu assim toda a sua vida e me dá esse exemplo desde o nascimento". “A vossa vocação: Pregar o Evangelho silenciosamente como eu fiz na minha vida escondida, e como também fez Maria e José”.

 

Se para o Bem-Aventurado Charles de Foucauld o deserto foi de fato e de verdade o deserto do Saara, onde viveu 16 anos, para seus filhos espirituais este “deserto” consiste agora em participar de retiros espirituais, retirar-se em lugares isolados, de preferência em contato com a natureza, para assim despojamos diante de Deus, poder melhor escutá-lo, adorá-lo e amá-lo eternamente.

 

A experiência do deserto é um profundo encontro com Deus e uma comunhão de amor em prol da missão de gritar o Evangelho de Cristo com a vida.

 

Pe. Inácio José do Vale

Fraternidade Sacerdotal Jesus Cáritas

E-mail: [email protected]

 

Notas

(1) Fonte: http://www.30giorni.it/articoli_id_7974_l6.htm

(2)  Foucauld, Letters to Henry de Castries, Paris, Grasset, 1938, p. 177.

(3) Citado em J.-F. Six. Itinerário espiritual de Charles de Foucauld , Paris, Seuil, 1958, p. 280.

 

Bibliografia

NOUWEN, Henri J. M. A Espiritualidade do Deserto e o Ministério Contemporâneo - O Caminho do Coração. São Paulo: Ed. Loyola, 2000.

HAMMAN, E. Os Padres da Igreja, São Paulo: Ed. Paulinas, 1980.

LACARRIÈRE, Jacques. Padres do Deserto. São Paulo: Ed. Loyola, 1996.

CHRYSSAVGIS, John.  Ware, Kallistos. Ward, Benedicta. In the Heart of the Desert: Revised Edition: The Spirituality of the Desert Fathers and Mothers (Treasures of the World's Religions). Bloomington, Ind.: World Wisdom, 2008.


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9063501)/DIA
Pregações  Escatologia  4162 O Anticristo41.60
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.29
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns18.76
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.08
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.49
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.05
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.96
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.63
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.07
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.98
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.06
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.95
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.90
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.82
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.80
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.77
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.68
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.60
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.26
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.15
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.12
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.96
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.77
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.59
A mais poderosa obra de evangelização é o nosso testemunho.
Claudio Maria

Católicos Online