Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

A farsa do sexo livre

O "sexo livre", ao contrário do que a expressão sugere, não faz nada senão aprisionar o ser humano.

 

O homem não foi feito para o sexo livre. Muito antes de o movimento de contracultura fazer sucesso nos anos 1960 – com a invenção da pílula anticoncepcional, a legalização do divórcio e a aceitação do chamado "amor livre" –, Santo Tomás de Aquino, ainda no século XIII, demonstrou, de modo bem simples, porque toda a conversa dos hippies e revolucionários não passava de uma grande e verdadeira bobagem:

 

"A simples fornicação importa uma desordem, que redunda em dano da vida do que nascerá dessa união sexual. Vemos, pois, que todos os animais que precisam dos cuidados do macho e da fêmea para criarem os filhos, não praticam o sexo livre, mas o de um macho com uma determinada fêmea, uma ou várias, como se vê em todas as aves. Ao contrário, os animais em que as fêmeas por si só são capazes de criar os filhos, praticam o sexo livre, como se vê nos cães e em outros animais. Ora, é manifesto que, para a criação dos filhos na espécie humana, não bastam apenas os cuidados da mãe, que os amamenta, mas muito mais os cuidados do pai, que deve educá-los, defendê-los e dotá-los de bens tanto internos como externos. Por isso, é contra a natureza do ser humano praticar o sexo livre, sendo necessária a união de um homem a uma determinada mulher, com a qual ele permaneça não por pouco tempo, mas diuturnamente e mesmo por toda a vida. E daí vem para a natureza humana a solicitude natural do homem pela certeza de sua prole, porque cabe a ele educá-la. Ora, essa certeza desapareceria com o sexo livre." [1]

Se você acaba de ler estas linhas e está revoltado com o que encontrou, feche os olhos e respire. Se não é católico, deixe de lado por um momento os termos religiosos empregados por Santo Tomás – ou simplesmente Tomás, se preferir – e tente raciocinar um pouco.

Embora o trecho acima tenha sido retirado de sua Suma de Teologia e use expressões consagradas pela religião católica, o argumento tomista não tem nada de religioso. É puramente racional. Não é preciso ser católico para admitir que "a fornicação simples redunda em dano da vida do que nascerá dessa união sexual". A multidão de filhos abandonados por homens irresponsáveis (e criados tão somente por suas mães), além de outra incontável multidão de bebês mortos ainda no ventre materno, testemunham que, de fato, a vida deve acontecer dentro da comunidade familiar, da aliança firmada por um homem e uma mulher, "não por pouco tempo, mas diuturnamente e mesmo por toda a vida". Além da questão espiritual, é com vista ao bem dos filhos que o sexo fora do casamento é condenado pela Igreja – e era, até há algumas décadas, evitado pela sociedade.

Diante de tudo isso, alguém pode objetar que o argumento de Tomás já é obsoleto, pois já foram inventadas a pílula, a camisinha e toda sorte de métodos anticoncepcionais. "Se o problema são os filhos – diz-se –, não é preciso mais evitar a fornicação. Compre camisinhas e seja feliz". Not so fast. Esse lema de propagandas de Carnaval, longe de ser uma solução para os dramas afetivos e sexuais das pessoas, só torna ainda mais fundo o abismo em que elas se acham.

 

É o que lembrou o Papa São João Paulo II – ou simplesmente João Paulo, se preferir –, quando falou, em suas catequeses, sobre a "linguagem do corpo". Ao se relacionarem sexualmente, homem e mulher entregam-se totalmente um ao outro. Os seus corpos "falam" que eles se tornaram "uma só carne" ( Gn 2, 24). Ora, como é possível que, logo depois que se doa deste modo, o casal se levante de seu leito, cada um pegue as suas coisas e volte para sua própria casa – como se aquele ato sexual não fosse ou não significasse nada? Não é evidente a farsa de um relacionamento – ou vários – que deseja o sexo, mas rejeita um compromisso sério? Que quer prazer, mas não se compromete com o outro?

 

Para os promotores e simpatizantes da Revolução Sexual, no entanto, tudo isso a que o homem assiste estupefato e boquiaberto – desde a destruição da família até ao desprezo da própria vida humana – foi perfeitamente querido e planejado. Não foi o próprio Herbert Marcuse quem pediu a "erotização da personalidade total", a fim de desintegrar "as instituições em que foram organizadas as relações privadas interpessoais, particularmente a família monogâmica e patriarcal"? Não foi justamente o autor da Escola de Frankfurt quem incentivou sair "da sexualidade a serviço da reprodução para a sexualidade na função de 'obter prazer através de zonas do corpo'" [2]? Eis que hoje os seus augúrios estão em pleno funcionamento – e a todo vapor!

 

Mas, o que a modernidade ganhou depois de todos esses "avanços"? Não muita coisa. Filhos sem pais. Pais sem esposas. Esposas que não são mães. E, como se não bastasse, mães que matam os próprios filhos. Este é o "admirável mundo novo" construído pelos arautos da Revolução Sexual – e, acredite se quiser, é apenas o início, o começo de um despenhadeiro, sem fundo, cujo nome é "inferno".

É claro que ainda há remédio para a humanidade. Se Marcuse, em 1955, sugeria que, para tornar o homem livre, "o 'pecado original' deveria ser cometido de novo" [3], a Igreja recorda ao ser humano a sua vocação à eternidade e à união com Deus, a única que pode verdadeiramente libertá-lo. Que ninguém se engane: o sexo dito "livre" não faz outra coisa senão aprisionar o homem. É na entrega fiel e amorosa no Matrimônio – e da própria vida, a Deus – que se encontra a verdadeira libertação. "Conhecereis a verdade, e a verdade vos tornará livres" (Jo 8, 32), diz Nosso Senhor.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

1.       Suma Teológica, II-II, q. 154, a. 2

2.       Herbert Marcuse. Eros e Civilização. 6. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975. p. 176

3.       Ibidem, p. 174

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 7810322)/DIA
Diversos  Espiritualidade  4121 O Espírito Santo entre nós30.61
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?29.54
Vídeos  Testemunhos  4122 A conversão de Peter Kreeft23.12
Diversos  Igreja  4111 9 coisas que afastam as pessoas da Igreja18.94
Vídeos  História  4117 O nascimento da Igreja Católica18.18
Diversos  Aparições  4119 Nossos tempos são os últimos?15.64
Diversos  Doutrina  4120 A importância do catecismo14.46
Diversos  Apologética  4109 A virgindade perpétua de Maria na Bíblia14.35
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.27
Diversos  Testemunhos  4118 Como a Igreja mudou minha vida12.04
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?11.67
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.25
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo10.92
Diversos  Apologética  4102 Somente a Bíblia? Mentira!10.70
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.53
Pregações  Doutrina  4091 O discurso do pobre10.42
Diversos  Mundo Atual  4113 É o fim do cristianismo e da religião?10.36
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo10.09
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas9.81
Diversos  Igreja  4114 Unidade e Contradição9.00
Diversos  Sociedade  4116 O controle do povo8.94
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista8.61
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma8.60
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.58
'Não errai, irmãos: se qualquer homem seguir àquele que faz um cisma da Igreja, ele não herdará o Reino de Deus. (...) Tende uma só Eucaristia, pois é una a Carne de Nosso Senhor Jesus Cristo, uno o cálice da unidade de Seu Sangue, uno o altar e uno o Bispo com o presbitério e os diáconos'. Epístola de Sto. Inácio de Antioquia aos Filadélfios.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online