Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Encontro Mundial de Movimentos Populares no Vaticano

Tentativa de ressuscitar grupos revolucionários?

Nelson Ramos Barretto

 

Roma

A convite do Pontifício Conselho de Justiça e Paz e da Pontifícia Academia das Ciências Sociais, com o decidido apoio do Papa Francisco, líderes dos assim chamados Movimentos Populares dos cinco continentes se reuniram nos dias 27 a 29 de outubro, em Roma, para três dias de debates sobre três temas apresentados como fundamentais: terra, moradia e trabalho.

 

“O Papa Francisco não se esqueceu de nós”, declarou um dos organizadores do evento, de clara tendência marxista, o argentino Juan Grabois, responsável pela Confederação dos Trabalhadores da Economia Popular. “Jorge Bergoglio nos acompanhou por anos no processo de organização dos recicladores, camponeses, vendedores ambulantes, artesãos e herdeiros da crise provocada pelo capitalismo neoliberal”,acrescentou Grabois.

 

João Pedro Stedile (*) encontra Papa Francisco – o líder do MST foi convidado para fazer o discurso de encerramento de encontro de “Movimentos Populares” no Vaticano.

 

Os temas em debate no dia 27 foram: desigualdade e exclusão social, dignidade humana e meio ambiente. A conclusão dos trabalhos do dia foi feito pelo líder do Movimento dos Sem-Terra (MST), também marxista, João Pedro Stédile.

 

No dia seguinte, terça-feira, no Vaticano, na antiga Sala do Sínodo, houve o encontro com o Papa Francisco, estando presente o presidente boliviano (e bolivariano) Evo Morales, que participou do evento na qualidade de ex-representante dos movimentos populares.

 

De passagem por Roma, a Agência Boa Imprensa (ABIM), pediu-me para acompanhar esse importante evento, especialmente o segundo dia dele realizado no Vaticano. O programa da manhã, que contou com a presença do Papa, foi fechado para a imprensa. Com isso, as informações para o grande público foram filtradas pelos comunicados oficiais, o que é aliás, habitual nas reuniões dos movimentos populares, que têm lá seus segredos revolucionários.

 

Longa preparação e estranho silêncio

 

Segundo a Agência Fides, o Papa Francisco encorajou os presentes a "construir uma Igreja pobre e para os pobres". No mesmo despacho, Fides informa que mais de 100 leigos, líderes de grupos sociais, 30 bispos engajados com as realidades e os movimentos sociais em seus países (leia-se bispos de esquerda), e cerca de 50 agentes pastorais, além de alguns membros da Cúria romana, participaram do Encontro Mundial dos Movimentos Populares.

 

Esse congresso mundial foi preparado em menos de um ano. Em dezembro de 2013, quando houve a primeira reunião de alguns líderes como João Pedro Stédile do MST e Juan Grabois no Vaticano, foi anunciada a preparação de um Encontro internacional para outubro de 2014. (vide Catolicismo, março/2014 — Reverente e Filial Mensagem). Depois do Encontro de dezembro de 2013 em Roma, não se publicou mais nada.

 

Movimentos revolucionários

 

Quando se analisa a lista dos movimentos convidados e representados no Encontro, causa perplexidade a lista de crimes, invasões e depredações imputadas a estes movimentos na sua luta revolucionária para a implantação do socialismo.

 

O que teria motivado o Vaticano na escolha desses movimentos revolucionários dos mais radicais que manipulam as classes populares para a revolta e a implantação do comunismo? Por que entidades sérias que se dedicam a ajudar os pobres não foram convidadas? Por que esse preconceito contra as entidades classificadas de “assistencialistas”?

 

A pauta do encontro: como eliminar o capitalismo

 

O segundo dia do Encontro realizado no Vaticano foi o mais importante. Para facilitar a exposição começaremos pela sessão da tarde para depois tratarmos do discurso do Papa proferido no período da manhã.

 

O local escolhido foi a antiga sala do Sínodo. Pobre, despojada e sem reboco, com os tijolinhos aparentes, ela está localizada na parte mais medieval do Palácio Apostólico, não possuindo por isso o fausto barroco-renascentista dos andares superiores. A primeira parte da sessão foi presidida pela Dra. Margareth Archer, Presidente da Pontifícia Academia de Ciências Sociais, e a segunda pelo cardeal Turkson, Prefeito do Pontifício Conselho de Justiça e Paz.

 

A palavra de ordem que mais se ouviu entre expositores e debatedores foi “derrubar o capitalismo”, classificado como um regime opressor. Evo Morales, presidente da Bolívia, começou propondo eliminar o capitalismo em que tudo é mercantilizado. Condenou a “invasão” europeia de 520 anos no continente americano. Pediu o fim do bloqueio comercial de Cuba, sem nenhuma palavra de reprovação à férrea ditadura comunista imposta àquela infeliz nação.

 

Era difícil imaginar que uma reunião de líderes revolucionários comunistas e filocomunistas pudesse se realizar dentro do Vaticano. Todos agradeciam o apoio do Pontífice. Um representante africano chegou a perguntar “se agora não seria o momento ideal de derrubar o capitalismo?”

 

Depois da Dra. Margaretth Archer e do Pe. Michael Czerny, SJ falou Juan Grabois, soi-disant líder dos recicladores da Argentina. Este, após elogiar as palavras do Papa dirigidas aos presentes, relembrou o pedido de Francisco de que os movimentos superassem seus conflitos de ideias, tivessem uma visão global do movimento e iniciassem sem perda de tempo o processo de luta revolucionária.

 

As palavras do Papa despertam perplexidade

 

Na antiga sala do Sínodo, o Papa Francisco exortou os presentes: “Continuem com a vossa luta, caros irmãos e irmãs, faz bem a todos nós”. Segundo matéria de Gian Guido Vecchi, do diário italiano “Corriere della Sera”, nunca se tinha visto um Papa diante de 150 pessoas de 80 países representando os “movimentos populares” do mundo inteiro para uma conferência sobre “Terra, teto e trabalho, as últimas chagas do planeta”.

 

Com efeito, o Papa Francisco serviu-se da linguagem utilizada por socialistas utópicos que apregoam um paraíso nesta terra onde apenas os bens materiais são levados em conta: “Vamos repetir juntos do fundo do coração: nenhuma família sem-teto! Nenhum camponês sem-terra! Nenhum trabalhador sem direitos! Nenhuma pessoa sem a dignidade que dá o trabalho”.

 

Reconhecendo que suas palavras poderiam causar estranheza pelo seu sentido inequívoco, o Papa tentou defender-se da acusação de comunista: “Terra, teto e trabalho. É estranho, mas se eu falo disso, o Papa é um comunista, afirmou ele. “Não se compreende que o amor pelos pobres é o centro do Evangelho. Terra, casa e trabalho, aquilo para o qual vocês lutam, são direitos sagrados. Exigir tais coisas, de fato, não é algo estranho, é a doutrina social da Igreja”.

 

A cena sem precedentes de um Papa que repete chavões da luta de classe socialista deixou muitos setores católicos perplexos, como se vê, por exemplo, nos comentários do leitor Alceir, do site “Frates in unum”: “Ao longo de dois mil anos tudo que a Igreja fez foi dar de comer a quem tem fome, vestir quem está nu e instruir os ignorantes. Os primeiros hospitais e sanatórios do mundo foram criados pela Igreja. As primeiras universidades do mundo foram criadas pela Igreja. De dentro do povo católico nasceram as Santas Casas de Misericórdia".

 

E prossegue: "A Igreja forjou a santidade de homens e mulheres extraordinários como São Francisco de Assis, São Vicente de Paula, São Martinho de Tours, São Bernardo de Claraval. Santos que renunciaram ao mundo para abraçar a causa de Cristo e o serviço aos pobres e doentes. Com o regime de suserania e vassalagem a Igreja amparou e protegeu o camponês que deixou de ser um mero escravo do senhor de terras para ser um servo da gleba que, embora preso a um pacto de vassalagem, era livre para ter seus bens e seus animais. Em todos esses tempos a Igreja nunca pregou o conceito de ‘luta’ como método para fazer ‘justiça social’”.

 

Amor de Cristo pelos pobres

 

A “Teologia da Libertação” confunde deliberadamente o amor pelos pobres de Nosso Senhor Jesus Cristo e depois praticado pela Igreja e pelos santos durante dois mil anos, com a luta de classes marxista. De um lado, a Igreja segue o preceito evangélico ao dar de comer a quem tem fome, vestir a quem está nu e ao instruir os ignorantes. Do outro lado, o comunismo implantou um regime tirânico, opressor, igualitário e usurpador do direito de propriedade, regime que só gerou fome e miséria.

 

Outra frase que causa perplexidade é afirmar que o amor aos pobres é o centro do Evangelho. Esta é uma distorção feita pela Teologia da Libertação, para a qual pobres só existem no sentido material e terreno, quando a Redenção operada por Nosso Senhor Jesus Cristo consiste em salvar eternamente os “pobres pecadores”, que somos todos nós, ricos e pobres.

 

Condenação do comunismo

 

A livre circulação dos erros da “Teologia da Libertação” nos ambientes católicos só foi possível porque as advertências de Nossa Senhora em Fátima contra o comunismo foram esquecidas ou mesmo repudiadas. No livro “Um caminho sob o olhar de Maria” publicado pelo Carmelo de Coimbra em outubro de 2013 com uma biografia da vidente Irmã Lúcia, figura sua exortação sobre a urgência da revelação em 1960, comunicada pela Virgem Santíssima, da terceira parte do segredo. Isso deveria ser feito para frear a expansão do comunismo. Infelizmente, também, o Concílio Vaticano II não atendeu ao apelo de 440 bispos para que se condenasse o comunismo, e não fez qualquer menção ao comunismo. E a infiltração comunista na Igreja foi tremenda e continua na atualidade a sua devastação nos meios católicos.

 

Papa Francisco e a utopia igualitária

 

Segundo “Corriere della Sera”, no discurso do Papa aparecem os traços de uma nova “Encíclica social”: “Enfrentar o escândalo da pobreza ‘não é uma ideologia’, diz Francisco, tem tudo a ver com a ‘solidariedade’ que, ‘em sentido profundo’ significa ‘fazer história’ e ‘lutar contra as causas estruturais da desigualdade’, fazer frente ‘aos efeitos destrutivos do império do dinheiro’. Os pobres ‘não esperam de braços cruzados a ajuda de ONGs ou planos assistenciais’. E propõe: ‘Ponham os pés na lama e as mãos na carne. Tenham cheiro de bairro, de povo, de luta’.

 

“Assim o Papa dispara sobre as falhas de ‘um sistema econômico centrado no deus do dinheiro’, da ‘grilagem’, da ‘pilhagem da natureza’, do ‘crime’ da fome, da miséria daqueles que estão nas ruas e são chamados de ‘sem-teto’, o ‘excedente’ da mão de obra. ‘Em geral, por trás de um eufemismo há um delito’”.

Nem uma palavra sobre a trágica situação dos pobres em Cuba, na Coreia do Norte ou na antiga União Soviética!

 

Revitalizar as democracias rumo aos conselhos bolivarianos?

 

“O Papa Francisco rejeita as ‘estratégias’ para ‘cativar’ os pobres e o assistencialismo. Os Movimentos ‘expressam a necessidade urgente de revitalizar as nossas democracias'". Que novas formas de participação serão estas?

 

Uma das possibilidades parece ser a criação dos conselhos populares, conforme o decreto 8243 do governo da presidente Dilma Rousseff, um eufemismo para se adotar a ditadura dos soviets. Felizmente, há no Congresso forte reação para derrubar esse decreto.

 

Resultado do encontro

 

Não só no Brasil, mas também na América Latina, os movimentos inspirados pela a Teologia da Libertação carecem de apoio popular. Eles só não desapareceram porque ainda contam com apoio de governos esquerdistas e sobretudo da esquerda católica.

 

Esse encontro parece ser o grito de desespero dos seus líderes em busca de um apoio do Vaticano à falta de sustentação das bases católicas. Estas discernem na pregação da luta de classes a velha e fracassada meta de implantar o regime da igualdade sonhada pelo comunismo.

 

*Trecho da Cartilha do MST com o pensamento João Pedro Stedile:

Os dirigentes possuem um sonho revolucionário que é construir sobre os escombros do capitalismo uma sociedade socialista. Muitas vezes as aspirações dos dirigentes não são as mesmas da massa. Nesse caso é preciso desenvolver um trabalho ideológico para fazer com que as aspirações da massa adquiram caráter político e revolucionário”.

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
3 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL
#0•A3285•C610   2014-12-06 11:47:51 - 1/Manager
O viés do artigo é anticomunista e procura interpretar os fatos com esse objetivo de forma um tanto quanto parcial, prejulgando o papa e suas intenções.

É preciso distinguir o fato descrito e a opinião do autor do artigo.
Acredito que a intenção do papa Francisco seja atrair para a Igreja mesmo seus membros mais extremistas, por meio do DIÁLOGO, que é uma característica marcante deste papa, corrigindo assim seus rumos. É mais inteligente e misericordioso do que simplesmente sair baixando o cacete.

Concordo, porém, que há um linguajar marxista ambíguo e inap......

Ler mais...  -  Responder

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 7986218)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?29.66
Vídeos  Mundo Atual  4128 A 'Humanae Vitae' e a apostasia dos cristãos21.80
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.33
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?11.86
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.17
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.62
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo10.33
Diversos  Prática Cristã  4123 Sete coisas que eu aprendi com a pornografia10.23
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas9.97
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo9.36
Diversos  Igreja  4111 9 coisas que afastam as pessoas da Igreja8.72
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.45
Diversos  Apologética  4109 A virgindade perpétua de Maria na Bíblia8.12
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista8.05
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.94
Vídeos  Prática Cristã  4127 Como controlar a irritação?7.79
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma7.70
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns7.64
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.63
Diversos  Espiritualidade  4126 Evitar a mente perturbada7.47
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.40
Vídeos  História  4117 O nascimento da Igreja Católica7.29
Diversos  Espiritualidade  4121 O Espírito Santo entre nós7.29
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.13
Onde não há virtudes naturais a graça não pode operar.
Carlos Ramalhete

Católicos Online