Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS – dez 1962

 

CORRIGIR OU MUDAR O SEXO?

MORAL

C. B. (RJ): «Que dizer das operações cirúrgicas destinadas a corrigir ou mudar o sexo do paciente?

(O famoso Cocinelli era figura multo conhecida nos 'cabarets' de Paris. Após uma operação cirúrgica, passou a viver como uma insinuante mulher, chegando a contrair núpcias com o seu empresário. Em viagem para Buenos Aires, Cocinelli se deteve no Rio de Janeiro, onde declarou que se sentia feliz com a mudança de sexo, mas deplorava nunca poder ter filhos).

 

Os casos de operação destinada a «corrigir» ou modificar a vida sexual de alguém são assaz complexos, pois o comportamento sexual da personalidade humana é dependente não apenas de fatores fisiológicos, mas também de elementos psicológicos. Por isto, a fim de se proferir um juízo adequado sobre a liceidade de tais intervenções cirúrgicas, requer-se a consideração de caso por caso, com as circunstâncias e os traços que o caracterizam; sòmente depois disto se poderá falar de liceidade ou iliceidade da intervenção cirúrgica.

 

Em consequência, limitar-nos-emos aqui a enunciar os princípios de Moral que devem reger toda e qualquer operação desse tipo. Ao sacerdote, ao médico e às pessoas interessadas toca fazer a aplicação de tais normas às situações concretas que ocorrem na vida prática.

Eis, pois, o que em qualquer caso se deverá tomar em consideração:

 

1)   Qualquer intervenção cirúrgica na vida sexual de alguém há de ser consentânea com as demonstrações de sexualidade (masculina ou feminina) espontâneas ou inatas que o paciente apresente; deverá, portanto, favorecer o desenvolvimento da natureza na sua própria linha ou segundo a orientação (varonil ou feminina) que o Criador tenha assinalado a tal pessoa.

 

Donde se vê que é ilícita qualquer tentativa de mudar o sexo de um indivíduo ou de fazer passar de um sexo esboçado na anatomia do sujeito para o sexo oposto. Uma tal obra equivaleria a contrariar a natureza — coisa que já não é do alcance moral do homem. Vê-se também que, em casos de dúvida sobre as verdadeiras tendências sexuais de um paciente (casos de ambiguidade sexual), o cirurgião se deve abster de intervir. Só operará desde que tenha certeza de estar desenvolvendo a ação mesma da natureza.

 

Este princípio de Moral restringe muito o âmbito da liceidade das operações cm foco. Nova restrição é imposta pelo principio no 2:

 

2)   A intervenção cirúrgica só é lícita caso se possa prever (ao menos com forte probabilidade) que tornará o paciente capaz de gerar prole, ou seja, capaz de contrair matrimônio.

 

Esta regra se deriva imediatamente do fato de que o uso das funções sexuais só é licito dentro do contrato matrimonial, contrato matrimonial cuja finalidade primária é a geração da prole (em casos de impotência absoluta e incurável, o casamento é nulo, pois não há matéria de contrato matrimonial; cf. «P.R.» 11/1958, qu. 6). Por conseguinte, uma intervenção cirúrgica que deixe a pessoa impotente ou incapaz de gerar, e apenas vise libertar o paciente de um complexo de inferioridade, proporcionando-lhe comportamento sexual aparentemente normal, não se justifica perante a consciência. Tal intervenção só serve para favorecer o hedonismo, o gozo ilícito, quiçá mesmo o adultério e a fornicação; a pessoa assim «beneficiada» poderá dissimular a sua impotência e tentar contrair matrimônio, que na verdade será abusivo e nulo, mas terá a aparência de casamento válido.

 

Para ilustrar estas normas, o Dr. Alberto Niedermcyer, Catedrático da Universidade de Viena na Áustria, refere um exemplo de intervenção cirúrgica ilícita:

 

Um jovem de fisiologia masculina apresenta reações sexuais ambíguas ou, em aparência, hermafroditas. Erroneamente é educado como se pertencesse ao sexo feminino. Na idade oportuna, essa presumida donzela concebe o desejo de «contrair matrimônio» com determinado rapaz. Cai então sob os cuidados de um médico, que «se compadece» de tal paciente e resolve favorecer «de maneira cientificas os seus planos matrimoniais, a fim de lhe levantar o ânimo e dar-lhe certa alegria na vida. O cirurgião decide, pois, proceder do seguinte modo : mediante castração faz que o indivíduo se torne eunuco, ou seja, estéril: a seguir, tomando um pedaço de intestino, forma uma vagina artificial e enxerta-a no organismo do paciente; este assim adquire a possibilidade de ter relações sexuais do tipo feminino. Claro está, porém, que tais relações sexuais ficarão totalmente estéreis e nunca constituirão matéria de contrato matrimonial. Por conseguinte, o tratamento cirúrgico assim concebido é ilícito, tocando mesmo as raias da hediondez (cf. A. Niedermeyer, Compendio de Medicina Pastoral. Barcelona 1957, pág. 275).

De quanto acaba de ser dito, depreende-se sem dificuldade que

 

3) Não é lícito tentar corrigir o homossexualismo empreendendo alguma intervenção cirúrgica que vise dar ao paciente a fisiologia do sexo oposto.

 

Um tal empreendimento não somente seria contrário à Moral, mas estaria também em oposição às tendências da Medicina moderna. Esta geralmente considera o homossexualismo como um defeito psíquico, derivado da educação, de influências do ambiente ou de preconceitos, mais do que um defeito fisiológico ou hormonal (verdade é que não se podem negar também causas de homossexualismo anatômicas ou orgânicas).

Sobre a maneira de tratar o homossexualismo, cf. «P.R.» 5/1958, qu. 7.

 

4)   Há casos de pessoas do sexo feminino cuja conduta sexual é sadia, mas que, em determinada fase da vida, vêm a sofrer de desequilíbrio das glândulas endócrinas. Em consequência, apresentam características secundárias sexuais do tipo masculino. Este fenômeno, dito «de masculinização», deve-se principalmente a certos tumores no ovário (arrenoblastomas); uma vez eliminado o tumor, dá-se, na maioria dos casos, a completa regressão ao sexo feminino. Evidentemente a intervenção cirúrgica, nesses casos, é de todo legitima, pois não faz senão restituir a pessoa ao seu comportamento natural e normal.

 

Estes princípios são suficientes para sugerir toda a cautela em se tratando de operações tão complexas do ponto de vista da Medicina e tão facilmente condenáveis do ponto de vista da Moral. Qualquer intervenção no funcionamento sexual da pessoa humana, seja por via cirúrgica, seja por via psicológica, é ilícita, caso venha a ser empreendida fora das normas acima formuladas. Torna-se assim muito restrito e rarefeito o número de casos em que a consciência moral pode consentir em tratamentos desse tipo.

 

Quanto ao procedimento de Cocinelli em particular, apresenta-se, no foro externo, evidentemente com todos os sintomas de iliceidade; quanto ao foro interno ou à consciência, o Supremo Juiz julgará.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8924320)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.23
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns17.22
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.01
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.49
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.94
Vídeos  Milagres  4159 Imagens intactas em catástrofes!12.12
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.89
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.38
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.04
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.95
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.77
Vídeos  Doutrina  4160 Tudo está consumado9.16
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.02
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.94
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.61
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.44
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.41
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.26
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.12
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.08
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.99
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.97
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.86
A eficácia do nosso serviço à Igreja, depende essencialmente da nossa fidelidade à realeza divina do Amor crucificado.
Papa Bento XVI

Católicos Online