Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS – dez 1962

 

LÍCITAS AS OPERAÇÕES PLÁSTICAS?

ENFERMEIRA (Curitiba) :

«As operações plásticas, que visam dar uma configuração mais estética ao paciente, serão lícitas?»

 

Em primeiro lugar, exporemos o problema como tal, afim de propor com clareza os princípios de solução respectivos.

 

1. O problema

 

As operações plásticas (também ditas «ortopédicas», em sentido largo) não tem por objetivo restaurar a saúde, salvar a vida ou mitigar dores veementes, como as demais intervenções cirúrgicas, mas visam unicamente corrigir deformações do corpo, sem que essa correção seja sempre necessária ou útil para que o paciente tenha vida e saúde. Por conseguinte, as operações plásticas são inspiradas unicamente pelo desejo de beneficiar e aperfeiçoar o aspecto físico do paciente.

 

Já os médicos gregos Hipócrates (-377 a.C.) e Galeno (-200 d.C) praticavam tais intervenções (naturalmente em escala muito reduzida, dada a precariedade de seus recursos profissionais). Os antigos após Cristo e os medievais pouco se interessaram por essa técnica. Foi apenas no século passado que surgiu propriamente a ortopedia científica, apoiada em estudos e publicações importantes, principalmente na Alemanha. Hoje em dia vão-se descobrindo e multiplicando receitas e operações destinadas tão somente a corrigir deformidades do corpo humano. A radioterapia é frequentemente utilizada nesse ramo da medicina. com resultados notáveis para a estética do paciente.

 

Sabe-se, porém, que esses tratamentos muitas vezes acarretam graves riscos para a saúde da pessoa Interessada ou requerem despesas vultuosas. Daí a dúvida que espontaneamente se origina no intimo de cada consciência: que dirá a respeito a Moral cristã? O Senhor Deus não condenará tais usos ou abusos da ciência?

Vejamos o que a essas questões responde a sã doutrina.

 

2. Os princípios de solução

 

1.   Evidentemente as operações plásticas acarretam consigo perigos ou riscos de todo indesejáveis. Sim,

a)          podem constituir alimento para a vaidade do sujeito, que mais e mais tenderá a fazer de sua pessoa e de seu aspecto físico o ponto de convergência, consciente ou inconsciente, de sua atenção. Egocentrismo, vã complacência em si podem destarte ser fomentados, com detrimento para a dignidade moral do ser humano;

b)          despesas avultadas vão sendo efetuadas por ocasião das intervenções sem que haja necessidade nem proporcional compensação. Ora a Providência distribui aos homens o dinheiro e os bens deste mundo para que os respectivos proprietários glorifiquem a Deus e sirvam ao próximo, santificando-se a si mesmos, não para que se depauperem espiritualmente, definhando egoisticamente em si próprios;

c)          a saúde física do paciente não deixa de correr seus riscos por ocasião de uma intervenção cirúrgica. Ora a saúde também é dom de Deus, que ninguém tem o direito de esbanjar para satisfazer a caprichos desarrazoados, como frequentemente acontece quando se trata de operações plásticas.

 

2.   Ponderando isto, a Moral cristã, embora não condene peremptoriamente as operações plásticas, ensina que elas só podem ser tidas como lícitas mediante o cumprimento de certas condições:

 

1) Haja motivo proporcionalmente grave para se empreender semelhante intervenção. As vantagens que com probabilidade possam provir da operação plástica, devem superar os perigos a ela anexos. Tais vantagens seriam, por exemplo:

a)          o exercício normal e pacato de uma profissão para a qual o paciente experimenta vocação ou atrativo, exercício normal ao qual uma deformação física constituiria sério obstáculo;

b)          o gozo da autoridade e do prestigio necessários para que o cidadão desempenhe convenientemente na sociedade o papel que lhe compete;

c)          a consecução de um casamento lícito e digno;

d)          a remoção de complexos psicológicos que deformam a personalidade moral do paciente, travando ou impedindo seu desenvolvimento natural (há casos, sim, em que determinado defeito físico influi profundamente no comportamento psíquico e moral do respectivo sujeito).

Para a liceidade de uma operação plástica, requer-se outrossim que

 

2)         A intervenção em si mesma nada tenha de imoral. —

Como se compreende, nunca é licito empregar meios maus a fim de obter efeitos bons. Em outros termos: a moral de um ato humano deve ser avaliada não somente à luz do respectivo fim, mas também através das circunstâncias; caso alguma destas seja condenável, o ato mesmo se torna condenável.

Ademais a sã consciência exige que

 

3)         A importância do paciente na sociedade não seja tal que se torne temerário comprometer a sua saúde ou a sua vida em algum risco, por menor que seja.

Tratando-se, por exemplo, de um chefe de família cuja existência seja, humanamente falando, absolutamente necessária para assegurar o sustento dos seus, a prudência recomenda não se submeta, sem motivo muito grave, a uma intervenção que o possa afastar, provisória ou definitivamente, do exercício de suas funções. O mesmo se diga de uma personalidade pública cuja atuação na sociedade seja de grande relevo suposto, naturalmente, que a deformidade física não constitua obstáculo notável ao bom desempenho das respectivas funções).

Por último, é preciso que

 

4)         O paciente não seja submetido à operação plástica sem estar informado dos riscos que ele assim há de correr.

 

Todo indivíduo tem a obrigação de zelar pela conservação de sua vida. Desde que esta venha a sofrer algum perigo, é de desejar que ele o saiba a fim de se poder desincumbir de tão grave obrigação com o devido conhecimento de causa, assumindo assim a plena responsabilidade dos seus atos.

Desde que se preencham as condições acima, a Moral cristã - não tacha de ilícita toda e qualquer operação plástica.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9449147)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.33
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns23.13
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.28
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.78
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo13.74
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.22
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.10
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.23
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.84
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.71
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.79
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.44
Pregações  Protestantismo  4167 Onde está na Bíblia ...7.97
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.87
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.84
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.84
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.72
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.70
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.57
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.42
Diversos  Apologética  4169 Comer sua carne literalmente?6.97
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.63
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.62
Deus fez, de si mesmo, a solução do pecado original.
Claudio Maria

Católicos Online