Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS 56 – agosto 1962

 

DESEJAR A PRÓPRIA MORTE

«Não será lícito a alguém desejar a sua própria morte?»

 

Sobre a liceidade do desejo que alguém (como G. Faita) possa conceber, de deixar a vida presente e morrer, observe-se o seguinte:

 

O desejo de morte não é necessariamente desejo de suicídio. Na verdade, uma coisa é «desejar infligir a mim mesmo a morte»; outra coisa é «desejar que a morte natural me liberte da vida presente». Ao passo que o suicídio ou o desejo de dar a si mesmo a morte é sempre ilícito (disto tratará o próximo número de «P. R.»), o desejo de que a morte venha naturalmente, pode ser lícito ou não, de acordo com o motivo que inspire tal anelo.

 

a)   Se o motivo é a aspiração à definitiva união com Cristo na glória celeste, desejar a morte não é algo de ilícito; pode ser mesmo louvável, como se dava no caso de São Paulo (cf. Flp 1,23). Um tal desejo é perfeitamente compatível com a plena submissão à vontade de Deus; aceita, sem hesitação, o dia e as circunstâncias da morte que a Providência Divina queira assinalar à pessoa fiel; antes, esse mesmo amor a Cristo que leva a desejar a morte, leva igualmente a aceitar o prolongamento da vida na terra, desde que Deus o haja por bem (a fim de que a pessoa possa servir ainda um pouco ao reino de Cristo neste mundo).

 

b)   O desejo da morte própria pode ser motivado pela vontade de escapar às tribulações da vida presente... Esse desejo não é mau em si (embora menos nobre do que o anterior); na verdade, será sempre permitido ao cristão desejar humildemente, na presença de Deus, o alívio ou a cessação de seus padecimentos, pois o Criador não fez o homem para que sofresse, e, sim, para que fosse feliz. Tal desejo, portanto, será lícito desde que não implique em desespero ou revolta ou não equivalha a descaso dos desígnios da Providência; o cristão pode concebê-lo, contanto que o subordine totalmente à santíssima vontade de Deus e aceite na fé aquilo que o Senhor lhe quiser enviar; lembre-se outrossim de que o sofrimento é um valor, é testemunho de benevolência divina, pois purifica e santifica.

 

Somente a covardia consciente ou a voluntária falta de fé faria de tal desejo da morte uma ofensa a Deus, ofensa ora mais grave, ora menos grave, conforme o grau de lucidez de espírito de que gozasse o paciente. Há pessoas que, em momentos de irreflexão ou perturbação de ânimo, desejam a morte, como se tivessem perdido a confiança em Deus; tais atos não hão de ser julgados com grande severidade, pois em geral não são plenamente deliberados nem voluntários.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 7805572)/DIA
Diversos  Espiritualidade  4121 O Espírito Santo entre nós35.74
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?29.54
Vídeos  Testemunhos  4122 A conversão de Peter Kreeft28.49
Diversos  Igreja  4111 9 coisas que afastam as pessoas da Igreja19.61
Vídeos  História  4117 O nascimento da Igreja Católica18.87
Diversos  Aparições  4119 Nossos tempos são os últimos?16.80
Diversos  Doutrina  4120 A importância do catecismo15.14
Diversos  Apologética  4109 A virgindade perpétua de Maria na Bíblia14.69
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.27
Diversos  Testemunhos  4118 Como a Igreja mudou minha vida12.67
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?11.66
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.25
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo10.97
Diversos  Apologética  4102 Somente a Bíblia? Mentira!10.95
Diversos  Mundo Atual  4113 É o fim do cristianismo e da religião?10.72
Pregações  Doutrina  4091 O discurso do pobre10.58
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.53
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo10.10
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas9.81
Diversos  Igreja  4114 Unidade e Contradição9.40
Diversos  Sociedade  4116 O controle do povo9.27
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista8.64
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma8.62
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.58
Eu te dou graças, Senhor, por tão grandes benefícios. Jamais chegaria eu por mim mesmo a descobrir a tua benevolência. Em conseqüência, ouso pedir-te mais uma dádiva: não permitas que eu seja indiferente ao teu santo desígnio, numa vida rotineira ou superficial. Seja eu ardoroso na tarefa de me configurar ao teu Filho e assim chegar a contemplar as Vossas maravilhas, a luz da Verdade e o brilho da tua Face, razão suprema da minha existência!
Dom Estêvão Bettencourt

Católicos Online