Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS 56 – agosto 1962

 

MOISÉS, ESPOSO SANGUINOLENTO?

SAGRADA ESCRITURA

LUÍS (Maceió): «Que quer dizer o texto de Êxodo 4, 24-26? Javé teria resolvido matar Moisés... Séfora, então, a esposa deste, haverá circuncidado seu filho, salvando assim a vida do Legislador... A seguir, terá declarado a Moisés : 'És para mim um esposo sanguinolento!' Isso tudo é assaz misterioso!»

 

As dificuldades para entender a mencionada passagem se devem não somente à concisão do estilo, mas também ao fato de estar o texto mal transmitido, havendo variantes de leitura nos códices antigos; donde se compreende que mais de uma elucidação é possível.

Procuraremos abaixo propor o que há de certo e o que fica incerto em tal secção do Êxodo.

 

1. É certo...

 

Como ponto de partida do nosso estudo, segue-se uma tradução plausível (embora não seja a única possível) do texto de Ex 4,24-26:

 

24 «Moisés, em viagem, deteve-se para passar a noite, quando o Senhor o abordou, procurando matá-lo. 25 Séfora então tomou uma pedra afiada, cortou o prepúcio de seu filho e fez que tocasse o sexo de Moisés, dizendo: 'Era verdade, és para mim um esposo sanguinolento!'. 26 Assim Javé deixou Moisés. Séfora havia dito: 'Esposo sanguinolento', por causa da circuncisão».

 

1.1. Já que o episódio se desenvolve em torno da circuncisão, convém antes do mais lembrar um ou outro traço do que dissemos em «P. R.» 12/1958, qu. 5, a respeito de tal rito.

 

A circuncisão consistia em um talhe de pele ou, mais precisamente, na ablação do prepúcio. Parece ter estado em uso desde remotíssimas épocas, pois nos tempos relativamente recentes a que se refere a Escritura Sagrada (segundo milênio antes de Cristo, quando já havia metalurgia), ainda era praticada com lâminas de pedra afiada (o que lembra a idade da pedra talhada); cf. Jos 5,3. Tal rito era assaz comum entre os povos antigos, continuando até hoje em vigor na sétima parte, aproximadamente, da população do globo. A sua origem fica sondo assaz obscura: crê-se com verossimilhança que se tratava de um rito de iniciação ao casamento, rito destinado a favorecer a fecundidade e o ato sexual (tenha-se em vista o fato de que os vocábulos hebraicos que designam o genro — hathan — e o sogro — hothen — se derivam da mesma raiz hatan, que significa circuncidar em árabe).

 

Dado que a circuncisão fosse cerimônia pré-nupcial, entende-se que os pagãos a aplicassem geralmente aos adolescentes, e não às crianças; devia equivaler a um ato de declaração de plena virilidade.

 

Visto que tal rito era muito familiar aos antigos, o Senhor quis que servisse em Israel para assinalar a adesão do judeu ao povo escolhido; era, pois, a marca distintiva dos varões que aceitavam a aliança que Javé iniciara com Abraão, prometendo a este Patriarca a bênção messiânica (cf. Gên 17,9-14). Consequentemente, entende-se que a circuncisão entre os israelitas tenha sido praticada na infância, ou seja, no oitavo dia após o nascimento da prole masculina (e não na idade da adolescência).

 

Passemos agora ao trecho bíblico que interessa analisar.

 

1.2. Narra o livro do Êxodo c. 4 que Moisés, atendendo a um chamado de Deus, deixou a terra de Madiã e se pôs a caminho da corte de Faraó no Egito. Em uma etapa noturna, o Senhor Deus (ou, conforme a tradução grega dita «dos LXX», um anjo do Senhor) apareceu ao santo varão, procurando matá-lo... Sem metáfora, esta passagem quer simplesmente dizer que, durante a sua viagem, Moisés se viu na iminência de terrível castigo divino: grave moléstia ou sério perigo de morte o devem ter acometido... E por que motivo? — Embora o texto sagrado não o diga explicitamente, depreende-se que a punição se devia ao fato de não haver sido circuncidado Gersam, o filho de Moisés. Sim; logo que Séfora praticou tal rito, Moisés foi poupado e recuperou o vigor.

 

Já que vivera até então no território de Jetro, seu sogro, o qual não devia ter o costume de circuncidar criancinhas, Moisés ter-se-á deixado influenciar por este varão, omitindo a circuncisão de seu filhinho oito dias após o respectivo nascimento; ora isto equivalia a grave transgressão de solene preceito de Javé; não podia ser tolerado na família do futuro legislador de Israel. Justamente para fazer que Moisés compreendesse bem a incoerência de tal situação é que o Senhor houve por bem intimá-lo na citada etapa da sua viagem.

 

Consciente disto, Séfora fez as vezes de seu marido enfermo e achacado, realizando a circuncisão de seu filhinho. Em consequência, o Senhor fez cessar o grave perigo que pesava sobre Moisés.

 

Eis o significado geral do texto de Êx 4,24-26; não deixa margem a sérias hesitações. As dificuldades começam quando se analisam os pormenores referidos nos v. 25 e 26 (pode-se, de resto, notar que o v. 26 falta por completo na tradução grega dos LXX). — Abordemos, portanto, as dúvidas e suas possíveis soluções.

 

2. O que fica incerto

 

A primeira fonte de hesitações exegéticas é o fato de que a forma hebraica original de Êx 4, 25s e a antiga tradução grega dos LXX não concordam entre si na transmissão do texto.

 

Veiamos, pois, separadamente cada uma dessas duas faces da secção bíblica.

 

a) O texto hebraico

 

Eis o teor do texto fielmente traduzido do hebraico:

 

24 «Moisés, em viagem, deteve-se para passar a noite, quando o Senhor o abordou, procurando matá-lo. 25 Séfora então tomou uma pedra afiada, cortou o prepúcio de seu filho e tocou os pés de Moisés com ele, dizendo: "Era verdade, és para mim um esposo sanguinolento!'...»

 

No trecho acima, a dificuldade de explicação provém principalmente da expressão «tocou os pés».

 

a') Alguns exegetas observam que a palavra «pés» é não raro, na Bíblia, um eufemismo que designa as partes genitais (cf. Dt 28,57; Gên 49,10). Admitindo-se que tal seja o caso também em Êx 4,25, o autor sagrado afirmaria que Séfora tocou os órgãos genitais de seu esposo com o prepúcio de seu filho. Isto se explicaria na hipótese de que Moisés ainda não tivesse sido circuncidado até aquele momento; o sangue e a circuncisão do filho substituiriam o sangue e a circuncisão do pai, e aplacar-se-ia a justa ira de Deus.

 

Que dizer de tal interpretação?

 

Por mais verossímil que pareça, encontra obstáculos.

 

Com efeito. Pergunta-se: como chegar à certeza de que «pés», no texto, é tomado como eufemismo, e não ao pé da letra? Como admitir que Moisés não tivesse sido circuncidado até aquele momento? Qual o fundamento para crer que a circuncisão do filho valia pela do pai? Se Moisés estivesse diretamente em falta, não teria Séfora empreendido a circuncisão do próprio Moisés, em vez da do filho? Sabe-se que Abraão circuncidou não somente seu filho Isaque, mas também a si mesmo, embora estivesse em idade adulta (cf. Gên 17,23). Sabe-se também que os homens de Siquém e os guerreiros de Josué foram circuncidados como adultos (cf. Gên 34,24 e Jos 5,2-8).

 

Estas considerações levam o intérprete a procurar outra explicação do texto.

 

b') Há autores que tomam a palavra «pés» na sua acepção própria ou literal. Lembram outrossim que algumas traduções antigas e abalizadas (Símaco, Teodocião, Peschitto, os LXX) entendem «tocar os pés», em Êx 4,25, no sentido de «cair aos pés» ou «abraçar os pés». Séfora teria feito isso, exclamando ao mesmo tempo : «És para mim um esposo sanguinolento!» Com tal gesto, ela haveria observado que seu esposo Moisés acabava de lhe custar o preço do sangue de seu filho; sim, o marido teria sido conservado em vida por efeito da circuncisão ou do derramamento de sangue da criança.

 

Contudo também esta hipótese fica sendo pouco provável, porque, como a anterior, supõe, não tenha sido Moisés circuncidado. Dai o recurso a nova explicação...

 

c') Moisés fôra, sim, circuncidado, mas com circuncisão meramente carnal ou ritual, e não com uma circuncisão «de coração» (como diz o profeta Jeremias 9,26); isto é: a circuncisão de Moisés, praticada no Egito, não teria tido valor religioso; não terá sido a circuncisão completa e total que o Senhor Deus esperava dos filhos de Israel; a circuncisão de Gersam tornava-se assim necessária para assegurar a Moisés (por transferência simbólica) os benefícios da aliança com Javé. — Tal teoria é assaz arbitrária e inconsistente. Resta então tentar o exame de:

 

b) A versão dos LXX

 

Em vista dos pontos obscuros do texto hebraico, há exegetas que preferem elucidar a passagem na base da tradução grega dos LXX, que assim se apresenta:

 

25 «Séfora tomou uma pedra afiada, cortou o prepúcio de seu filho, e caiu-Lhe aos pés, dizendo ; 'Está entregue o sangue da circuncisão de meu filho!'» Falta o v. 26.

 

Neste caso, o pronome obliquo «Lhe» designaria não Moisés, mas o Senhor Deus. A Este então Séfora teria dirigido as palavras citadas, desejando salientar que a circuncisão acabava de ser realizada e que, por conseguinte, já não havia motivo para que Moisés continuasse a ser ameaçado de castigo ou morte. A exclamação de Séfora equivaleria assim a uma prece em favor de seu esposo, a fim de que o Senhor lhe poupasse a vida. O v. 26 do texto hebraico atestaria que tal oração foi de fato bem sucedida : «Javé deixou Moisés».

 

Esta hipótese supõe naturalmente que o Senhor tenha aparecido a Moisés e Séfora sob forma humana dotada de pés (coisa semelhante, aliás, se 16 em Gen. 16, 7-13). Tal suposição é plausível; somente vendo a forma humana de Javé é que Séfora podia compreender que o perigo de morte de Moisés não era meramente natural, mas se devia a intervenção extraordinária de Deus, motivada por um pecado.

 

Esta nova interpretação é bem mais simples. Recomenda-se por dispensar certas suposições que as explicações anteriores tornam necessárias. Apenas se lhe pode objetar que se baseia não no texto original, mas numa tradução, que, embora seja antiga, reproduz por vezes o pensamento dos tradutores, e não o do autor da forma original.

 

Diante de todas estas ponderações, fica sendo difícil optar por determinada explicação do texto de Êx 4,24-26, de preferência a qualquer outra. Numa conclusão serena e objetiva, dir-se-á, portanto, que é preciso renunciar a saber «demais» no caso; ao leitor toca a liberdade de avaliar os argumentos favoráveis e desfavoráveis de cada sentença, e formar pessoalmente o seu juízo no tocante aos pormenores (não ao teor geral) de Êx 4,24-26.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8530500)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?31.28
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.71
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.26
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.73
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.15
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.07
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns10.97
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo10.89
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.57
Diversos  Mundo Atual  4134 Karl Marx, de cristão a satanista9.98
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?8.66
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo8.27
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.14
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.86
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.53
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.44
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.30
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.04
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.02
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes6.89
PeR  Ciência e Fé  0558 Coma Reversível e Coma Irreversível6.61
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?6.44
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.41
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma6.22
A consequencia da aventura louca chamada protestantismo é a apostasia.
Padre Paulo Ricardo

Católicos Online