Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS 046 – outubro 1961

 

BALAÃ E O ASNO QUE FALOU

SAGRADA ESCRITURA

«A Sagrada Escritura ensina mesmo que o asno tenha falado a Balaã no episódio relatado em Núm 22,22-35

 

Na travessia de Israel pelo deserto, de que falam os primeiros livros da Bíblia, deu-se estranho episódio, ou seja, o encontro da caravana israelita com o mago Balaã.

Abaixo resumiremos o teor do acontecimento, para procurar definir devidamente o seu sentido.

 

1. A narrativa bíblica como tal

 

Os judeus, caminhando pelo deserto, haviam, com o auxílio do Senhor, conseguido debelar povos poderosos, que tinham tentado criar-lhes obstáculos. Ora o rumor desses feitos aterrorizou o rei de Moab, Balaque, o qual na previsão de um encontro com Israel, julgou estar ameaçada a subsistência de sua gente. Reputando-se incapaz de conjurar o perigo pelas ar- mas apenas, resolveu recorrer ao poder religioso: lembrou-se de um mago residente em Petor, junto ao Eufrates, o qual lograra fama em todo o Oriente; era Balaã. Mandou, pois, legados, portadores de ricos presentes e promessas, os quais lhe rogaram fosse ter ao país de Moab e de lá amaldiçoasse os israelitas acampados na vizinhança. Balaã era temente à Divindade; por isto não quis partir sem consultar o Senhor. Após insistência, obteve licença para seguir viagem, à condição, porém, de não proferir sobre Israel senão os oráculos que lhe fossem inspirados do alto.

 

Ao viajar para Moab sobre um jumentinho, experimentou estranha aventura: um anjo de Javé, de espada na mão, assustou o animal, fazendo que se desviasse da estrada e entrasse nos campos; de novo apareceu o anjo num caminho estreito, de modo que o jumento só pôde passar atritando o pé de Balaã contra as pedras do muro; em terceira aparição, o anjo se postou em lugar tão estreito que o asno, não podendo prosseguir, se deitou por terra. Como Balaã espancasse veementemente o animal, «o Senhor abriu a boca do jumento» (22,28), o qual explicou que algo de extraordinário se dera. Então o anjo se tornou visível também ao mago e repreendeu-o por ter encetado tal viagem; permitia-lhe, porém, continuar, renovando a condição anteriormente expressa.

 

Chegando a Moab, Balaã, apesar das insistências contrárias de Balaque, só proferiu os oráculos de bom presságio para Israel que o Senhor Deus lhe inspirava.

 

A história assim descrita pelo livro sagrado pede naturalmente algumas explicações para ser devidamente entendida.

 

2. A fala do asno...

 

2.1. Em primeiro lugar, note-se que Balaã era pagão, não israelita. Exercia a profissão de mago ou adivinho, isto é, vivia perscrutando os sinais que a natureza ou artifícios secretos lhe ofereciam (cf. Núm 23,3; 24,1), sinais mediante os quais julgava perceber os desígnios da Divindade; em troca de seus oráculos, recebia paga correspondente (cf. Núm 22,7), consoante a praxe observada no Oriente.

 

O fato de que ele reverenciou o Deus de Israel, deixando-se guiar pelas suas inspirações, não quer dizer que habitualmente Lhe prestava culto nem mesmo que era monoteísta; apenas, tendo tido conhecimento de quanto o Senhor fizera por seu povo desde a saída do Egito, reconhecia a existência e o poder respeitável do Deus de Israel, e não queria incorrer no seu furor. Segundo a mentalidade comum dos pagãos, ao lado de Javé, não deixava de admitir as divindades dos outros povos.

 

O Senhor Deus se dignou responder a Balaã, que, temeroso, antes de falar, invocara a Divindade (o mago ter-se-á dirigido simplesmente ao Poder Divino competente para o esclarecer no caso). Comunicou-lhe alguns dos seus desígnios a respeito de Israel; fê-lo assim instrumento de autênticas revelações nos oráculos que proferiu (cf. Núm 23, 7-10. 18-24; 24, 3-9. 15-24), o que não supõe necessariamente santidade na respectiva criatura (cf. o caso de Caifás em Jo 11,50-52).

 

2.2. Eis, porém, que a figura de Balaã, embora tenha deixado vaticínios de ótimo agouro para Israel, passou para a tradição judaica e cristã com nota depreciativa; ficou sendo o tipo do homem avarento, que acima de Deus estima os seus interesses próprios, materiais.

 

Por que isto? Será essa a genuína face de Balaã?

 

O texto sagrado o explica. Embora já antes de partir para Moab soubesse que Deus abençoara Israel (cf. 22,12), Balaã tudo fez para não perder os ricos prêmios que lhe prometia Balaque, caso amaldiçoasse; às instâncias do rei quis dar resposta favorável, esperando que Deus mudasse os seus desígnios (22,18s). Chegando à terra de Moab, não excluiu a possibilidade de amaldiçoar (22,38); não tendo recebido licença para isto, não ousou desobedecer para não se expor ao castigo divino consequente; mas, irritado, procurou desforra: tentou mais tarde levar Israel à ruína, persuadindo os madianitas a seduzir o povo para a apostasia religiosa (cf. 31,16). Em suma, as graças do Senhor foram em Balaã sufocadas pela cobiça de vantagens temporais e pela amargura de não as ter alcançado.

 

2.3. É nesta perspectiva que se deve considerar o episódio do jumento que falou ao mago... Já que o fenômeno foi ocasionado pelas aparições de um anjo que dificultava a caminhada, pergunta-se antes do mais: por que terá Deus, por um emissário, impedido a viagem que Ele mesmo pouco antes autorizara (cf. 22,20 e 22) ? O proceder se explica bem desde que se admita que Balaã não viajava com a disposição de ânimo (docilidade às futuras comunicações divinas) que o Senhor lhe incutira ao lhe permitir a partida; enquanto cavalgava, o adivinho, refletindo consigo, terá tomado a resolução de amaldiçoar em qualquer caso, a fim de não perder o salário devido às suas fadigas. Ora uma viagem com tal propósito não podia deixar de desagradar ao Senhor, que houve por bem chamar Balaã à ordem. A repreensão se efetuou com o concurso de fenômenos sensíveis, aos quais o oriental, muito impressionável, se rende com mais facilidade...

 

Assim entra em cena no texto bíblico o asno que fala. Não faltaram os que lhe denegaram historicidade, considerando a narrativa inteira como lenda, mito popular, sonho de Balaã, visão de alucinado, etc.. Tais sentenças, como em vários outros casos, são ditadas pelo desejo de não admitir o sobrenatural no curso dos acontecimentos.

 

Entre os que defendem a realidade histórica do episódio, há quem julgue que o asno produziu realmente sons de linguagem humana. Não é esta, porém, a única explicação possível do texto sagrado. Conforme outros exegetas, o animal espancado emitiu os sons queixosos que Deus lhe dirigia; em outros termos: ouvindo o asno, Balaã ouviu simultaneamente a voz da consciência, voz de Deus no seu íntimo, à qual o censurava amargamente por estar viajando com propósitos contrários ao Senhor ou por se haver deixado obcecar pela perspectiva do ouro... Assim o episódio não viria a ser senão o relato vivo e dramático da luta que, no ânimo do adivinho em viagem, se travou entre o temor de Deus, de um lado, e a paixão da avareza, do outro lado; somente na consciência do mago é que os berros desarticulados do animal tomaram o vulto e o significado das palavras que o autor sagrado, visando maior ênfase, coloca diretamente na boca do jumento. A visão e os dizeres do anjo, sobrevindo a esse estado de alma de Balaã, terão corroborado a voz da consciência e feito que o adivinho se rendesse finalmente à admoestação do Senhor; em consequência, foi autorizado a prosseguir viagem.

 

Esta última interpretação é muito digna da Sabedoria e da Providência divinas. Não se lhe pode opor o texto de 2 Pdr 2,15s:

«Balaã, filho de Bosor,... amou o salário da iniquidade, mas foi repreendido por sua desobediência: um animal mudo fez ouvir voz humana para reprimir a demência do profeta».

 

É o Cardeal Meignan quem observa:

«O apóstolo fala conforme a opinião comum dos judeus; visa o ensinamento moral, não a realidade material dos fatos» (L'Ancien Testament. De Moïse à David, 1896, 216 n' 1).

 

O que acaba de ser exposto parece pôr em suficiente evidência o sentido religioso e autêntico do episódio de Balaã, episódio que é mais do que a história de um animal que fala!...

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9449339)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.33
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns23.13
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.28
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.78
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo13.74
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.22
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.10
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.23
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.84
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.71
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.79
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.44
Pregações  Protestantismo  4167 Onde está na Bíblia ...7.95
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.87
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.84
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.84
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.72
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.70
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.57
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.42
Diversos  Apologética  4169 Comer sua carne literalmente?6.94
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.63
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.62
Aquelas bem-aventuradas virgens, que se consagraram a Jesus Cristo, podem estar certas de que não encontrarão, nem no céu nem na terra, um esposo tão belo, tão nobre, tão rico, tão amável como Aquele que lhes foi dado, Jesus Cristo.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online